20 de junho de 2017

[SWD] Wizardess Heart: Cerim (capítulo 3)

Oi oi, pessoal! Crys-chan voltou com mais Wizardess Heart. Espero que gostem! :)

(Série Princesa de Cristal) Cerim – Dia 3: A Cantora na Caverna
O ar incrivelmente quente me cercou. A caverna estava engolida por chamas ardentes. Eks estava em meus braços, permanecendo inconsciente.
Saella: Eks! Eks!
Eu desesperadamente o sacudi, mas ele não respondeu.
Saella: Eks...
Um indescritível senso de desespero começou a me dominar.
Soldado Negro: Lá está ela! A princesa!
Soldados em armadura negra entraram na área.
Saella: ...! Por que... isso aconteceu...? Por que as pessoas... têm que lutar...?
Os soldados deram passos uniformemente para mim.
Saella: ...
Soldado Negro: Ative o poder do cristal!
Saella: ...Não. Eu não irei.
Soldado Negro: É melhor não resistir se você quiser viver...
Saella: Por favor, Eks...dê-me sua força. Dê-me a coragem para avançar...
Eu me acalmei e fechei meus olhos. E então...
Saella: Cutasuru ryus, tapostes raquy, aruenumte...
Eu comecei a cantar a canção.
Soldado Negro: O que é essa canção...!
Saella: Cutasuru ryus, tapostes raquy, aruenumte...
Liz: ...!
Quando eu acordei, eu estava numa área que parecia muito com onde eu estava em meu sonho.
Liz: O-O quê...? Espere, o que está acontecendo? Eu ainda estou sonhando?
Eu podia sentir pedras perfurando as palmas de meus pés.
Liz: Ai...! Eu estou... descalça...? O que está acontecendo...? Eu estou acordada, certo...?!
Bem então, um som deslizante e estranho passou bem por minhas orelhas.
Liz: O quê...? O que é esse... som estranho?
Como se o som estivesse me atraindo, meu corpo se moveu sozinho.
(Eu posso ouvir alguma coisa... está vindo de dentro da caverna...?)
Liz: Isso é...!
Eventualmente, eu terminei num beco sem saída na caverna. O que eu encontrei lá foi um cristal do tamanho de uma pessoa.
Liz: Uau, que cristal grande!
Eu andei para ele e percebi algo.
Liz: ...!
Eu arfei em surpresa.
Liz: Sem... Sem chance...
Há alguém dentro do cristal. Era uma mulher com um lindo rosto e orelhas pontudas. E eu senti que já vi o vestido que ela estava usando antes.
Liz: Mas onde...?
Meu sonho repetiu em minha cabeça, como se eu estivesse num flashback.
(Espere... sem chance...)
Liz: Saella...
Era ela quem eu era em meu sonho. Mas não era eu. Era mais como se eu estivesse sentindo a consciência de outra pessoa.
Liz: Espere... eu estava vendo as coisas pelos olhos de Saella...? Mas por que ela...?
Saella no cristal parecia que estava chorando.
Liz: ... Você está triste?
Eu ouvi aquele som deslizante e estranho novamente.
(Soa como... as lágrimas de Saella fluindo...)
Quando eu estiquei e tentei tocar o cristal...
???: Afaste-se. Agora.
... uma voz baixa, fria como gelo, perfurou minhas costas. Eu pude sentir algo pressionando contra minhas costas.
Liz: ...Qu-Quem está aí?
???: Eu te pergunto o mesmo! Quem é você?
Liz: E-Eu sou...
Eu levantei minhas mãos e lentamente me virei.
Liz: ...!
Cerim: ...?!
Liz: Cerim...?!
Cerim: Liz...!
Liz: Cerim... por que você está...?
Cerim: O sentimento é mútuo! O que você está fazendo aqui?!
Ele tinha uma expressão fria que era diferente do normal, o que mandou um arrepio por minha coluna.
Liz: E-Eu não sei... Eu estava adormecida, então tive esse sonho... e quando eu acordei, estava aqui...
Cerim: Um sonho...?
Liz: E-Eu... Eu realmente não sei o que está acontecendo! Eu posso estar sonambulando... Eu estava aqui quando acordei. Isso é tudo...
Cerim: Você está falando a verdade?
Liz: Eu não estou mentindo.
Cerim: ...
Cerim manteve seu olhar em mim, mas lentamente abaixou sua varinha.
Liz: Então... o que é esse lugar, de qualquer maneira?
Cerim: Não é da sua conta.
Liz: Não é da minha conta...? Mas e sobre aquele cristal? Quem está dentro?
Cerim: Silêncio!
Cerim colocou sua varinha em minha garganta novamente.
Cerim: Ouça, esqueça que isso aconteceu. Se você disser qualquer um sobre isso...
Liz: ...!
Seus olhos glaciais e impiedosos mandaram um frio arrepio por meu corpo.
(Esse... Esse não é o Cerim que eu conheço...)
Cerim: Entendeu?
Liz: ...
Eu silenciosamente assenti, e ele finalmente removeu a varinha de minha garganta.
Cerim: Eu vou acompanhar você de volta ao seu dormitório.
Liz: Okay... ...
Cerim: ...
(O que eu deveria fazer...? Esse silêncio desconfortável está... me deixando inquieta...)
Cerim: Parece que você realmente estava sonambulando.
Liz: Huh...?
Cerim: Você veio o caminho todo até aqui descalça.
Liz: O-Oh...sim.
(Eu tinha totalmente me esquecido de quanto meus pés doem... E está um pouco frio, também... talvez porque seja de noite.)
Cerim: ... Vista isso.
Cerim colocou seu manto em mim.
Liz: Obrigada...
Cerim: ...
Ele então voltou direto a ficar em silêncio.
Liz: ...
(O que eu deveria...?)
Liz: U-Um... onde está Ronny...?
Cerim: Adormecido.
Liz: O-Oh...
Cerim: ...
Liz: ... Uh, Cer— Ahh!
No momento que eu tentei falar com Cerim, algo prendeu meu pé.
Cerim: Huh...?! O que está errado?
Cerim me segurou.
Liz: Ai... Eu não sei...
Eu olhei para meus pés para ver uma vinha de uma flor estranha amarrada em volta de meu pé.
Liz: O-O que é isso...?
Cerim: Um tipo de planta mágica. Elas fazem truques nas pessoas, mas são completamente inofensivas. Fique parada, eu a tirarei de você.
Liz: D-Desculpe, obrigada...
(Aww, eu perdi a chance de falar com ele...)
Cerim: Bem, boa noite.
Liz: Ob-Obrigada por me acompanhar de volta...!
Cerim: ...
Cerim saiu andando sem olhar para trás.
Liz: ...
(...Eu devo ter o aborrecido muito. O que eu deveria fazer...? Eu pensei que tinha conseguido me dar bem com ele...)
Liz: *Bocejo*...
(Eu não pude dormir...)
???: Liz!
Liz: Oh! Guy! Bom dia.
Guy: Bom dia.
Guy correu para mim e começou a andar ao meu lado.
Guy: Uau, o que aconteceu com você?
Liz: Huh...? O que você quer dizer?
Guy: Olhe para esse rosto. Olheiras e tudo...
Guy apontou para debaixo de meus olhos.
Liz: Espere... sem chance...
Eu reflexivamente toquei meu rosto.
Guy: Você não dormiu na noite passada?
Liz: Bem, sim...
Guy: Alguma coisa aconteceu?
Liz: Nada...
Guy: Oh... Bem, se você não quer falar sobre isso, não precisa.
Liz: ...
Guy: Mas eu não quero te ver parecendo tão deprimida. Sorrir combina melhor com você.
Liz: Sorrir combina comigo...?
Guy: Eu posso ter conhecido você por um par de dias, mas tive uma boa ideia de que tipo de pessoa você é.
Liz: Sério...?
Guy: Bastante. Você é bem simples.
Liz: Ei, isso é cruel!
Guy: Haha!
Liz: Caramba... *Risadinha*.
Guy: Vê? Sorrisos ficam muito melhores em você.
Liz: Obrigada, Guy.
(Guy me alegrou um pouco.)
Eu fui para a sala de aula e vi Cerim lá.
Liz: Oh...!
Lembrando-me do que aconteceu com Cerim nessa manhã, eu não pude evitar desviar o olhar.
(Espere, o que eu estou fazendo...?!)
Liz: Aqui vai...
Eu me decidi e andei até o assento ao lado dele.
Liz: B-Bom dia.
Cerim: Bom dia, Liz.
Para minha surpresa, Cerim me respondeu com um sorriso.
Ronny: Você de novo?! Seu rosto é a última coisa que eu quero ver na manhã! Vá embora!
Liz: O qu...?!
Cerim: Ei, Ronny, pare com isso.
Ronny: Hmph!
Cerim: Desculpe por ele sempre ser assim.
Liz: Oh, uh... e-está totalmente bem!
Cerim: Não vai se sentar?
Liz: O-Oh! Eu vou...
Eu timidamente me sentei no assento ao lado dele.
(Espere, ele está... agindo como sempre faz. Ele não está zangado? Então, o que foi aquilo nessa manhã...?)
O sino do início para a aula tocou. Entrando no cômodo estava Professor Schuyler, quem estava na sala do diretor ontem.
Schuyler: Vamos começar a lição.
Liz: S-Sem chance...
(Guy disse que ele era muito, muito rigoroso...)
Schuyler: Eu vejo que você está aqui, Liz.
Liz: S-Sim, senhor!
Schuyler: Permita-me apresentar novamente. Eu sou Conrad Schuyler, encarregado de Ferramentas Mágicas, Magia de Encantação, e Maldições.
Liz: A-Ansiosa pelas aulas com você...
Schuyler: Eu direi isso agora, mas minhas aulas não serão tão fáceis como as outras. Então traga seu melhor.
Liz: S-Sim, senhor...!
Schuyler: Agora, sente-se. Nós vamos começar a lição.
(Guh... Que intimidador...)
Schuyler: A lição de hoje irá envolver real uso de magia. Mas antes, deixe-me explicar o que magia negra é. Isso é porque a magia que você estará praticando hoje é magia de luz. Então lembrem-se que magia de luz é a única magia que você pode usar para se proteger quando o pior chegar. Agora, vamos falar sobre magia negra. Levante-se, Liz.
Liz: S-Sim, senhor...!
Schuyler: Eu farei a você algumas perguntas. Dê-me as respostas corretas.
Liz: S-Sim, senhor...!
(Uau, por que eu tenho que ser escolhida...?!)
Schuyler: Primeira pergunta. O uso de magia negra é permitido em nosso mundo?
Liz: Não. Magia negra é proibida.
Schuyler: Correto. Bem feito. Segunda pergunta. Quando alguém usa magia negra, o que acontece com ele?
Liz: Se você usa magia negra, você será amaldiçoado.
Schuyler: Exatamente. Muito bem. Terceira pergunta. O que magia negra pega em retorno por seu uso?
Liz: Magia negra pode ser lançada em troca pela vida... é por isso que é proibida.
Schuyler: Correto. Ela drena a vida de um usuário. Eu vejo que você entende magia negra bem. Muito bom. Isso é tudo. Eu acho que você entende bem o suficiente o medo de magia negra. Seria melhor se você nunca topasse com essa magia em sua vida inteira, mas... ...se você encontrar, e precisar se proteger, é importante que saiba usar magia de luz. Vamos começar a praticar magia de luz. Aperio!
Quando Professor Schuyler balançou sua varinha, pequenas garrafas apareceram nas mesas de todo mundo.
Schuyler: Vocês todos colocarão luz em suas garrafas. Ao invés de fazer luz aparecer na sua frente, vocês precisarão conjurá-la dentro da garrafa, usando um poder fraco o suficiente para caber tudo dentro. Isso também permitirá que vocês pratiquem como controlar seu poder mágico. Conjurem luz em suas garrafas e entreguem antes do fim da aula. Isso é tudo. Comecem!
Liz: Huh?! Sério...?!
(Oh, não... Eu não acho que consigo fazer isso!)
Embora eu entrei em pânico, eu estiquei e agarrei minha varinha. Eu dei uma rápida olhada a Cerim para ver o que ele estava fazendo.
Cerim: Lumen.
Cerim balançou sua varinha, e luz começou a se reunir na garrafa. Ele impressionantemente conseguiu que a luz encaixasse na garrafa.
Liz: Uau...
(Ele fez isso tão facilmente...)
Cerim: O que está errado, Liz?
Liz: Oh, uh! Eu só estava pensando em quão impressionante isso foi...!
Cerim: Bem... se você focar, pode fazer instantaneamente.
Liz: Se eu focar...
Cerim: Não se preocupe, Liz. Você consegue se você se acalmar e focar. Não é um feitiço muito difícil. Faça seu melhor.
Liz: Ob-Obrigada...
Eu encaro a garrafa e preparo minha varinha.
(Acho que é melhor eu fazer uma tentativa...)
Liz: Venha adiante, luz! Lumen!
Eu cantei as palavras e balancei minha varinha. Então, um sopro de fumaça branca apareceu da garrafa.
Liz: Isso... funcionou...?
Um momento depois... A garrafa começou a inflar como se fosse um balão.
Liz: Huh...?! Espere, o que está acontecendo...?!
Ela continuou crescendo mais e mais.
Liz: Espere, pare! Pare!
Eu me mexi para balançar a varinha, mas a garrafa se expandindo não iria parar.
Liz: Oh, por favor! Pare, eu imploro a você!
Professor Schuyler, olhando a sala de aula, não tinha me notado ainda.
Liz: O que eu deveria...?!
(Seria o pior se Professor Schuyler descobrisse...! Eu tenho que fazer algo sobre isso!)
Liz: Pare!
Eu bati na garrafa com minha varinha, mas não houve reação.
Liz: Oh, não...!
Cerim: Supesaman Mundi!
Cerim balançou sua varinha ao meu lado.
Com um som esvaziado, minha garrafa instantaneamente voltou ao seu tamanho original.
Liz: Uau...
Cerim: Acalme-se um pouco.
Liz: Obrigada, Cerim...
Ronny: Você não pode nem fazer um feitiço de nível baixo assim?! Que novata!
Liz: C-Cale-se!
Cerim: Liz, tente focar sua consciência dentro da garrafa. Então tente novamente.
Liz: Okay...
Eu respirei fundo e fixei meu olhar na garrafa.
(Focar... minha consciência na garrafa...)
Liz: Venha adiante, luz! Lumen!
Eu balancei minha varinha, e luz piscou na garrafa.
Liz: Funcionou?!
Cerim: Eu acho que sim.
Liz: Yay! Obrigada, Cerim!
Cerim: É porque você fez seu melhor.
Quando Cerim sorriu para mim, eu senti que o ar desconfortável dessa manhã tinha completamente desaparecido.
(Ufa... Eu realmente estou feliz que nós conseguimos nos remendar...)
Todas as lições de hoje tinham finalmente terminado.
Liz: Já é hora de eu ir para casa...
Eu reuni todos os meus livros-texto, coloquei-os em minha mochila e estava prestes a me levantar. Eu percebi Cerim sair para o corredor.
Liz: Oh...! Cerim!
(Deixe-me tentar perguntá-lo se ele quer voltar junto.)
Liz: Huh...?
Eu saí para o corredor, mas Cerim tinha sumido.
Liz: Para onde ele foi...?
Eu olhei ao redor do corredor enquanto andava. Então... Eu ouvi, muito fracamente, um homem cantando lindamente.
Liz: Huh...? Que canção linda...
Eu me encontrei naturalmente atraída para a origem da canção. Tendo seguido meus pés, eu me encontrei na frente da sala de música onde eu encontrei Cerim pela primeira vez.
Liz: Aquela canção está vindo daqui...
(É... Cerim?)
Eu estiquei e abri a porta.
???: Morial amani elcam nisuig suvento...
Liz: ...!
Cantando na sala de música estava um rapaz com olhos de cores diferentes.
(Estranho... parece que eu já o encontrei antes... Como se eu já tivesse o visto em algum lugar antes...)
???: Lume...
Então, sua voz parou completamente.
???: Quem está aí?
Liz: O-Oh, um...! Eu sou Liz.
???: Liz... Eu não te vi por aqui.
Liz: E-Eu... Eu acabei de me matricular, deve ser por isso...?
Joel: Oh, eu vejo... Eu sou Joel.
Liz: Joel...
Joel: Então, você tem algum assunto na sala de música?
Liz: Oh, não! Eu só ouvi uma canção maravilhosa e vim pra cá...
Joel: Obrigado.
Liz: Então, uh... o que é essa canção?
Joel: Não é exatamente uma canção... Eu estava praticando meus feitiços.
Liz: Praticando seus feitiços...?
Joel: É. Eu sou um aspirante a cantor de feitiço.
Liz: Um cantor de feitiço... E-Espere! Não há apenas um na escola inteiro?!
Joel: É.
Liz: Uau...! O-Oh, por favor, deixe-me apertar sua mão!
Por pura empolgação, eu inconscientemente estendi minha mão para ele apertá-la.
Joel: Um aperto de mãos?
Liz: Oh...! Er, eu... imaginei que é a coisa a se fazer quando você encontra alguém famoso...?
Joel: Isso é bem... simples.
Liz: Ei, isso é cruel!
Joel: Oh, desculpe. Eu realmente não quis dizer isso. Eu sou o tipo que fala francamente.
Liz: O-Oh...
(Ele não... parece um cara ruim.)
Joel: Desculpe, mas... Eu vou fazer um pouco mais de prática.
Liz: Oh, certo! Desculpe! Eu vou para casa.
Eu virei e comecei a andar, mas parei novamente.
Liz: Oh, é mesmo! Ei...
Joel: O quê?
Liz: ...Nós não nos encontramos antes?
Joel: ... Não, não nos encontramos.
Liz: Haha, sim, certo? Desculpe por perguntar algo tão estranho. Eu te verei em breve!
Joel: Até mais.
Liz: *Suspiro*... Eu não pude encontrar Cerim... Eu realmente quero conhecê-lo...
Eu soltei um suspiro e enterrei meu rosto em meu travesseiro.
Amelia: Qual é o problema, suspirando desse jeito?
Liz: Bem... sabe...
Amelia: Oh? Está com problemas românticos?
Liz: N-Não é assim...!
Amelia: Seu rosto está vermelho.
Liz: S-Sem chance...!
Eu rapidamente coloquei minhas mãos em minhas bochechas.
Amelia: Vamos, me diga! Eu sou muito boa com conversa de relacionamento!
Liz: Não é isso, enfim... Eu só quero ficar mais próxima de Cerim, isso é tudo...
Amelia: Eu sabia! Cerim, huh?
Liz: Eu estou séria!
Amelia: Certo, certo. Então, por que você quer ficar mais próxima?
Liz: Bem...
O rosto de Eks flutuou por minha mente.
(N-Não! Eks não tem nada a ver com isso!)
Eu balancei minha cabeça e consegui tirar Eks de minha mente.
Liz: ... Eu quero saber mais sobre Cerim.
Amelia: Eu vejo... bem, Cerim não exatamente fala muito sobre si mesmo.
Liz: É, ele não fala...
Amelia: Sabe, ele parece o tipo ouvinte. Que tal você tentar ser mais proativa em falar com ele e o levar a lugares?
Liz: Mais proativa...? Mas isso não seria... desagradável?
Amelia: Bem, você só precisa fazer isso numa quantidade não-desagradável! Empurre e recue!
Liz: Empurrar e recuar, huh... como algum tipo de jogo? Eu sou ruim com esses...
Amelia: Você ficará bem! Tenha confiança!
Liz: O-Okay...
Amelia: Eu estarei rezando para que seu amor vá bem!
Liz: Eu te disse, isso não é assim!
Amelia: Bem, faça seu melhor!
Liz: Okay...
(Ser proativa... Eu espero que isso me permita ficar mais próxima dele...)
“Ronny”: O familiar de Cerim. Ele parece completamente um esquilo, mas é na verdade uma besta mágica. Muito rude e agressivo. Cerim diz que ele na verdade é um cara legal, lá no fundo... Eu me pergunto se serei capaz de me dar bem com ele... Provavelmente não...
Esse é o fim do capítulo 3. Até a próxima! :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário