16 de julho de 2017

Seduce Me 2: Matthew (parte 2)

Oi oi, pessoal! Crys-chan voltou com mais Seduce Me 2. Espero que gostem! :)

A escuridão era para ser pacífica. O sono era para ser relaxante. Entretanto, minha mente começou a perambular no que tinha acontecido mais cedo naquela tarde. Ouvir aquela voz me deixou preocupada. Algo estava errado. Alguma coisa estava acontecendo e eu era a única que podia sentir. Por quê, no entanto? Eu deixei a escuridão se infiltrar em minha mente um pouco mais, incerta do que pensar disso.
...
Mika: Mas que...?
???: Guhh!!
Eu abri meus olhos e me encontrei não mais em minha cama, mas num frio chão de pedra encarando um alto teto de mármore. Apesar de sentir texturas desconhecidas abaixo de minha pele, eu vagamente sabia onde eu estava. Eu estava no salão principal do castelo do Lorde Demônio. Eu me lembrei da vista da visão que os rapazes me deram quando Diana apareceu pela primeira vez. Por que eu estava aqui, no entanto?
Mika: Onde—...
???: GAHH!!
Meus instintos me forçaram a virar ao som, e eu vi alguém que eu não esperava.
Mika: DIANA?!
Segurada no ar estava Diana, pendurada em quatro longas linhas de correntes que estavam presas a seus pulsos e tornozelos. Ela estava esticada como uma estrela e as correntes estavam puxando seu corpo em diferentes direções, aparentemente prontas para rasgá-la pela metade. Minha mente não podia entender o porquê ela estava nessa ilusão, se essa era uma. Ela parecia tão diferente, mas eu podia dizer que era ela. Por que ela estava acorrentada, no entanto?
Diana: GHH!! Liberte-me!!
Matthew: Oh, eu irei.
A voz de Matthew reverberou com uma ressonância fria e demoníaca e isso atraiu meus olhos na direção dele em choque. Lá estava ele, sentando no trono, praticamente recostando nele. Ele ainda estava em sua forma humana, mas seus olhos estavam brilhando uma cor dourada não natural. O que era ainda mais estranho era que ele estava... sorrindo... para Diana. Eu nunca o tinha visto sorrir daquele jeito, como se ele estivesse gostando de ver a dor de alguém.
Matthew: Eu matarei você quando ficar entediado desse jogo. Sua luta é tão divertida de assistir.
Diana: Você acha que isso é engraçado, pirralho—?! GUHH!!
Matthew encarou enquanto as correntes puxavam ainda mais forte os membros de Diana. Eu vacilei ao som de seu corpo esticando, quase ouvindo o som de ossos rachando. Diana, entretanto, zombou de Matthew em resposta.
Matthew: Você realmente acha que me chamar de pirralho vai te ajudar?
Diana: Bem, isso é o que você é: um pirralho que abusa de seus brinquedos até eles quebrarem!
Eu podia apenas encarar os dois, completamente confusa pelo o que eu estava presenciando. Eu tentei falar, mas de repente minha voz desapareceu antes que qualquer som pudesse ser formado em minha garganta. Agarrando meu pescoço, eu olhei para baixo, tentando descobrir por que eu não podia falar. Havia algum tipo de vício apertado contra minhas cordas vocais, não me permitindo murmurar nem mesmo um único som. Seu peso me fez quase engasgar. Entretanto, eu olhei de volta para cima quando Matthew deu uma risada doentia e maligna.
Matthew: Isso mesmo. Eu gosto de brincar com meus brinquedos até que eles não mais sejam úteis para mim. É assim que brinquedos funcionam.
Matthew se levantou lentamente do trono e seus lábios se curvaram num sorriso diabólico enquanto sua língua passava por seu lábio superior.
Matthew: E quando eu termino com eles, eu os destruo.
Diana: E sobre a humana?! Ela é apenas outro brinquedo?!
Eu olhei para Diana, vendo-a mover sua cabeça para me olhar, antes de virar de volta a Matthew em realização. Eu estava fisicamente ali. Eu não estava apenas observando o evento; eu era parte dele. Matthew olhou de volta para mim e seu rosto mudou para um sorriso inocente. Meu coração desesperadamente se agarrou à possibilidade de que ele não era tão malvado quanto estava se apresentando a ser. Seu sorriso puxou as cordas de meu coração, dando-me esperança de que ele estava apenas fazendo uma piada doente.
Matthew: Ela não é APENAS um brinquedo...
Meu coração caiu em meu peito. Matthew inclinou sua cabeça fofamente, dando-me um nojento sentimento de adoração e medo da vista. Nunca que eu tinha imaginado em me sentir assim enquanto olhava para aquele que eu amava, mas aqui eu estava.
Matthew: Ela é meu brinquedo FAVORITO. Eu não posso quebrar o brinquedo com o qual eu tenho tanta diversão~ Especialmente quando esse brinquedo me dá tanta energia...
Como um predador, Matthew começou a andar em minha direção, passando debaixo da forma pendurada de Diana. Eu não podia me mover quando ele se ajoelhou e colocou sua mão ao redor de meu queixo.
Matthew: Eu manterei você comigo para sempre e sempre...
Medo queimou meus nervos; eu não queria estar perto desse homem. Esse não era Matthew. Não poderia ser. Sem chance! Quando ele se levantou, eu senti lágrimas descerem por meu rosto. Se isso era um pesadelo, eu queria acordar. Por favor. A mão de Matthew apontou ao trono e deslizou pelo ar de volta a mim. O som de correntes ecoou pelo lugar, forçando-me a segui-lo e ver uma corrente voando para mim. Eu tentei gritar quando ela pulou na direção de minha garganta. Do nada, uma coleira de grilhão se formou ao redor de meu pescoço, conectando-se com a corrente assim que ela me alcançou, e eu fui puxada para frente brutalmente pelo ar antes de aterrissar ao lado do trono com uma batida dolorosa.
Diana: NÃO!!!
Diana gritou enquanto uma grande gaiola repentinamente se formou ao redor de meu corpo, fazendo-me sua prisioneira. Eu fiquei de joelhos e agarrei as barras me cercando, agora assustada além de comparação. Matthew soltou uma risada aterrorizante, mandando mais ondas de pavor por meu corpo. Isso não estava acontecendo!
Matthew: Esse mundo é MEU!! Ninguém pode mais ficar em meu caminho: não James, não o Lorde Demônio, e não VOCÊ, DIANA!!
Sorrindo mais largamente, Matthew olhou para Diana, levantando seu braço por seu corpo.
Matthew: E eu fiquei cansado de você.
Antes que Matthew pudesse mover, meu medo e raiva rapidamente borbulhou em meu peito, uma palavra passou pelo bloqueio em minha garganta.
Mika: PARE!!!!!!!!!!!
Quando minha voz rasgou pelo ar, tudo ficou preto. Meu corpo, entretanto, sentou na cama em choque do que eu tinha visto. Meu grito reverberou pelo cômodo enquanto eu deixava permear que eu estava acordada e tudo daquilo tinha sido apenas um pesadelo. Embora tudo tivesse parecido real, eu não estava mais numa jaula. Eu não estava num lugar com Diana sendo rasgada em pedaços. Eu não estava...
Matthew: GAHH! Q-Quê—?!
Eu virei minha cabeça para o lado para ver Matthew na cama comigo, sentando ao meu lado e esfregando sua cabeça. Um pesado cansaço pesou as pálpebras dele sobre seus olhos assustados, mas minha mente repentinamente queimou em medo apenas de olhá-lo. Minha mente gritou que tinha sido apenas um pesadelo, mas meu corpo não podia evitar lembrar o que Matthew tinha feito comigo naquele sonho. Pode ter sido falso, mas eu não podia parar o pavor de preencher meus nervos. Lágrimas se formaram em meus olhos enquanto eu encarava Matthew. Eu queria saber que tudo estava bem, que eu realmente era mais que apenas um brinquedo para ele, mas minha voz não me deixaria falar sem gritar. Matthew rapidamente esfregou seus olhos e me encarou, sua preocupação obviamente se aprofundando ao me ver aos prantos. Ele lentamente levantou suas mãos para me abraçar, mas eu pulei para longe, fazendo-o congelar no lugar.
Matthew: Whoa, whoa, está bem. Está tudo bem. Sou só eu...
A voz de Matthew tentou acalmar meu medo, mas meus sentimentos ainda estavam conflituosos, apesar de meu cérebro saber mais. Ele continuou a me encarar, esperando que eu relaxasse. Eu podia apenas encontrar seu olhar cautelosamente com medo e tristeza.
Matthew: Ei... Eu vou te abraçar, ok? Isso é tudo...
Meu coração queria acreditar nele. Eu tinha que acreditar. Ele não poderia ser tão sádico quando meu pesadelo tinha o descrito. Eu assenti e Matthew lentamente começou a envolver seus braços ao meu redor, abraçando-me ao seu peito.
Matthew: Pronto... está bem...
Eu comecei a derreter nos braços de Matthew, finalmente sentindo o medo desaparecer de meu corpo. Eu pressionei meu rosto em seu ombro, tremendo em remorso enquanto o pânico drenava.
Mika: Eu sinto muito.... Eu sinto muito...
Matthew simplesmente me embalou em seus braços e acariciou o lado de minha cabeça com a sua. Ele ocasionalmente colocou um beijo em minha bochecha e ombro, lembrando-me de seu amor e que tudo estava bem. Sua respiração se tornou um ritmo para eu seguir, deixando-me relaxar e sentir seu amor ao meu redor.
Matthew: Sonho ruim, huh?
Mika: Sim...
Matthew me deu um suave aperto, se aconchegando comigo e eu gratamente aconcheguei de volta. Ele nunca me machucaria. Eu não podia me deixar ser afetada por um pesadelo. Felizmente ele não iria perguntar sobre ele.
Matthew: Ei, o que quer que o sonho foi, apenas saiba que tudo ficará bem, ok? Foi só um pesadelo estúpido. Quando você acordar, eu estarei bem aqui ao seu lado, pronto para fazê-lo ir embora.
O modo que ele soava tão confiante fez meu coração palpitar em meu peito. Ele verdadeiramente se importava comigo e aquilo era algo que eu adorava sobre ele. Ele me amava e eu o amava em retorno igualmente. Eu assenti e afaguei seu ombro, aquecendo mais em seu abraço. Matthew sorriu e beijou o topo de minha cabeça. Quando eu fechei meus olhos, ele gentilmente nos deixou de volta ao colchão e me ajudou a mexer para deitar contra ele, fazendo de seu peito meu travesseiro. Felizmente, o pesadelo não retornou naquela noite. Eu fui deixada com um caloroso abraço e um sono pacífico até a manhã chegar. Mesmo nos dias que se seguiram, o pesadelo não voltou. Nem a voz misteriosa. Minha semana ficou pacífica, detalhes finais para o casamento se tornando nosso único foco. Eu estava nervosa por ele e, logo, o dia do casamento tinha chegado até mim e eu estava em meu quarto, encarando a mim mesma em meu vestido de casamento. Eu mal podia acreditar. Eu iria me casar! Minha família e os convidados estavam todos na igreja, esperando para eu entrar marchando, mas eu estava tão nervosa que ainda não saí da mansão. Era apenas uma viagem de três minutos, então não era como se eu estivesse numa terrível pressa. Olhando para o relógio digital em meu quarto, eu marquei o tempo.
Mika: Mais trinta minutos...
Eu soltei um suspiro. Eu tinha pedido a minhas amigas para me permitirem me preparar sozinha, então eu estava sozinha na mansão. Ainda, mesmo enquanto eu estava sozinha, a ansiedade do casamento me deixou tão nervosa. Por quê? Eu estava apenas assim tão empolgada? Passando uma mão por meu vestido, meus dedos traçaram as costuras e os intricados do design. Era de fato meu vestido de casamento dos sonhos, até o último detalhe. Meus pais pagaram a conta como parabéns, o que ainda me fez rir. Como eles tinham vindo a aceitar Matthew era um mistério para mim, especialmente quando ele era incrivelmente vago sobre quem ele era. Eu culpei sua magia íncubo. Antes que eu pudesse passear mais em minhas memórias nostálgicas, eu ouvi meu celular tocar, fazendo-me rapidamente atender.
Mika: Olá?
Naomi: Ei, noiva sortuda! Nós temos um probleminha.
Minha mente rapidamente congelou. Um problema? O que possivelmente poderia estar errado?
Carrie: Agora você está a assustando, Naomi!!
Naomi: Eu não pretendo!!
Suzu: Apenas diga a ela sobre os anéis!!
Mika: Huh? Os anéis? O que sobre os anéis?
Naomi: Bem, aparentemente, Matthew se esqueceu de trazê-los. Ele sabe onde estão, mas você terá que trazê-los com você quando vier.
Eu soltei um pequeno suspiro; não era um grande problema. Graças a deus. Era algo que tinha uma solução fácil.
Mika: Oh, ok, está bem. Onde ele os colocou?
Naomi: Bem, ele disse que colocou os anéis na gaveta da cômoda dele. Ele disse que era para que... “Simon” não pudesse os pegar?
Mika: Sério?
Eu rolei meus olhos. Simon não era TÃO ruim. Além disso, ele era um boneco. Claro, ele era um boneco que podia se mover e tal, mas ele não era malvado, apenas um pouco travesso.
Mika: Certo, eu vou levá-los. Encontre-me na frente da igreja e eu os entregarei antes do casamento começar.
Naomi: Entendido! Vejo você mais tarde!!
Eu desliguei e sorri. Pelo menos o problema não era algo ultrajante. Isso teria sido mortificante. Rapidamente, eu me apressei para a cômoda e abri a gaveta, esperando ver a caixa de anel em plena vista.
Mika: Mas que...?
Quando eu olhei para dentro, eu encontrei nada além de roupas. Eu abri cada gaveta da cômoda, chegando cada canto e fenda enquanto movi as roupas para encontrar a caixa. Nada. Eu olhei para cima e olhei ao redor do quarto, incerteza do por que Simon estava rindo. Ele realmente queria jogar um jogo agora mesmo?
Mika: Merda, Simon...
Eu levantei meu vestido e comecei a procurar os corredores da mansão, determinada a encontrar Simon. Ele tinha que ter os anéis e eu não estava a fim de brincar.
Mika: Simon! Dê-me esses anéis!!
Ele não podia ter ido longe. Eu decidi chegar esse piso antes de descer as escadas...
-Escritório.
Olhando ao redor do escritório, Simon não estava em lugar nenhum. Eu resmunguei para mim mesma.
Mika: Onde diabos aquela coisa pode estar?
Eu suspirei antes de sair do escritório, andando na direção de outro quarto.
-Biblioteca.
Olhando ao redor da livraria, Simon não estava em lugar nenhum. Eu resmunguei para mim mesma.
Mika: Onde diabos aquela coisa pode estar?
Eu suspirei antes de sair da biblioteca, andando na direção de outro quarto.
-Entrada.
Olhando ao redor da entrada do topo da sacada, Simon não estava em lugar nenhum. Entretanto, antes de descer as escadas, eu precisava checar os outros quartos primeiro.
-Banheiro.
Eu entrei no banheiro, olhando ao redor e esperando encontrar a bola de pelos em algum lugar com a caixa de anéis. Infelizmente, ele não pareceu estar em lugar nenhum.
Mika: Que diabos...
Eu resmunguei para mim mesma antes de virar para sair. Entretanto, meus olhos travaram no espelho do banheiro, vendo algo que fez meu coração congelar. Ao redor de meu pescoço estava uma grande marca como uma tatuagem se assemelhando a uma corrente azul. Estava quase brilhando sobre minha pele e o pesadelo repentinamente subiu em meus pensamentos, lembrando-me do medo que eu tinha sentido. Encarando-a, meu corpo começou a tremer enquanto a marca parecia serpentear meu pescoço como uma sombra se movendo. Por um momento, eu achei que a marca iria se apertar contra meu pescoço por simplesmente observá-la circular sobre minha pele. Eu trouxe minhas mãos para minha garganta, tentando cobri-la. Eu não queria vê-la. Tinha que ter sido uma ilusão, certo? Eu estava imaginando. Eu hesitantemente removi minhas mãos de meu pescoço e suspirei em alívio ao não mais ver a marca de corrente. Eu estava enlouquecendo por nada. Eu esfreguei meus olhos gentilmente, aliviada.
Mika: Caramba... Eu estava ficando nervosa por—
Entretanto, quando eu olhei de volta ao espelho, ao redor de meu pescoço estava um colar azul. Eu alcancei meu pescoço e arfei quando fisicamente senti o colar ao redor de meu pescoço.
Esse é o fim da parte 2. Até a próxima! :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário