Seduce Me: Minha Princesa (Epílogo do Erik)

Oi oi, pessoal! Crys-chan chegou com mais Seduce Me. Espero que gostem! :)

Quando você está namorando alguém, você espera surpresas. Dependendo em quem você está namorando, as surpresas podem variar de um novo hábito que eles possam ter ou algo que pode mudar o modo como você os vê. Quando se trata de namorar um DEMÔNIO, as possibilidades se tornam infinitas. É isso mesmo; eu estava apaixonada por um demônio. As muitas surpresas que ele me mostrou incluíam ele ser um íncubo, ele ter poderes de tentáculos, e ele ser um ex-nobre de um enorme reino expansionista. Eu não achei que nada poderia levar o bolo acima dessas coisas. Eu estava errada. Eu me encontrei lindamente vestida, sentando no luxuoso carro de meu noivo enquanto nós dirigimos para a cidade de Chicago. Eu não vestia roupas chiques muitas vezes, então sentir o generoso tecido do vestido que eu estava usando contra minha pele era quase desconfortável. Ainda, eu tinha que admitir, quando eu me vi no espelho, eu estava no chão com minha aparência. Eu estava em um vestido lindamente projetado vermelho e preto com saltos combinando e acessórios de joias. Eu ainda nunca saberia como Erik foi capaz de obter tudo, mas ele presenteou o vestido, o calçado, e a joalheria para mim com um sorriso simples. Uma parte de mim sabia que ele tinha fez o vestido à mão. Ele possuía uma loja de terno personalizado e tinha acesso aos melhores tecidos na cidade. Sua habilidade não era limitada a ternos, entretanto. Ele podia fazer qualquer coisa que era julgada como roupa formal. Quanto ao calçado e joalheria, eu não podia descobrir e tinha decidido deixar para lá. A carona para a cidade se tornou uma cheia de curiosidade. Por que eu tinha que estar bem vestida? Para onde exatamente nós estávamos indo?
Mika: Erik?
Erik: Sim, minha princesa?
Mika: Para onde nós estamos indo??
Uma risada escapou dos lábios de Erik enquanto ele continuou a dirigir para a noite.
Erik: Eu disse a você, é uma surpresa.
Mika: Uma surpresa que me obriga a me vestir bem como se eu estivesse indo para um baile?
Erik: Não um baile exatamente~
Mika: Erik.
O sorriso de Erik aumentou quando ele abaixou a mão do volante e segurou minha mão com delicadeza, trazendo-a aos seus lábios e deixando um beijo de borboleta sobre ela.
Erik: Eu prometo que você se divertirá. Você tem minha palavra.
Eu encarei Erik, um pequeno rubor decorando meu rosto às suas palavras gentis e beijo. Desistindo afinal, eu assenti e simplesmente o deixei nos guiar mais para o coração da cidade. Chicago era uma linda cidade, especialmente à noite. As luzes que iluminavam as ruas e edifícios eram uma grande vista para ver e a animada aura da energia da noite que enchia cada beco e calçada era simplesmente encantadora. Você pode me tirar de Chicago, mas nunca pode tirar o amor de Chicago de mim. Para minha surpresa, o tráfico na direção de nosso destino era quase inexistente. Nós estávamos na parte mais rica de Chicago e afinal nós chegamos em nosso destino, um que me pegou completamente de surpresa. O lado de gora parecia um edifício normal de negócios. No topo da torre havia uma grande placa que dizia “O Portão” em cores amarelas brilhantes. Algo sobre isso se destacava, de algum modo, o que me deixou curiosa. O que estava guardado nesse lugar? Erik me guiou para fora do carro, abrindo minha porta para mim e me escoltando para fora com uma mão gentil. Quando ele fecha a porta atrás de mim, um homem vestido num uniforme de mensageiro de hotel se apressou para Erik e estendeu suas mãos. Erik enfiou suas mãos no bolso de seu tuxedo e finalmente tirou um pequeno envelope branco, passando-o e suas chaves do carro para o mensageiro. O mensageiro tomou os itens e rapidamente se apressou para o lado do motorista do carro, dirigindo-o como um criado pessoal. Eu observei o carro ir para um estacionamento próximo quando inconscientemente peguei o braço de Erik. Quando eu virei de volta para ele, eu podia dizer que eu estava dentro para mais surpresas. Ele me entregou uma máscara e silenciosamente me instruiu a colocá-la quando nós subimos os degraus para a porta. Ela coube como uma luva. Um par de mensageiros abriu as portas para Erik e eu, revelando um generoso lobby com uma única grande plataforma de pedestal no meio do cômodo. Subindo nela, nós fomos parados por uma grande mulher em um traje a rigor.
???: Convite.
Eu olhei para Erik, observando-o tirar um dourado pedaço de papel de seu bolso a passá-lo para a mulher. A guarda examinou o pergaminho antes de assentir para Erik e sair de nosso caminho para o pedestal. Para onde na Terra nós estávamos indo?! Eu permaneci quieta quando nós subimos na plataforma e ficamos no meio dela, Erik nos guiando a parar e ficarmos quietos no lugar. Erik assentiu para a guarda, quem simplesmente assentiu de volta e acenou sua mão no ar. Quando ela o fez, o pedestal abaixo de nós repentinamente mudou e começou a subir no ar.
Mika: WHOA!!
Eu agarrei Erik fortemente quando a plataforma abaixo de nós subia pelo edifício. Tudo ao nosso redor eram vistas de fotos e lustres de diamantes. Seja lá o que isso for, eu podia dizer que isso não era de forma alguma um evento normal. Quando alcançamos o último andar (ou o que eu assumi ser o último andar), nós fomos cumprimentados por um par de mulheres em uniformes de garçonetes, curvando-se para nós em respeito. Quando as penas de seus rabos de pássaro e olhos negros puros se presentearam para mim, eu sabia então que essa era uma festa de demônios. As portas se abriram para um largo salão de baile, um que definitivamente não pareceu caber o interior de um quarto de suíte. Ao redor haviam casais e grupos se misturando e dançando elegantemente aos sons de música orquestral ao estilo vitoriano. Eu estava atônita, mesmo quando fui guiada para dentro por Erik. Todos estavam vestidos em vestimentas formais modernas com uma variedade de vestidos e tuxedos. Era quase atordoante o quanto a música envelhecida se chocava com a moda moderna dos patrões. Ainda eu não podia desviar meus olhos da vista dos convidados...
Mika: Uau...
Erik: Bem-vinda a um pequeno gosto do mundo dos demônios, minha princesa.
Os convidados eram todos demônios: alguns com chifres, alguns com rabos, e o resto tinha uma variedade de aparências diferentes. Era um conglomerado de pessoas e eu me senti um pouco fora de lugar como alguém que parecia obviamente humana. Quando nós andamos mais para o espaço, uma voz chilreou.
???: Erik, meu menino! Venha voar até aqui, sim?
Eu olhei para ver um homem pássaro com um tuxedo polido acenar para nós com um cavalheiro muito lindo com orelhas de camundongo em seu braço. Apesar dos nervos correndo por meu sistema, Erik e eu nos aproximamos. Quando Erik inclinou sua cabeça, eu rapidamente fiz uma mesura. Por alguma razão, o modo como o homem pássaro agia o fazia parecer como um príncipe. Eu estava maravilhada pelas lindas penas de seu rabo e bico, acentuados pelo terno generoso que ele vestia.
Erik: Connor! Você está esplêndido. Eu assumo que você aprova seu tuxedo?
Connor: “Aprova”? Eu absolutamente o amo! Ricardo aqui não vai me soltar por causa dele.
Eu olhei ao homem camundongo quem eu assumi ser Ricardo quando ele sorriu timidamente e abraçou o braço de Connor com força, assentindo em concordância das palavras de Connor. Eu sorri um pouco enquanto Erik riu.
Erik: Muito bom. Bem, obrigado por nos convidar para a celebração de seu aniversário. É uma honra estar em tal companhia.
Connor: Bobagem! Obrigado a VOCÊ por atender! Como o filho do demônio mais poderoso nas Planícies Abissais, é apenas apropriado convidar você independentemente! Meu único arrependimento é não convidar seus irmãos. Eu devo parecer tão rude!
Erik acenou sua mão desconsideradamente.
Erik: Não pense nisso. Nós na realidade denunciamos nossos títulos quando viemos para esse mundo.
Connor: Você não diz? Bem, bom para você! Você faz um trabalho tão fabuloso como um designer aqui, não é de se admirar que sua loja de terno seja incomparável!
Connor finalmente virou sua cabeça para mim e a empinou em curiosidade. Eu me senti um pouco pequena sob seu olhar, mas sorri respeitosamente de volta.
Connor: E quem seria essa adorável dama? Uma humana?
Erik assentiu e levantou minha mão aos seus lábios, beijando-a respeitosamente diante de nossos parceiros de conversa.
Erik: Esta é minha maravilhosa princesa. Eu pedi a ela para me acompanhar esta noite para mostrar a ela o quão elegante um baile demônio pode ser.
Connor: Que maravilhoso! Eu raramente consigo conhecer humanos. É um absoluto deleite conhecer você!
Connor esticou sua mão para mim, fazendo-me colocar minha mão nela por educação. Ao invés de beijar minha mão, ele a levantou para seu bico e muito gentilmente beliscou duas vezes na parte de trás dela, fazendo-me rir um pouco.
Mika: É um prazer conhecê-lo, também!
Connor soltou minha mão e sorriu para mim antes de olhar de volta para Erik.
Connor: Bem, Erik, “Princesa”. Foi um absoluto prazer conhecer vocês! Por favor, aproveite o baile. Dancem e comam o quanto quiserem!
Erik: Nós devemos. Obrigado!
Com isso, Erik e eu nos afastamos de Connor e Ricardo, ambos quem estavam acenando para nós antes de virarem para encontrar novos parceiros de conversa.
Mika: Então esse é um baile demônio?
Erik: Sim, princesa. Você esteve curiosa sobre como a vida era para mim no mundo dos demônios, sim?
Eu assenti. Eu estava de fato curiosa sobre a vida de Erik no mundo dos demônios, mas não esperava que ele me desse uma experiência. Isso era completamente repentino. Erik gesticulou para o lugar, onde os casais na pista de dança estavam valsando em sincronia. Era hipnotizante.
Erik: Bem, essa é uma perfeita representação de como demônios reais celebravam. Nós tínhamos elegantes bailes cheios de dança e comida e nós apenas terminaríamos quando o sol aparecesse.
Mika: Sério? Eu achei que o mundo dos demônios era tipo a idade das trevas? Isso parece como um baile de conto de fadas, não realmente medieval...
Erik riu e andou comigo ao redor da pista de dança, continuando sua explicação.
Erik: O mundo dos demônios pode estar preso na idade das trevas, mas nós tomamos inspiração do mundo humano. Seus contos de fadas inspiraram nossas celebrações.
Eu não pude parar de encarar os dançarinos e demônios no lugar. Haviam tantas pessoas vestidas como realeza que eu quase me senti vestida pobremente. Haviam alguns olhares em minha direção, mas nenhum com má intenção. Era provavelmente natural, já que eu era uma humana em um cômodo cheio de demônios. Astutamente, Erik me guiou para a pista de dança e começou a valsar comigo à música. Nós permanecemos fora da multidão, dançando à nossa própria batida e movimentos enquanto o resto dos dançarinos continuaram em tempo e passo com a dança sincronizada.
Mika: Então, ao invés de terem telefones e computadores, vocês tiveram bailes e vestidos?
Erik: Haha! Você está correta. O mundo dos demônios não tem necessidade para computadores ou telefones, mas novas tradições de celebração são sempre recebidas.
Mika: Sem raves ou clubes?
Erik: Humano demais para nossos gostos.
Mika: Sem shows de luz ou DJs?
Erik: Isso iria exigir eletricidade, minha princesa, o qual nós não importamos de usar. Para nós, é um desperdício de energia.
Eu junto meus lábios a Erik enquanto ele lentamente começa a nos aliviar para a multidão. Eu mal percebo os dançarinos se afastando e parando suas danças para nos encarar e tranquei meus olhos em Erik, continuando a conversa.
Mika: Demônios têm bailes frequentemente?
Erik: Infelizmente, não. Fazer celebrações leva uma grande quantidade de recursos, então nós poupamos bailes para apenas a maior das ocasiões.
Mika: Como aniversários?
Erik: Demônios não celebram aniversários, princesa. Entretanto, nós celebramos a pacífica união de reinos ou a coroação de um novo governante.
Eu fiquei fascinada, mesmo quando Erik começou a me girar e adicionar mais passos elaborados na dança entre nós. Nós dois focamos um no outro quando deixamos o mundo ao nosso redor desaparecer em uma borrada linha de pessoas e decoração.
Erik: Entretanto, o mundo humano forneceu aos demônios aqui os significados para celebrar muito mais coisas.
Mika: Como o aniversário de Connor?
Erik assentiu e me curvou por um momento, encarando fundo em meus olhos.
Erik: Exatamente.
Eu segurei em Erik, hipnotizada em seus adoráveis olhos púrpuras. Eu apertei sua mão gentilmente e o fiz me levantar de volta e me segurar perto em um amável abraço.
Erik: E, um dia, eu amaria dar um elegante baile para nossa união.
Mika: Erik...
Meu rosto começo a brilhar um suave vermelho rosado quando eu sorri a meu príncipe. Eu o amava com cada parte de meu ser e um casamento e baile de conto de fadas pareceu como uma perfeita maneira de celebrar. Eu me estiquei em meus dedos e beijei Erik gentilmente antes de me afastar com uma risada.
Mika: Eu amaria isso.
Erik me encarou em surpresa por um momento antes de rir e aninhar sua cabeça contra a minha, um sorriso brincalhão mas amável contra seus lábios.
Erik: Minha linda princesa... Eu sou seu para sempre...
Mika: E eu sou sua, meu príncipe encantado...
E a noite se tornou uma de dança de conto de fadas e um aparentemente feliz final para mim e meu príncipe demônio.
Esse é o fim do epílogo do Erik. Até a próxima! :)

Comentários

Postar um comentário

♥Por favor, seja educado(a) e gentil ao comentar.
♥Diga sua opinião com sinceridade.
♥Não tenha medo de perguntar sobre alguma tradução.
♥Eu leio todos os comentários!

Mais Lidas ♥