[SWD] Love Tangle: Paul (capítulo 7)

Oi oi, pessoal! Crys-chan chegou com mais Love Tangle. Espero que gostem! :)

Paul (História Principal) – Capítulo 7
Eu me arrasto de volta a meu quarto depois de Paul nunca dizer se os rumores eram verdadeiros ou não. Sem mesmo a energia para trocar minha roupa, eu caio direto em minha cama.
(Paul... O que ele está tentando assumir por si mesmo?)
Os rumores ruins sobre ele, o repórter suspeito...
(Apesar disso, ele continua a sorrir.)
Eu me lembro da expressão de Paul em minha mente depois de ele me fechar para fora.
Julia: Mas deixe-me apenas falar isso. Eu sei o quanto você ama animais. É por isso que eu acredito em você.
Paul: Obrigado, Julia.
Ele tinha se fechado de mim, mas sua voz permaneceu gentil o tempo inteiro. Era como se ele tivesse tentado gentilmente me lembrar de que não há nada para eu me preocupar. Mas eu sei que sua gentileza era ele me deixado de fora.
(Eu posso dizer porque nós estivemos juntos por tanto tempo.)
A memória distante de seu familiar sorriso atira adagas em meu coração.
(Eu não quero que você apenas me proteja. Aquele repórter... Eu sei. Talvez eu possa conseguir alguma informação dele. Ele está sempre aparecendo ao redor de Paul.)
Julia: Huh?
É quando eu percebo. Aquele repórter não está apenas aparecendo ao redor de Paul.
(Agora que eu penso nisso, por que ele foi ao parque para onde eu levei Lucas?)
Andrea: Ah, você me viu. Isso é uma pena. Vejo você mais tarde, Julia Darwin.
(Que razão esse homem Andrea teve para vir até mim?)
Quando eu me lembrei de seu sorrisinho desagradável, eu começo a me relembrar de todas as coisas misteriosas que aconteceram recentemente.
(Por que ele sabia meu nome? Ele pesquisou sobre mim porque eu estou conectada a Paul? Paul me mencionou ou algo assim?)
Julia: Bem, eu ouvi alguns rumores ruins sobre você. Então eu fiquei um pouco preocupada.
Paul: Rumores, você diz? Julia, você não deveria falar comigo por um tempo a menos que seja absolutamente necessário... É em seu melhor interesse que você me evite.
Talvez ele esteja tentando lidar com todos os seus problemas sozinho.
(Eu estou preocupada com Paul. Eu me sinto tão culpada por não estar ao seu lado quando ele está passando por isso... É estranho que estou me sentindo tão triste?)
Paul: Não apenas eu sou convidado a trabalhar no Laboratório Kaleido, eu consigo trabalhar ao seu lado? Eu sou um homem verdadeiramente sortudo. É como se a maioria dos meus sonhos de infância tivessem se tornado realidade.
Julia: Bem, você comeu lagosta em Carlo’s, não é tudo o que você sempre quis?
Paul: Não tudo. Meu maior sonho não se tornou realidade ainda.
Julia: Sério?
Paul: Sim, meu sonho de te fazer minha noiva.
(Ele realmente pensou isso? Ele ainda se sente assim?)
Eu aperto meus lençóis com força.
(Parece que eu apenas estou percebendo isso para mim mesma. Depois de me tornar uma pesquisadora, ter meus sonhos se tornarem realidade, conseguir trabalhar no laboratório de meus sonhos... ...é tudo maravilhoso, mas a coisa que me faz mais feliz é que ele ficou ao meu lado. Eu o amo. ...Sim, eu amo Paul.)
Eu finalmente percebo meus sentimentos por Paul, mas agora eu nem mesmo posso falar com ele sem alguma hesitação. Enquanto eu ainda confio em Paul, tendo ele desenhar uma clara linha que não me deixará atravessar me deixou tímida.
(Eu não consegui dormir muito.)
É o dia após eu descobrir que amor não é apenas algo divertido. É doloroso e miserável, e algo incrivelmente frustrante, quando você não tem a saída para expressar. Eu vou para o trabalho, sentindo-me um pouco despenteada.
(A grande operação chegará em breve. Eu preciso juntar minha atuação. Para não mencionar que há aquele problema em reordenar todos os itens que precisaremos para a operação. Eu terei que ir ver Paul e pegar minhas instruções também.)
A operação do leopardo Kaleido será feita por Paul e a equipe incluindo eu mesma.
(Se houver algum tipo de passo em falso por causa de algum problema pessoal, eu ficarei devastada.)
Eu vim para esse laboratório como uma pesquisadora para salvar vidas de animais. É o mesmo para Paul.
Julia: Eu tenho que ter certeza de não ficar no caminho de Paul.
Eu digo para mim mesma quando ouço uma batida atrás de mim.
Pesquisador 1: Senhorita Darwin, você tem um momento?
Eu me viro para ver um colega de trabalho gesticulando em minha direção. Ele é um membro companheiro da equipe encarregada de cuidar do leopardo Kaleido.
Julia: Sim, o que eu posso fazer por você?
Eu estou um pouco nervosa porque ele podia estar duvidando de minha habilidade como uma pesquisadora.
(Ele é aquele que imediatamente se opôs a ideia de eu assistir Paul com a cirurgia.)
Eu tenho que me dirigir a ele sem mostrar nenhuma fraqueza, ou isso refletirá pobremente em Paul por me escolher.
Pesquisador 1: Você. É verdade que as ordens pelos itens que precisamos para a operação do leopardo Kaleido foram canceladas?
Julia: Eu lamento muito. Eu estou analisando a razão do por que esse erro ocorreu em adição a tomar medidas para remediar a situação.
Eu me desculpo, e digo a ele a situação atual porque eu quero compartilhar toda a informação que eu tenho para um companheiro membro da equipe.
Pesquisador 1: Como esse tipo de erro é possível? Você só não cancelou as ordens de propósito?
Julia: Como uma pesquisadora, eu estou fazendo tudo o que posso para salvar vidas. Eu nunca iria fazer nada para impedir a operação.
Pesquisador 1: Hmph... Há muitas pessoas que estão céticas de você e Dr. Morgan.
Julia: O que isso significa...?
Pesquisador: Há rumores que você e Dr. Morgan estão colocando esse santuário em perigo juntos.
Julia: O quê...?
O choque faz minha voz levantar.
(Eu sabia que haviam rumores ruins circulando sobre Paul, mas eu não sabia que eu também estava incluída...)
Pesquisador 1: Talvez você devesse sair de assistir Dr. Morgan com a operação. Com esses cancelamentos muito estranhos de ordens, todos ficaram ainda mais desconfiados de você. Se a operação falhar, a reputação do laboratório afundaria, e nós perderíamos o apoio do governo. Se isso acontecer, conversas de vender o santuário podem não permanecer um rumor. Eu não deixarei vocês sucederem com seu plano!
Eu posso apenas ficar parada em choque.
(O quê? Por quê? O que está acontecendo?)
Pesquisador 1: Bem, com licença então.
Meu colega de trabalho me encara e repentinamente vira em seus calcanhares.
Timo: Alguma coisa aconteceu, Darwin? Dê-me um relatório.
Timo me pergunta, sentindo que algo está errado. Mas eu não consigo falar com ele sobre isso.
(Eu estou assustada demais...)
Talvez todos no laboratório desconfiam de mim. E de Paul também?
(O que é mais, com todas as ordens das quais eu estava responsável sendo canceladas, eles têm ainda mais razão para estar desconfiados!)
Julia: Não, Timo. Não é nada. Não é nada...
Eu murmuro debilmente e saio do laboratório. Eu me sinto terrivelmente cansada, e tudo o que eu quero fazer é ir para algum lugar e descansar. Eu preciso de uma chance para clarear minha mente. Há um número de colegas de trabalho falando em café na sala de descanso. Mas assim que eles me veem, eles imediatamente param de falar.
Pesquisador 4: Como ela tem o tempo para estar na sala de descanso?
Pesquisador 5: Bem, provavelmente porque ela estaria mais feliz se falhasse.
Enquanto saem, alguns me deixam palavras dolorosas enquanto outros simplesmente me encaram silenciosamente.
(Os rumores sobre os quais ele me disse são verdadeiros, e já se espalhou tanto assim.)
Alguém levemente me dá um tapa em meu ombro caído. Assustada, eu viro para ver Timo parado lá.
Julia: O que você está fazendo aqui?
Timo: Eu só queria sugerir que pode ser melhor se você não for a nenhum lugar que as pessoas possam fofocar. Isso é tudo.
Timo suspira e olha para mim tristemente.
(Ele veio atrás de mim porque estava preocupado comigo? Obrigada, Timo. Você sabia que haviam rumores ruins circulando...)
Julia: Eu sinto muito. Eu só queria uma chance para relaxar um pouco.
Timo veio todo o caminho para cá atrás de mim porque ele estava preocupado. Eu sinto que deveria compartilhar meus problemas com ele. Eu brevemente digo a ele sobre minha discussão com o colega de trabalho. Enquanto eu o digo, a expressão de Timo fica mais e mais severa.
Timo: Eu vejo. Ele disse isso, não foi?
Timo resmunga suavemente, quando nós ouvimos os passos de alguém. Timo e eu olhamos um para o outro. É Paul. É difícil dizer se seu timing é bom ou ruim.
Paul: Olá, Julia e Timo. Aí estão vocês. Eu na verdade queria falar com vocês sobre ordenar os suprimentos cirúrgicos—
Timo: Morgan.
Repentinamente, Timo interrompe Paul e o pressiona.
Timo: Você sabe sobre os rumores?
Paul une suas sobrancelhas inquisitivamente à pergunta direta de Timo. Vendo Paul fazer isso, Timo abruptamente o agarra pelo colarinho.
Timo: Parece que você está tentando lidar com tudo isso sozinho, mas sabia que está puxando Darwin para tudo isso?! Você não está a protegendo mesmo!
Paul: ...
Incapaz de mais ver a expressão dolorosa no rosto de Paul, eu me coloquei entre eles dois.
Julia: Espere, não é culpa de Paul. É meu erro que as coisas chegaram a esse ponto.
Timo: Nós não sabemos se os cancelamentos dos pedidos foram sua culpa. Você não precisa se culpar.
Seu tom é duro, mas eu posso dizer o quão considerado Timo está sendo.
Timo: Eu sei que você deve ter ouvido os rumores também, Morgan. Se você pudesse pelo menos negar os rumores—
Paul: Eu não posso publicamente negar os rumores agora.
Paul quietamente refuta Timo.
Paul: Eu não posso dizer por que, mas eu quero que vocês dois confiem em mim... Por favor.
Julia: Ok. Paul, eu confio em você.
Timo: Eu não me importo em confiar em você, mas isso não protege Darwin.
Paul assente profundamente ao que nós dissemos.
Paul: Eu certamente entendo de onde você está vindo. Eu também estou frustrado que sou incapaz de proteger Julia. Mas eu vou obviamente tentar virar essa situação. Eu farei qualquer coisa em meu poder para fazer isso. E para fazer isso, essa operação do leopardo Kaleido deve suceder a todo custo. Para isso, eu preciso de sua ajuda.
Julia: Paul...
Timo: Enquanto eu não quero ser envolvido em sua situação, o sucesso da operação do leopardo Kaleido é de máxima importância. Você nem precisa pedir. E se isso põe um fim à calúnia injustificada que está mirando você, então toda a razão.
Timo dá de ombros como se estivesse aborrecido.
(Pelo menos, isso significa que Timo confia em mim e em Paul.)
Eu me sinto aliviada. Paul e eu temos um aliado. Eu acho isso reconfortante.
(Eu não posso me dar ao luxo de fazer quaisquer erros agora. Eu tenho que proceder cuidadosamente.)
Eu estou em meu caminho para casa depois de terminar o trabalho, ainda no limite. Quando eu saio do laboratório, Paul está esperando lá por mim.
Paul: Julia... Eu gostaria de te dar uma carona de volta para Lilac Court hoje.
Julia: O quê?
(Ele me disse que nós deveríamos manter nossa distância um do outro – que nós não deveríamos falar um com o outro mais do que precisamos. Então por que ele está aqui agora?)
O surpreendente convite me tem sentindo feliz e hesitante. Então eu digo...
-Você pode realmente me dar uma carona para casa? (+Paul)
-Você disse que nós não devemos ser vistos juntos.
Julia: Você pode realmente me dar uma carona para casa?
Paul: Eu só pensei que eu não podia ter você ficar sozinha agora.
Julia: Paul...
Eu rapidamente reconheço que isso é incaracteristicamente reservado e considerado para Paul. Mas não há traço da preocupação em seus olhos que ele tinha a pouco tempo atrás.
Paul: Eu sinto muito. Eu quase perdi de vista alguém realmente importante para mim.
(Eu estou feliz se isso é como ele verdadeiramente se sente. Eu ainda não sei por que ele me fechou para fora mais cedo... Mas eu confio que ele fez isso pelo meu bem.)
Paul: Você me permitiria te dar uma carona?
Julia: Sim, obrigada.
Eu dou a ele um pequeno aceno com a cabeça.
Julia: Eu percebi que esse não é o carro habitual que você toma.
Paul entra no assento do motorista e ri.
Paul: Sim, eu quero dizer, eu estou sendo mirado afinal. Então eu decidi parar de usar seu serviço de carro para parecer mais modesto.
Julia: *Risada* Isso é tão você.
Paul: Só brincando. Eu só estive tão ocupado com trabalho, chamar por um motorista simplesmente se tornou mais problema do que valia a pena. E além disso, você não acha que é mais conveniente que nós estamos sozinhos sem um motorista para se intrometer em nossa privacidade?
Paul me lança um olhar e sorri, e então liga o carro.
Julia: Mais conveniente...?
(Eu estou feliz que ele está falando comigo assim novamente, mas eu não deveria estar me deixando levar.)
Os rumores ruins circulando o laboratório são como grandes paredes nos cercando, e Timo e Paul são meus únicos aliados. Esses pensamentos cruzam minha mente, e eu solto um pequeno suspiro.
Paul: Deve ser ruim se Timo está perdendo seu temperamento comigo.
Julia: Sim...
Paul: Ele estava incaracteristicamente emocional.
Julia: Sim.
Paul: Eu não consegui uma chance para pergunta-lo então, mas do que vocês dois estavam falando?
Julia: Há rumores circulando, estranhos rumores sobre você e eu. Parece que Timo está ciente disso e está preocupado conosco. Se eu estivesse prestando mais atenção aos pedidos...
Eu abaixo meus olhos inconscientemente.
Julia: Algumas pessoas disseram que eu deveria sair de assistir você na operação.
Paul: Quem disse isso?
Paul pergunta, então eu digo a ele o que eu tinha dito a Timo.
Julia: Se há rumores circulando que você e eu estamos conspirando para fazer com que a operação do leopardo Kaleido falhe... ...então pode ser melhor que eu saia e deixe outra pessoa se encarregar de minhas responsabilidades.
Paul: Isso não é necessário.
Paul redondamente rejeita minha proposta.
Paul: Isso é porque a operação será um sucesso. Eu vou me certificar que ela suceda. Então todos esses rumores desagradáveis iriam embora, não é?
Paul confiantemente coloca uma mão em meu ombro.
Paul: Você é minha assistente. Eu não posso imaginar ninguém mais fazendo isso.
Julia: Isso é muito reconfortante. Obrigad— Ah!
Só então, Paul repentinamente faz uma curva acentuada, e eu perco meu equilíbrio.
Paul: Desculpe, você está bem?! Parece que nós estamos sendo seguidos.
Paul alertamente olha para o espelho retrovisor.
Julia: O quê?
(Quem está vindo atrás de nós?)
Paul: É ele. Honestamente, ele é tão persistente. Julia, tenha certeza de que seu cinto de segurança está colocado e se segure em alguma coisa. Eu estou acelerando!
Com isso, Paul afunda o pedal do acelerador.
Julia: ...
Ele não é um motorista ruim, mas Paul está tentando perder nossa trilha indo tão rápido que o carro inteiro começa a sacudir.
Julia: Quem no mundo é ele...?!
Eu pergunto a Paul quando olho no espelho retrovisor.
Paul: Deve ser alguém trabalhando para a pessoa que quer fazer dos rumores realidade!
Julia: Ah!
Paul repentinamente freia para virar uma esquina acentuada, e eu solto um pequeno grito quando experimento a força horizontal.
Paul: Você está bem?
Julia: E-Eu estou bem. E você, Paul?
Eu tinha estado segurando em meu cinto de segurança como Paul tinha dito, então eu apenas experimentei algum balanço menor. Mas o corpo de Paul tinha saltado de tudo.
Paul: Eu estou bem!
Paul manuseia o volante sem esforço enquanto os freios chiam alto. As silhuetas no espelho retrovisor recuam na distância. Quando nós entramos nos portões de Lilac Court, nós saímos do carro e deslizamos para a entrada.
Paul: Bem, eu consegui te levar para casa sã e salva.
Julia: Obrigada, Paul.
Eu estou tendo um momento difícil ficando em pé, embora não tão ruim quanto quando eu tinha tido drinques demais. Vendo isso, Paul alcança e me segura.
Paul: Você não está se sentindo bem?
Julia: Não, não é nada assim. Eu estou bem.
Eu olho para Paul quando o abraço.
Nolan: Esse não é o lugar para sua cena de amor.
A inesperada companhia me traz de volta à realidade.
Paul: Nolan.
Paul censura Nolan sem me soltar. Sem pensar, eu digo...
-Não é uma cena de amor!
-N-Não é o que você pensa...! (+Paul)
Logo quando ele nos provoca sobre uma cena de amor... ...eu repentinamente fico envergonhada de Paul me abraçando como se ele estivesse me protegendo.
Julia: N-Não, não é o que você pensa...
Eu respondo timidamente, e Nolan sorri.
Nolan: Seu rosto está bem vermelho.
Paul: Nolan, por favor, não provoque Julia tanto.
Nolan: Isso vindo de você?
Paul: Sim, eu não quero vê-la ser incomodada por qualquer homem além de mim.
Julia: Oh, P-Paul...
(Essa não é a hora para isso...)
Nós temos todos esses rumores ruins circulando sobre nós. Nós estamos sendo perseguidos nas ruas. Nós temos todas essas coisas horríveis acontecendo, ainda... ...eu acho que estou na verdade feliz por causa do show de afeição de Paul por mim.
Nolan: A propósito, aquela foi uma maneira bem animada de chegar em casa.
Nolan muda de assunto, como se ele estivesse esquecendo que tinha acabado de me provocar.
Paul: Sim, nós estávamos sendo perseguidos por um fã bem persistente.
Nolan: Deve ser difícil ser tão desejado. Você gostaria que eu fizesse algo para ajudar?
Paul: Sim, eu apreciaria isso. Não parece que uma garrafa de vinho vai cobrir isso, no entanto.
Nolan: Obviamente não. Enquanto eu sou seu amigo, ainda preciso de pagamento apropriado.
Nolan solta uma risada robusta e começa a fazer uma ligação. Nolan dá algumas curtas instruções e termina a ligação, virando para nós mais uma vez.
Nolan: A segurança de Lilac Court está bloqueada. Você pode se sentir à vontade contanto que esteja dentro.
Paul e eu olhamos um para o outro, e nós dois começamos a rir.
Paul: Nolan, você é um salva-vidas.
Nós podemos ter inimigos, mas temos aliados confiáveis também.
Nolan: De qualquer modo, eu vou analisar o assunto e te dizer o que posso. Eu estou do seu lado. Sinta-se livre para chorar de alegria agora.
Paul: Sim, eu estou muito grato. Todos deveriam ter um bom advogado como um vizinho.
Nolan: Esse é um genuinamente bom conselho. Ah bem.
Paul e Nolan continuam sua conversa sobre o café de Josh.
(Parece que Paul alistou a ajuda de Nolan.)
Os rumores obscuros cercando eu e Paul, de onde eles vieram?
(Sim, nós não seremos capazes de solucionar nada se apenas fugirmos sem saber de nada...)
Para Paul, ele esteve preocupado que os rumores possam se espalhar ainda mais se reagirmos de algum modo. Também, ele está preocupado que fazer ondas no laboratório possa negativamente influenciar o tratamento do leopardo Kaleido. Mas parece que ele mudou de ideia depois de descobrir que alguns colegas de trabalho tomaram algumas ações diretas contra mim.
Nolan: Para somar as coisas, não parece haver nenhuma conversa sobre comprar o santuário.
Paul: O quê? Então você está dizendo que esses rumores são completamente infundados?
Nolan: Eu suponho que isso é o que significa.
Paul: Eu vejo.
Paul cai profundamente em pensamento à informação de Nolan. Eu estou aturdida, e encaro Paul de atrás dele.
(O que no mundo está acontecendo? Eu pensei que todos ficaram paranoicos porque haviam conversas de vender o santuário.)
Joy: Julia, eu ouvi sobre coisas em seu local de trabalho. Eu sinto tanto de ouvir sobre tudo que você está passando lá, especialmente desde que é seu trabalho dos sonhos.
Eu estou sentando no sofá quando Joy se aproxima ao meu lado e me dá um abraço apertado.
Julia: Obrigada por se preocupar comigo, Joy.
Joy: Eu estou aqui para você se você precisar desabafar. Apenas se anime.
Julia: Só ouvir você dizer isso já está me fazendo sentir melhor.
Eu abraço Joy de volta. Joy e eu temos uma pequena conversa, e parece que a conversa de Nolan e Paul alcançou sua conclusão.
Paul: Você realmente nos salvou. Obrigado, Nolan. Eu finalmente consegui envolver minha mente ao redor disso agora.
Nolan: Bem, eu rezo que você será capaz de proteger Julia sem me incomodar por mais ajuda. Eu sou caro, afinal.
Paul: Ha ha, eu estou realmente grato.
Paul agradece Nolan e olha para mim.
Paul: Julia, eu posso pegar você emprestada por um momento? Há algo que eu gostaria de conversar com você.
Julia: Sim, é claro.
Eu assinto, e Paul me pega pela mão. Seu aperto firme é forte e confiável.
Paul: Você ouviu o que Nolan e eu estávamos discutindo?
Paul vai direto ao ponto depois de me levar de volta a seu próprio quarto.
Julia: Sim, é claro.
Paul: Eu tinha pensado que existiam conversas de vender o santuário... ...o que deixou todos no laboratório paranoicos, fazendo-os nos culpar porque nós acontecemos de ser novos. Mas aparentemente, isso não parece ser o caso.
Julia: Sim... Por que as coisas aconteceram dessa maneira?
Paul: Se paranoia não nos fez sermos mirados por sermos novos, então isso significa que alguém tinha intenções maliciosas desde o começo.
A expressão de Paul fica severa.
Julia: Intenção maliciosa?
Paul: Em outras palavras, seu objetivo é sabotar a cirurgia. Ao espalhar rumores ruins sobre mim, a pessoa encarregada, e você, minha assistente... ...alguém está tentando jogar a equipe cirúrgica do leopardo Kaleido em desordem. Alguém pode ter cancelado de propósito os pedidos de suprimento cirúrgico para atrapalhar a cirurgia também.
Julia: Não...!
Eu quase guincho.
(Se os rumores de uma venda fizeram todos ficarem paranoicos e procurarem por um culpado, tanto quanto isso me machucaria, eu iria entender. Mas eu não quero nem pensar que seu objetivo é atrapalhar a operação inteira...! Por que alguém iria querer fazer isso?)
Paul: Se seu motivo não é por ganho financeiro, e é puramente malicioso em natureza, então nós não sabemos o que eles podem fazer a seguir. Julia. As coisas podem ficar mais difíceis, mas eu acredito em você como um companheiro pesquisador. É por isso que eu quero te pedir para me assistir na operação. Não há nada que não podemos conquistar se nós trabalharmos juntos!
Julia: Eu tomo orgulho em sua fé em mim.
Eu olho direto nos olhos de Paul e o dou um grande aceno de cabeça.
Julia: Eu não vou mais hesitar. Eu sou sua assistente.
(Se Paul está ao meu lado, eu não tenho mais nada para ter medo.)
Paul: Obrigado, Julia!
Paul me envolve em um forte abraço.
Paul: Eu tenho certeza que tudo ficará bem.
Algum tempo passa...
(Nós somos pessoas que querem salvar animais... e talvez também amantes? Eu só quero que as coisas fiquem assim por enquanto...)
Eu começo a sentir um aroma familiar quando me aqueço em seu calor. O dia antes da operação do leopardo Kaleido... Eu estou fazendo as rodadas finais de checagens antes da operação na sala de exame.
(Nós temos tudo que precisamos para a cirurgia. Quaisquer reordens que não puderam ser feitas a tempo, Paul e eu fomos capazes de procurar de outros laboratórios e universidades. Agora eu tenho que manter guarda para me certificar que eles não se percam de propósito. Machuca-me ter que desconfiar de meus colegas de trabalho, mas...)
O clima na sala de exame é desconfortável. Eu não vejo Paul.
(Eu acho que Paul foi chamado pelo diretor...)
Pesquisador 1: Senhorita Darwin, você terminou de checar tudo? Você precisa de ajuda com isso?
Outro pesquisador em minha equipe me pergunta, mas eu balanço minha cabeça em negação.
Julia: Eu terminei de checar tudo, mas obrigada.
Pesquisador 1: Há algo mais que precisa ser feito?
Julia: Não no momento.
Pesquisador 1: Eu vejo. A propósito... o que aconteceu com o assunto de assistir na cirurgia?
Julia: Oh, isso...
(Essa é a pessoa que me avisou para sair de assistir Paul.)
O colega de trabalho se aproxima. Então eu ouço uma voz vindo de trás dele.
Paul: Julia estará me assistindo, é claro. Não haverá mudança nos planos.
Paul interrompe minha conversa com o colega de trabalho.
(Paul!)
Pesquisador 1: Nenhuma mudança nos planos, mesmo nesse ponto?
Ele franze as sobrancelhas e sai da sala de exame. Paul o observa sair com uma expressão severa em seu rosto.
Julia: Paul...
Paul: Julia, eu prometo me certificar de que essa operação suceda.
Julia: Sim.
Paul: Vamos mostrar a todos eles.
(Sim, nós apenas teremos que dispersar os rumores com a verdade e nossas conquistas.)
Se as pessoas desconfiam que Paul e eu estamos tentando fazer que a operação desse leopardo Kaleido falhe... ...então ao suceder na operação, nós vamos recuperar a confiança de nossos colegas de trabalho!

Esse é o fim do capítulo 7. Até a próxima! :)

Comentários

Mais Lida da Semana ♥