Seduce Me: James (parte 7)

Oi oi, pessoal! Crys-chan voltou com mais Seduce Me! Espero que gostem! :)

Você: Eu abri meus olhos para ver uma mulher me encarando com um sorrisinho bastante astuto em seu rosto. Eu abri minha boca para gritar em medo, mas uma mão rapidamente cobriu minha boca.
???: Ah ah ah~! Sem gritar, agora. Cedo demais, menina boba~
Você: Eu pude apenas encarar a mulher acima de mim. Eu ainda me senti fraca, não tendo a força para mover ou enfrentá-la. O que estava acontecendo e por que ela estava aqui?!
???: Hmm... Por que os rapazes gostam de você? Você é única, sim, mas isso não pode ser tudo o que você...
Você: Raiva começou a consumir meu núcleo de novo. Essa mulher, seja lá quem ela era, estava me deixando insana. Ela deve ter percebido quando ela deixou outro sorrisinho crescer em seu rosto.
???: Oooh~ Você é corajosa. Isso poderia ser a razão...
Você: Antes que eu pudesse morder a mão dela em raiva, ela removeu sua mão dos meus lábios, levantando e me encarando do seu lugar ao lado da minha cama. Eu rapidamente sentei e encarei muito irritada a invasora. Ela era muito linda, mas eu senti mais raiva que espanto.
Você: Quem inferno é você e por que você está no meu quarto?
Você: A mulher começou a rir, fazendo minha raiva dentro de mim aumentar. Eu queria socá-la, mas eu esperei pela resposta dela.

Diana: Que tolice a minha. Eu esqueci que nós demônios não somos bem conhecidos no seu mundo. Você pode me chamar de Diana, pequena humana~
Você: Diana? ... Demônio?
Você: Você é um demônio?
Diana: Eu sou, mas eu sou muito mais que apenas um demônio mediano.
Você: O que você quer dizer?
Diana: Menina boba, eu sou uma súcubo.
Você: Eu encarei Diana em choque. Uma súcubo? Primeiro íncubos, agora uma súcubo. Ótimo. Eu tinha agora conhecido ambos os gêneros de demônios do sexo. Diana cruzou seus braços sob seu seio e olhou para meu corpo.
Diana: Bem, você é bonita... Mas você parece muito imprudente... Imprudente demais...
Você: Eu me movi e levantei da cama, ainda encarando Diana.
Você: Por que você está aqui?
Diana: Oh, eu apenas quis ver quem minha concorrência era.
Você: Concorrência?
Diana: Pelos rapazes, claro. Eles não pertencem aqui, e ainda aqui eles permanecem. Eu quis saber por que e remediar esse pequeno problema.
Você: Essa garota estava seriamente me irritando.
Você: Problema?! Que problema?! Eles querem ficar aqui, então eles podem.
Diana: Boba humana ignorante. Você não entende os importantes papéis que esses rapazes desempenham nas Planícies Abissais. Você mantendo-os aqui é praticamente aprisionamento.
Você: Você tem dez segundos para ir embora.
Diana: Isso é uma ameaça? Que adorável. O que você vai fazer? Me matar?
Você: E se eu fizer?
Diana: Você mal tem a força para ficar de pé, pequena humana. Eu posso arrancar o resto da sua energia e te jogar num coma. Você nunca será capaz de acordar novamente~
Você: Toque-me e eu vou—
Diana: Aproveitar cada minutinho disso~
Você: Eu senti meu corpo congelar e esquentar para quase um doloroso torpor. Minha mente começou a ficar vaga quando Diana se aproximou de mim e acariciou minha bochecha.
Diana: Agora, você irá escutar tudo o que eu disser sem nenhuma pergunta, entendeu?
Você: Eu assenti.
Diana: Bom~ Eu planejo levar os rapazes de volta para as Planícies Abissais. Por quê? Para que eu possa pegar meu lugar como Rainha do reino deles. Eles não têm razão para estar aqui nesse bobo mundinho, então eu irei ter certeza de que eles voltem para casa. Okay, abóbora?
Você: Eu assenti, mas rosnei. Minha raiva não poderia ser escondida, apesar da contenção sob a qual eu estava.
Você: Sua... puta... má...
Diana: Hahaha! Chame-me de má o quanto quiser, queridinha. Eu não sou má; você apenas está no meu caminho.
Você: Eu senti Diana se inclinar na minha orelha e sussurrar, fazendo-me inconscientemente estremecer em prazer e irritação.
Diana: Agora, seja uma boa humanazinha e vá para cama. Eu terei certeza de que eles terão ido embora antes de você voltar amanhã da escola, então tenha certeza de dizer adeus pela manhã.
Você: Eu senti meu corpo se mover por conta própria para deitar na cama e cobrir-se com meus lençóis. Eu encarei Diana o caminho inteiro. Diana riu da minha futilidade.
Você: Eu vou... pegar... você...
Diana: Oh, por favor, faça~
Você: De repente, a voz dela afundou e tornou-se fria e demoníaca, mandando um violento arrepio assustado descer minha espinha. Os olhos vermelhos dela praticamente iluminaram na escuridão do meu quarto enquanto ela me encarava.
Diana: Me dê uma razão para fazer da sua vida um inferno vivo~
Você: Eu trinquei meus dentes, tentando lutar contra o aperto em mim. Ela não poderia ser assim tão difícil. Ela precisava de energia para sobreviver, certo? Eu tinha certeza de que ela não tinha o suficiente para me segurar pra sempre. Diana então riu e retornou ao 'normal'.
Diana: Oh, e tenha certeza de não dizer aos rapazes que eu estive aqui. Eu quero minha visita para ser uma surpresa~
Você: Eu senti o aperto em mim desaparecer, permitindo-me sentar e praticamente rosnar a Diana em raiva.
Você: O que está me parando?!
Diana: Tsk tsk tsk, então você não deve se importar sobre suas amigas e família tanto quanto se importa com os rapazes~
Você: Eu parei e encarei. O que ela quis dizer com aquilo? Aquilo era uma ameaça à minha família? Diana deu um sorrisinho para mim, sabendo da confusão por trás dos meus olhos.
Diana: Vamos apenas dizer que, se você contar aos rapazes sobre mim, eu terei certeza de que NINGUÉM vai se importar com você e você estará totalmente sozinha nessa casinha até o dia que você morrer~
Você: Eu pude sentir medo rastejando em mim. Sozinha? Como ela poderia fazer isso? A palavra 'demônio' reverberou em minha cabeça, lembrando-me de que eu estava enfrentando contra alguma coisa supernatural. Uma humana com um escudo contra um diabo era uma coisa. Uma humana por conta própria contra um demônio era outra.
Diana: Tenha uma boa noite~
Você: E, com isso, Diana afundou no chão através de um pentagrama mágico roxo, o qual desapareceu assim que a cabeça dela evaporou no chão. Eu não podia acreditar. Eu tinha um problema e agora eu tinha outro. Ao invés de um diabo psicótico louco que queria matar eu e os rapazes, eu tinha uma súcubo querendo arruinar minha vida e levar os rapazes embora. Podia minha vida ficar AINDA pior? Não. Eu não iria deixá-la ganhar.
Você: Ela não é tão poderosa quanto ela parece. Eu sei disso.
Você: Eu tinha que mentalmente confirmar isso. Ela não iria vencer. Os rapazes queriam ficar comigo. Eu soltei um suspiro antes de fechar meus olhos, afirmando meu plano de ação. Não importa o que ela iria fazer, eu iria derrotá-la. Eventualmente, a manhã chegou e o sol gritou para eu acordar. Surpreendentemente, eu acordei antes do meu alarme de novo, o que era legal. Eu me espreguicei e rapidamente me vesti, ficando pronta para a escola. Ela espera que eu diga adeus aos rapazes. Eu irei dizer bom dia e os verei quando eu voltar.
Você: Sem chance que eu vou dizer adeus.
Você: Eu peguei minha mochila e direcionei-me para o andar de baixo para a sala de jantar, vendo os rapazes já comendo uma deliciosa seleção de comida. O aroma fez meu estômago roncar selvagemente enquanto a visão da comida me fez andar mais para dentro do cômodo.
James: Bom dia, senhorita. Você dormiu bem?
Você: Antes que eu pudesse mentir, escondendo o incidente no fundo da minha mente, Damien franziu suas sobrancelhas e parou de comer.
Damien: Ela está aqui.
Você: Os rapazes olharam para Damien em confusão enquanto eu amaldiçoava sua habilidade silenciosamente em minha boca.
Matthew: Umm... Damien, o que você tem? Claro que ela tá aqui. Ela meio que é dona da casa.
Você: Damien olhou para mim, querendo que eu explicasse por ele. Entretanto, as ameaças que Diana me deu noite passada me avisaram para manter minha boca calada.
-Evite.
-Diana.
Aqui você pode decidir se avisa ou não os rapazes sobre Diana. Eu escolhi “Diana”.
Você: Damien pressionou seus lábios juntos numa linha fina. Os outros rapazes olharam para mim com uma sobrancelha levantada.
Você: Uma garota chamada Diana veio aqui noite passada...
Erik: Diana? Ela é importante?
Sam: Ela tentou te machucar??
Você: Ela é uma... súcubo.
Você: Aquela única palavra fez os rapazes pararem e me encararem. Eu olhei para cada rapaz, incerta do que estava passando pelas suas mentes. Eu deveria ter evitado isso?
James: Então... ela veio tentar e levar-nos de volta...
Matthew: Ela deve realmente estar desesperada.
Erik: Bem, o que nós devemos fazer agora?
Sam: Nada. Ela vai desistir eventualmente.
James: Ela irá?
Você: Os rapazes continuaram a me olhar como se eu soubesse a resposta para aquela questão. Droga, Damien.
Você: Ela disse que se eu contasse a vocês, ela faria da minha vida um inferno vivo... Ela não pode possivelmente fazer isso, certo? Ela não é um diabo.
James: Não, ela não é... Entretanto, ela é um demônio muito poderoso.
Erik: Ela é uma mestra da manipulação mental e tem sido treinada em ilusão. Diferente dos outros demônios que usam a força para ter poder, ela usa seu carisma.
Damien: Ela tem o poder de fazer exércitos se curvarem a ela e obedecer cada desejo seu. Esse é o porquê ela é tão obcecada conosco.
Você: O quê? O que você quer dizer?
Matthew: Bem... ela meio que tem laços familiares com a gente... Ela foi prometida casar com um de nós em troca de mais poder.
Sam: Ela é só uma puta batida que não sabe como fechar as pernas. Ela não é uma ameaça real.
Diana: Oh, verdade? Eu me sinto insultada.
Você: Os rapazes e eu olhamos ao redor do cômodo, imaginando de onde a voz veio. Eu senti suor frio descer a parte de trás do meu pescoço em medo, lembrando que tipo de poder ela tinha. Ao fim, nós vimos Diana na entrada da cozinha, fazendo malabarismo com uma única maçã em sua mão enquanto ela se inclinou contra a arcada. Os rapazes rapidamente me cercaram, encarando a intrusa.
James: Então, você pegou um nome humano também.
Diana: Lindo nome, não é? Bem, para um nome humano, de qualquer maneira.
Sam: O que inferno você quer?
Diana: Levar vocês de volta, claro! Entretanto, vocês não eram supostos a saber que eu estava vindo. Eu completamente esqueci sobre essa pequena habilidade de ler mentes. Meu erro.
Você: Diana se afastou da arcada e andou em nossa direção, fazendo os rapazes pisarem mais perto de mim em um círculo protetor. Diana riu.
Diana: Meu, meu, meu. O que os mundos se tornaram? Um grupo de demônios protegendo uma garota humana? Eu direi a vocês agora, ela não é assim tão bonita e, pelo o que eu posso dizer, ela ainda é uma virgem.
Você: Meu rosto ficou vermelho em completa raiva e vergonha. Como ela se atreve?!
-Oh, INFERNO não.
-...
Aqui você pode escolher como reagir à arrogância da Diana. Eu escolhi “Oh, INFERNO não”.
Você: Eu pisei à frente, gentilmente empurrando os rapazes para ficar cara a cara com Diana. Eu estava furiosa e ela estava prestes a sentir minha ira.
Você: Você está na MINHA casa. Você é uma INVASORA. Você não tem NENHUM poder aqui.
Diana: Oh sério? Eu tenho que lembrar você do poder que eu tenho, querida?
Você: Com um estalar de seus dedos, minha mente repentinamente trancou e eu me senti em branco. Eu podia ver o mundo ao meu redor, mas eu perdi o controle do meu corpo. Os rapazes rapidamente se reformaram ao meu redor com James agarrando o pulso de Diana em raiva.
James: Você irá embora nesse instante.
Diana: Ou o que? Você vai me matar? Eu completamente DESAFIO você.
Sam: Deixe eu fazer isso. Eu podia usar o exercício.
Damien: Não faça.
Você: Os rapazes olharam para Damien enquanto Diana deu um sorrisinho ao meu estado em branco. Eu queria lutar contra esse aperto, mas o poder ela me segurou.
Matthew: E por que não?
Damien: Ela nos quer para matá-la. Se ela morrer, então guerra civil começará no mundo dos demônios...
Diana: Ahahahaha... muito bom, docinho.
Erik: O que acontece no mundo dos demônios não nos preocupa mais. Nós vivemos aqui, agora.
Damien: ... Os demônios virão para o mundo humano e nos caçarão antes de atacarem uns aos outros...
Você: Os demônios... virão... para o mundo humano? Tudo por causa dela?
Sam: Sua puta sorrateira!
Você: Com outro estalar dos dedos de Diana, eu fui solta de seu aperto, quase me curvando aos meus joelhos.
Diana: Bem, vocês irão todos mudar suas mentes? Eu asseguro a vocês, é para o bem maior.
Você: Eu esperei que os rapazes dissessem não. O que eu ouvi foi completo silêncio. Nenhum dos rapazes respondeu Diana, que me deixou tanto nervosa quanto temerosa do por que. Diana inclinou sua cabeça para trás um pouco, surpresa por uma diferente razão.
Diana: Não? Bem... Eu vejo...
Você: Era silêncio verdadeiramente eles dizendo não a ela? Eu olhei ao redor para os rapazes e vi a desobediência em seus olhos, dando-me minha resposta. Eu senti meu coração palpitar, especialmente quando meus olhos pousaram em James. Ele se manteve perto de mim, encarando adagas em Diana. Eu pude sentir que ele estava completamente diamante em sua escolha para ficar. Eu não sei o que, mas eu estava incrivelmente feliz por saber que ele queria ficar. Diana suspirou e pressionou um dedo em sua têmpora, massageando-a gentilmente.
Diana: Ou todos vocês estão jogando um jogo difícil de conseguir bastante convincente... ou vocês todos devem estar fora de si...
Você: Diana então olhou para mim, trancando seu olhar com o meu como se para me ler. Eu podia sentir que ela queria que eu fizesse algo, mas os rapazes iriam pará-la, então o olhar era sua única ação disponível. Depois de um pequeno momento de silêncio, Diana lambeu seus lábios antes de quebrar a batalha de olhares e sorriu para os rapazes ao meu redor.
Diana: Muito bem. Eu acho que irei embora agora.
Você: O quê? Ir embora? Ela estava séria? Os rapazes ao meu redor se endireitaram e tinham expressões confusas em seus rostos enquanto Diana pisava para trás e longe de nós com uma pequena reverência, exibindo seu decote. Sem outra palavra, um pentagrama roxo escuro apareceu debaixo de seu pé e o corpo de Diana lentamente afundou no chão. Assim que sua cabeça desapareceu no chão, o pentagrama desapareceu. De vez, os rapazes relaxaram e lentamente começaram a retornar a seus lugares na mesa, cada um em pensamento profundo.
James: Ela voltará... mas ela não vai nos matar. Ela precisa de nós vivos.
Matthew: Tanto faz. Nós vamos continuar dizendo não! Ela não pode nos forçar a voltar.
Sam: Ela não pode fazer nada além de nos irritar. Eventualmente ela vai desistir.
Erik: Essa é a esperança, de qualquer maneira...
Você: Esperançosamente...
Você: James se aproximou de mim e gentilmente acariciou minha bochecha, olhando para mim com um sorriso confortante.
James: Não há necessidade de se preocupar. Eu prometo que ela não machucará você.
Você: Eu assenti, sentindo que ele estava falando a verdade, ou pelo menos um pensamento esperançoso e reconfortante. James beijou minha testa, entretanto, fazendo-me corar e esquecer sobre o que eu estava pensando. O som de risadas coletivas e risadinhas brincalhonas sussurraram pelo ar, fazendo-me corar ainda mais, mas o repentino rosnado que irrompeu do homem acima de mim fez a risada parar. Eu não vi o rosto de James, mas eu podia dizer que ele estava encarando seus irmãos com seus lábios em minha cabeça. Ele e eu nos afastamos do outro logo quando o som do carro de Naomi apareceu. Eu rapidamente comi minha comida, acenei para os rapazes, e saí, confiante que nada iria acontecer. Nunca, nunca mesmo diga que nada vai acontecer antes do dia terminar.
Esse é o fim da parte 7! Até a próxima! :)

Comentários

Mais Lidas ♥