[SWD] Love Tangle: Paul (capítulo 5)

Oi oi, pessoal! Crys-chan voltou com mais Love Tangle. Espero que gostem! :)

Paul (História Principal) – Capítulo 5

(Timo sugeriu que eu fosse para cama, mas Paul quer conversar... O que eu vou fazer?)
Eu olho para cada um de seus rostos e então solto um suspiro.
(Eu devo provavelmente conversar com Paul. Eu não estou com vontade, mas não posso apenas deixa-lo assim.)
Quando eu olho para Paul, nossos olhos acontecem de se encontrarem.
Paul: Julia.
Paul sorri e estica seu braço através de Timo para mim. Em um movimento sem esforço, ele me puxa de meus pés e eu seus braços num abraço.
(Uau...!)
Meus pés deixam o chão quando Paul me protege em seus braços.
Julia: Paul, o que você está fazendo? Coloque-me no chão!
Eu protesto numa voz quieta, e Paul suavemente balança meu corpo para lá e para cá numa maneira tranquilizante.
Paul: Vamos voltar para meu quarto juntos.
Eu posso dizer que Paul está me fazendo escolhê-lo antes de chegar à minha própria decisão.
(Eu vejo que essa tendência dele de não recuar ainda está forte.)
Timo: Morgan! Coloque-a no chão.
Timo levanta sua voz incaracteristicamente. Eu gentilmente balanço minha cabeça para Timo.
Julia: Timo, está tudo bem. Eu prometo ir direto para cama depois de conversar com Paul. Eu terei certeza que não afetará nosso trabalho.
Timo: Darwin...
Paul olha para Timo e diz categoricamente.
Paul: Mesmo eu posso ver que Julia está cansada. Eu vou me certificar que Julia receba o descanso que precisa. Minha conversa com ela pode esperar até depois. Isso é suficiente para satisfazer você?
Timo: Ok...
Paul: Então nós devemos ir.
Com isso, Paul me carrega para fora do café.
Julia: Você pode me colocar no chão. Eu posso andar.
Eu quietamente digo isso enquanto nós descemos o corredor para o quarto de Paul.
Paul: Não... Eu não sei para onde você pode ir se eu tirar meus olhos de você.
Meu coração pula uma batida ao seu tom brincalhão. A mensagem de Timo tinha me permitido escapar de Paul mais cedo.
(Eu não posso dizer que não me sinto um pouco culpada sobre isso, então eu não posso culpá-lo por desconfiar em mim. Mas por que Paul está tentando apressar essas conversas de noivado?)
A atitude de Paul é como se ele estivesse ficando sem tempo. É bem estranho e confuso.
Paul: Agora que eu cheguei em Lilac Court, eu vou espantar todos esses insetos indesejáveis zumbindo ao seu redor.
Julia: Por insetos indesejáveis, você quer dizer Timo? Não é assim com ele...
Eu suspiro quando olho para Paul. Ele tem a ideia errada sobre Timo.
Julia: Timo é legal comigo porque ele me vê como aprendiz dele no laboratório.
Paul: Oh, é mesmo? Eu não acho que esse é o caso.
Ele responde confiantemente quando trocamos olhares.
Paul: Chegamos. Você pode abrir a porta?
As mãos de Paul estão ocupadas me carregando, então eu viro a maçaneta em sua porta. Carregando-me para dentro de seu próprio quarto, Paul me deita em sua cama.
Julia: ...!
Eu sou lembrada do momento que ele me empurrou no hotel, e meu corpo treme à memória. Vendo isso, Paul tem um olhar triste em seu rosto.
Paul: Eu assusto você?
Julia: Paul...
Hesitantemente, eu quietamente digo o que eu verdadeiramente sinto.
-...Eu estou com um pouco de medo de você. (+Paul)
-...Não, eu não estou com medo de você.
Julia: Eu estou com um pouco de medo de você.
Paul: Eu vejo...
Paul força um sorriso.
Paul: Parece que eu realmente traumatizei você com o que eu fiz no hotel.
Julia: ...
Então Paul senta na cama também.
Paul: Eu sinto muito sobre aquilo.
Paul gentilmente acaricia minha bochecha.
Paul: Eu não farei mais nada contra seus desejos. Eu fiz uma promessa com seu pai, afinal. Mas eu quero conquistar você. Eu também quero a oportunidade de mostrar a você o quanto eu me preocupo com você... Mesmo se eu tiver que ser um pouco violento.
Com isso, Paul sorri.
Paul: Eu não tenho intenção de recuar. Então, você não tem que tentar poupar meus sentimentos.
Julia: Oh, Paul...
Eu posso apenas forçar rir inconfortavelmente à recente confiança de Paul.
Paul: A razão pela qual eu trouxe você para meu quarto é bem como eu disse antes. Eu não quero deixar você fora de minha vista. Tudo o que eu preciso é você estar ao meu lado. Eu não pedirei mais nada de você. Há tanto que eu ainda quero conversar com você, mas até mesmo eu sei que essa não é a hora cera para isso.
Julia: Eu estou feliz que você se sente assim. Vindo para Kaleido e me reunindo com você... ...há tanto acontecendo que eu sinto como se minha cabeça estivesse prestes a explodir.
Paul: Eu espero que pensar sobre mim é uma das razões que sua cabeça está prestes a explodir.
Com isso, Paul coloca o edredom sobre mim.
Paul: Mas eu te desejo boa noite por enquanto. Doces sonhos, Julia.
Julia: *Risada* É como quando éramos crianças.
Eu rio quietamente.
Julia: Embora eu era uma filha única, você estava sempre lá para mim. Sua mãe iria várias vezes te dizer que você só deveria deixar minha família te adotar.
Paul: Eu queria cuidar de você. E então seus pais me pediram para ser seu amigo também. E eu estava feliz quando você dependia em mim.
Julia: Depender... Sim, você está certo. Havia definitivamente uma parte de mim que dependia em você.
Paul se arrasta para meu lado, mas ele não mais faz eu me sentir nervosa. Eu me lembro dos momentos quando éramos crianças. Ele iria inocentemente se aninhar ao meu lado e dormir. Eu confio que ele não irá trair essas memórias.
Paul: Eu vejo. Bem... Eu estou honrado...
Quando Paul murmura essas palavras, sua respiração desacelera.
(Paul acabou de adormecer?)
Eu cuidadosamente viro meu corpo para olhar para Paul, tendo certeza de não o acordar.
(Seu rosto adormecido parece exatamente o mesmo de quando ele era uma criança... Quando nós todos crescemos?)
Sua respiração rítmica e repousante acalma meu coração.
(Quando eu penso nisso, Paul esteve trabalhando longas horas nos últimos dias, mas iria sempre fazer tempo para passar comigo. Paul provavelmente precisa de mais sono que eu.)
Eu fico dentro do edredom para ouvi-lo dormir um pouco mais. Quando eu sinto que Paul caiu mais profundamente em sono, eu cuidadosamente deslizo para fora da cama.
(Nós não somos mais crianças. Parece que todos já têm a ideia errada sobre nós, então dormir na mesma cama com Paul não é uma boa ideia. Boa noite, Paul.)
Eu saio da cama, sendo cuidadosa para não acordar Paul, e decido voltar ao meu próprio quarto.)
Julia: Mm... Uh...
Eu posso ouvir um som à distância. O som me tira de meu sono.
Julia: Isso é o telefone?
Eu viro algumas vezes antes de acordar. Eu checo meu telefone e vejo que é Paul.
Julia: Paul? Olá...?
Paul: Oi, Julia. Bom dia.
Eu posso ouvir sua risada do outro fim da linha.
Paul: Você dormiu bem?
Julia: Sim, eu dormi.
Eu checo a hora no despertador para ver por quanto tempo eu estive dormindo antes de começar a rir.
Julia: Parece que eu dormi a maior parte de meu dia de folga.
Paul: Você deveria estar passando-o na minha cama. Eu estou desapontado que você voltou ao seu quarto sem dizer nada.
Julia: Pareceu que você estava profundamente adormecido, então eu não quis te acordar.
Paul: É verdadeiramente lamentável que nós perdemos o dia dormindo em lugares diferentes. Mas agora que estamos acordados, você gostaria de pegar uma refeição juntos?
Julia: Uma refeição? Sim, eu estou me sentindo bem faminta.
Paul: Bom. Então vamos comer. Você se importaria de abrir a porta?
Julia: O quê?
Assustada, eu saio da cama e abro a porta.
Paul: Oi, Julia. Eu vim te buscar.
Paul desliga o telefone e sorri para mim.
Julia: Oh, Paul. Eu estarei pronta num minuto.
Paul: Eu vou apenas esperar aí dentro então.
Julia: Ei!
Paul: Eu vejo. Então esse é seu quarto.
Paul me pega de surpresa quando desliza por mim e entra no meu quarto. Ele olhar ao redor de meu quarto muito curiosamente.
Paul: Eu acho que meu quarto é maior. A propósito, você sabia que pode mudar o interior de qualquer quarto em Lilac Court?
Julia: Sim, eu ouvi isso, mas nunca realmente tive o tempo para fazê-lo.
Paul: Eu vejo... Eu pensei que seus gostos podem ter mudado nos últimos três anos, mas acho que esse não é o caso.
Paul vira de volta para me olhar, e levemente me afaga na cabeça.
Julia: O que você está fazendo...?
Paul: Bem, eu pensei que se você tivesse decorado esse lugar você mesma, haveria mais animais estufados ao redor. Mas já que é tão inesperadamente simples, eu achei que seus gostos possam ter amadurecido sem eu saber. Eu estou um pouco aliviado que não parece que esse é o caso.
Julia: O-Oh, por favor. Você está dizendo que eu tenho gostos infantis?
Eu finalmente descobri que ele afagou na cabeça porque ele estava me tratando como uma criança. Eu vocalizo meu desprazer. Paul ri para si mesmo.
Paul: De qualquer modo, o que você quer comer?
Julia: Vejamos... Seria estranho ter a mesma coisa novamente?
Paul: Eu estava pensando o mesmo. Você pode escolher sua refeição também.
Julia: Então lagosta. Eu a tive grelhada ontem, então acho que gostaria de tentá-la cozida no vapor hoje.
Nossos olhos se encontram e nós começamos a rir, como velhos amigos se reconectando.
Paul: Ainda é um pouco cedo. Eu acho que nossa carona vai estar aqui em breve, no entanto.
Já que Paul parece ter nos pedido uma carona, nós estamos esperando aqui juntos para o carro chegar.
Julia: De qualquer modo, eu estava tão surpresa de saber sobre isso. Eu queria perguntar a você sobre isso antes, mas eu entendi que o laboratório está provendo você com um carro contratado e motorista.
Paul: Ah, sim. Isso foi parte de meu contrato.
Julia: Isso é tão incrível. Eu fui oferecida um emprego no mesmo laboratório, mas não consegui nenhum acordo assim.
Paul: Bem, eu acho que isso apenas significa que eles esperam muito mais de mim. Eu sou apenas um importante convidado que está aqui para salvar o leopardo Kaleido.
Paul sorri maliciosamente.
Julia: Convidado?
O carro chega quando eu pergunto, então minha pergunta é perdida em todo o barulho.
Paul: Eu te impressionei? Agora, depois de você.
Ele abre a porta e me convida para dentro.
Julia: Apenas me perguntar isso arruína.
Eu rio e entro no quarto.
(Por que ele é um “convidado”?)
É como se ele estivesse me dizendo que ele não vai ficar no laboratório por muito tempo. As palavras de Paul me deixam com alguns sentimentos incertos.
Carlo: Oi, sejam bem-vindos vocês dois. Dormiram bem?
Quando nós chegamos em Carlo’s, o próprio Carlo nos recebe.
Julia: Sim, eu dormi bem através de meu precioso dia de folga.
Paul: Mas eu estou feliz que ela parece ter tido muito necessário descanso.
Carlo: Sim, vocês dois parecem muito refrescados. Eu estou aliviado.
Carlo nos dá uma pequena piscadela.
Carlo: Bem, por que você não termina seu dia de folga aproveitando minha culinária? O que você gostaria de comer?
Julia: Bem, há apenas uma coisa que Paul e eu queremos comer em Carlo’s.
Paul: Sim, é isso mesmo. É uma velha promessa que fizemos um com o outro.
Nós olhamos um para o outro e sorrimos, e Carlo dá um pequeno sacudir de ombros.
Carlo: Eu estou quase me sentindo envergonhado. Mas eu estou feliz que vocês gostam tanto de meu restaurante.
Carlo está sorrindo de orelha a orelha quando nos escolta para nossos assentos com uma linda vista.
Julia: Lagosta grelhada é um prato tão maravilhoso. Realmente parece um banquete tão elegante.
Paul: Sim, especialmente quando a lagosta é tão grande quanto aquelas servidas em Carlo’s.
Paul e eu sorrimos quando sorrimos para a lagosta que somos servidos.
(É difícil não me sentir empolgada quando há uma refeição tão extravagante na sua frente.)
Para mim e Paul, quando nós pensamos em Carlo’s, nós pensamos na lagosta.
Carlo: Agora, aqui está sua lagosta cozida no vapor também.
Paul: Sim, obrigado.
Carlo estava tão feliz quando pedimos sua lagosta tão animadamente.
Carlo: Julia, aqui está um pouco de manteiga derretida e limão. Aproveite.
Julia: Obrigada, Carlo. Eu posso espremer o limão sobre ela?
Paul: Sim. Mas eu pensei que você não gostava de nada azedo.
Julia: Eu não sou uma grande fã da acidez do limão, mas eu posso comer se estiver misturado com a manteiga.
Eu digo quando dou ao limão uma boa espremida.
Julia: Ow!
Paul: Qual é o problema?
Julia: Não é nada sério. Parece que eu tenho um corte na ponta de meu dedo. Eu me pergunto quando eu cortei. O limão realmente arde.
Paul: Mostre-me.
Julia: Eu não acho que você possa mesmo ver o corte.
Eu faço como ele diz e estico minha mão para Paul.
Meu coração quase para.
(Ele não pode estar...)
Sem nem mesmo hesitar, Paul coloca a ponta de meu dedo em sua boca e chupa. Sua língua quente roça meu corte, e manda um arrepio por minha espinha.
Julia: Paul... Está tudo bem. Está tudo bem, então...
Eu não posso me impedir de arfar.
Paul: Ok. Não parece ser uma ferida séria. Você deve ter cortado em alguns documentos ou algo assim.
Julia: S-Sim, foi o que eu disse...
Paul: Seu rosto está bem vermelho.
Ele ri para mim quando tira meu dedo de sua boca e o molha na tigela de dedo.
Paul: Isso significa que você pensou em mim desse jeito?
Julia: Você apenas me surpreendeu, é tudo. Eu quero dizer, foi tudo tão repentino...
Paul: É um pequeno truque para fazer a dor ir embora. Nós costumávamos fazer isso quando éramos crianças, você não se lembra?
Julia: ...
Eu junto meus lábios.
(Nós possamos ter feito isso quando crianças, mas isso era diferente... O modo como ele beijou a ponta de meu dedo e o calor de sua língua, é tudo tão diferente de então. Enquanto nós temos essa familiaridade entre nós sendo amigos de infância, eu estou começando a ver Paul como um homem solteiro e elegível.)
Há o menino que eu costumava conhecer e o homem que ele se tornou. Pega entre os dois, eu me encontro perdida. Depois que nossas barrigas estão cheias de nossas deliciosas refeições, Paul me convida para uma caminhada.
Paul: É um lugar onde você pode ter uma visão completa do horizonte de Kaleido. Eu tenho certeza que você gostará.
Com isso, Paul me escolta para o observatório.
Julia: É tão incrível!
Abaixo de mim, eu vejo... ...as lindas luzes da cidade parecendo uma caixa de joias que foi virada num carpete de veludo.
Paul: É lindo.
Ele envolve seu braço ao redor de minha cintura. Eu olho para Paul para ver as luzes refletindo em seus olhos.
Julia: Sim, é muito lindo. Essa é a Kaleido a que todos aspiram.
Paul: Nolan me disse que você podia ver tudo de Kaleido de seu observatório.
Julia: Nolan disse?
Meus olhos se arregalaram.
Paul: Sim, eu terei que agradecê-lo mais tarde já que tem sido tão bom com você.
(Eu me pergunto quando ele ficou tão próximo de Nolan durante a pequena quantidade de tempo que esteve em Lilac Court.)
Nolan é um capaz advogado, e enquanto eu não penso que ele é uma má pessoa, ele é um pouco difícil de se aproximar.
(Mas é bom que Paul foi capaz de fazer um amigo.)
Paul: Eu posso ser as luzes da cidade refletindo em seus olhos, Julia.
Julia: *Risada* Eu posso ver o mesmo nos seus também.
(Nós dois pensamos a mesma coisa. Esse sentimento é nostálgico e familiar.)
Ele repentinamente tira sua jaqueta e a coloca sobre meus ombros.
Paul: Ficou um pouco frio.
Julia: Obrigada, mas você ficará frio.
Paul: Eu tenho você para me manter quente.
Julia: ...
Paul me puxa pela cintura novamente.
Paul: Eu estou ao seu lado. Nós podemos estar juntos novamente... Só o pensamento nos deixa mais quentes, não é?
Paul sussurra sedutoramente e aperta seus braços.
(Paul...)
Eu congelo, incapaz de mover um músculo.
(Paul é apenas um amigo de infância. Eu nunca pensei nele romanticamente antes.)
Mas agora, eu não posso impedir meu coração de bater forte. Depois daquela pausa prolongada, eu volto ao trabalho completamente refrescada. Eu vou diretamente para a área dos leopardos. Na frente da área dos leopardos, Timo está de pé com alguém.
(Oh, ele... veio novamente.)
Eu reconheço o misterioso moço que eu sempre vejo ao redor da área dos leopardos.
(Eu me pergunto sobre o que eles estão falando.)
O lindo moço iria ocasionalmente olhar na direção dos leopardos enquanto fala com Timo sobre algo. Eles não parecem tão familiares um com o outro, mas o moço fala com Timo quando vira na direção dele. Nos últimos dias, ele iria falar comigo também quando nossos olhos se encontrassem.
Moço Misterioso: Como está o leopardo ferido?
Timo: Não bem. Nós vamos operá-lo assim que tivermos os itens que precisamos.
Moço Misterioso: Eu espero que ele melhore logo.
Timo: Sim.
Paul: Timo! Aí está você.
Quando eu observo Timo e o moço de uma distância, Paul aparece da outra direção de mim, e os intervém.
Paul: Eu sinto muito, mas você se importaria de examinar esses documentos a respeito do leopardo?
Timo: Entendido.
(Graças a deus. Eu estava preocupada por um momento, mas parece que eles dois estão se dando bem no laboratório.)
As coisas entre Timo e Paul ainda estão tensas. Mas olhando para eles de uma distância assim, eles parecem ser normais colegas de trabalho. Talvez seja porque Paul tem outro trabalho para atender, ele vai embora bem rápido.
Moço Misterioso: Essa é a pessoa que vai salvar o leopardo, não é?
O moço pergunta enquanto observa Paul ir embora.
(Eu não sabia que ele podia sorrir assim.)
Eu tinha assumido que ele era mais sem expressão como um boneco, mas eu posso ver que ele tem um sorriso brilhante em seu rosto.
Paul: Julia, Nolan me falou sobre esses doces deliciosos, então eu fui e comprei alguns. Você gostaria de vir tomar chá comigo? Oh, é claro que eu trouxe o suficiente para todos no laboratório.
Julia: Paul, você não tinha que fazer isso.
Eu arregalo meus olhos. Como um veterinário, Paul está frequentemente confinado na sala de exame. Apesar disso, ele frequentemente encontra tempo para visitar o laboratório.
Timo: Que educado dele.
Mesmo Timo, que normalmente nunca comenta em coisas assim, murmura em exasperação. Ele olha para mim do lado.
Timo: Quando ele está ocupado demais para até ir para casa... ...mas ele não pode passar um dia sem ver você várias vezes.
Julia: Isso não é verdade...
Eu me sinto um pouco envergonhada e me encontro desviando meu olhar.
Timo: Não, ele veio cinco vezes ontem, seis no dia antes desse, e ele esteve aqui oito vezes hoje.
Julia: Não... Ele veio ver você uma ou duas vezes.
Timo: Não, ele fez isso porque queria ver você. Ele é um homem resistente. Sua habilidade e energia são louváveis.
Timo solta um suspiro e me encara.
(Agora que eu penso nisso, ele vem muito aqui em tarefas...)
Timo: Recentemente, mais e mais animais na reserva estão sendo machucados por caçadores. A carga de trabalho de Paul deve estar fora dos gráficos.
Julia: Você está certo...
Paul não trai nenhuma de sua exaustão enquanto eu o observo distribuir doces para todos trabalhando no laboratório. Mas eu sei o quanto ele teve que trabalhar.
(Os caçadores estão em ascensão, significando que mais animais foram feridos recentemente. Sendo o veterinário, Paul é responsável por lidar com eles, e têm sido vários dias desde que ele passou algum tempo significante em sua própria casa.)
Ele está no meio de preparar a cirurgia reconstrutiva da perna frontal do leopardo Kaleido que foi machucado no outro dia. E se algo fosse acontecer ao leopardo Kaleido?
(Sendo aquele encarregado de tratá-lo, Paul seria é claro responsabilizado, mas o laboratório pode ser também.)
Eu balanço minha cabeça para tentar me livrar desses sentimentos ruins.
Paul: O que está errado? Por que você parece tão séria? Timo, eu pegarei Julia emprestada por um tempo.
Timo: Ok. Nós pegaremos os dados do exame ao meio-dia, então eu te permitirei ter trinta minutos com ela.
Julia: Timo, eu prometo estar de volta em meia hora.
Timo: Ok, por favor, faça.
Eu saio do laboratório como se estivesse sendo arrastada por Paul. Eu estou no meu caminho para casa depois de terminar o trabalho quando me encontro parando no corredor.
(Paul... e as funcionárias?)
Paul iria frequentemente trazer lanches ao laboratório, que é por isso que as funcionárias o conheciam bem apesar do fato de que ele não esteve trabalhando em seu novo trabalho por muito tempo. Mesmo como sua amiga de infância, eu penso que Paul cresceu para ser um lindo e talentoso jovem veterinário.
(Eu suponho que é apenas natural que ele seria popular... Mas por que isso está me incomodando?)
Eu nem mesmo sei por que estou me sentindo desse jeito. Mas eu não consigo me mover de onde estou.
Paul: Julia.
Eu volto à realidade quando ele chama meu nome. Paul está acenando para mim depois de ter me visto.
Paul: Obrigado, isso foi divertido. Vejo vocês depois.
Paul diz tchau para as mulheres o cercando e começa a andar em minha direção.
Paul: Você está em seu caminho para casa agora, Julia?
Julia: S-Sim...
Paul: Eu vou te dar uma carona para casa.
As mulheres interessadas em Paul começam a murmurar quando ouvem o que ele diz. Oh...
-Está tudo bem.
-Você não está ocupado? (+Paul)
Eu sinto os olhos das mulheres em mim e forço um sorriso.
Julia: Você não está ocupado?
Paul: Sim, e eu estarei passando a noite aqui hoje. É por isso que pensei em ir para casa e pegar uma muda de roupas.
Julia: Eu vejo... O trabalho parece agitado para você.
Paul: Mas eu realmente fui capaz de recarregar minhas baterias na pausa. Essa quantidade de trabalho não é nada que eu não possa lidar.
Paul sorri e me tranquiliza.
Julia: Não se force demais.
Paul: Eu serei cuidadoso. Obrigado por se preocupar comigo. Eu vou chamar meu carro. Espere um segundo.
Julia: Ok, obrigada.
Eu assinto. Quando eu volto a Lilac Court, eu tenho o repentino desejo pelo café de Josh. Joy está sentando no balcão e gesticula para eu me aproximar, então eu sento ao seu lado.
Joy: Ei, Julia. Você veio com Paul hoje no carro dele, não foi?
Joy começa a falar comigo, segurando sua xícara de café numa mão. Eu posso ver da expressão em seu rosto que ela está preenchida com curiosidade.
Julia: Sim, é isso mesmo. Ele disse que só queria parar em sua casa rapidamente, então ele voltou ao laboratório logo depois.
Joy: Parece que ele está trabalhando duro.
Julia: Sim. Ele é o veterinário carregando a maior responsabilidade no momento, afinal.
Joy: É bem incrível que ele é tão bom em seu trabalho com sua aparência. Ele é quase tão legal quanto meu namorado!
Julia: *Risada* Você não está apenas gabando sobre seu namorado?
Joy: Bem, parcialmente, mas não inteiramente.
Joy aproxima seu rosto do meu.
Joy: Eu estou tentando dizer que se você não trancar um homem como Paul rápido, alguém vai roubá-lo. Mesmo se ele é um de seus pretendentes no momento.
Julia: Is-Isso é...
Eu gaguejo.
Julia: Sim, Paul pode ter se tornando um homem maravilhoso, mas... ...ele ainda é apenas um amigo de infância para mim.
Joy: Honestamente, você realmente vai sentar aí e dizer isso para mim?! Ele te escoltou para casa!
Julia: Eu quero dizer... Pareceu que recusar a oferta dele iria apenas complicar as coisas.
(Mas talvez eu devesse tê-lo recusado. Eu não posso culpá-lo se ele sentir que eu estou o incentivando.)
Apesar desses pensamentos, eu estou um pouco aborrecida comigo mesma. Eu penso de volta quando vi Paul cercado por todas aquelas mulheres funcionárias no instituto.
(Por que eu não podia me mover quando vi Paul cercado por aquelas mulheres?)
Eu estou envergonhada pelo quanto isso me incomodou.
(Isso significa que eu ainda estou dependente em meu amigo de infância?)
Sim, ter Paul ao meu lado é muito reconfortante nessa nova e desconhecida cidade.
Joy: Julia, você é surpreendentemente tímida quando se trata de romance, não é?
Joy me dá um pequeno empurrão no ombro.
Joy: Se você não consegue entender seus sentimentos, só feche seus olhos e corra com eles, sabe?
Julia: Eu não posso fazer isso agora. Eu nem mesmo sei para onde eu vou, então não sei para onde me encontrarei correndo.
Joy: Você acha? Não é o amor divertido porque você não sabe para onde ele irá te levar?
Joy descansa seu queixo em sua mão e me dá uma piscadela. Confrontada com sua positividade, eu posso apenas forçar um sorriso. Conflitante no que fazer, os sentimentos firmes de Paul só parecem fazer nada além de me causar ainda mais confusão.
Esse é o fim do capítulo 5. Até a próxima! :)

Comentários

Mais Lidas ♥