30 de julho de 2017

[SWD] Wizardess Heart: Cerim (capítulo 11)

Oi oi, pessoal! Crys-chan voltou com mais Wizardess Heart. Espero que gostem! :)

(Série Princesa de Cristal) Cerim – Dia 11-1: Colapso
Estranho o suficiente, eu tinha dormido sem sonhar. A única coisa que estava em minha mente era o que aconteceu com Guy e Cerim ontem.
Liz: *Suspiro*
(O que eu deveria fazer...?)
Eu arrastei meus pés no caminho para a escola, ombros caídos.
???: Liz.
Liz: Qu...!
Eu ouvi uma voz familiar de trás, para a qual eu lentamente virei.
Liz: Guy...
Guy: Ei.
Guy embaraçosamente coçou sua bochecha e me cumprimentou com seus olhos virados.
Liz: Bom dia...
Eu não pude olhá-lo nos olhos também.
Guy: Tem um tempinho?
Liz: Oh, uh... sim...
Guy: Desculpe.
Liz: O-Oh, está... bem...
Um desajeitado silêncio se pôs entre nós, e o tempo passou sem nenhum de nós mover um músculo. Guy foi o primeiro a falar.
Guy: Sobre ontem...
Liz: ...!
Guy: Eu não quis que você soubesse daquele jeito. Eu queria te dizer como eu me sentia de um jeito melhor.
Liz: Guy...
Guy: Eu... Eu me apaixonei por você.
Liz: ...
Guy: É legal estar com você, eu sempre posso sorrir quando você está por perto... ...e eu sinto que não deveria te deixar sozinha. Isso é basicamente como eu fiquei mais e mais atraído por você. Eu estou sério. Eu sei que você gosta dele, mas... você poderia pensar sobre isso? Se eu ainda tiver uma chance, por favor...?
Meu coração pulou depois de ouvir os sentimentos honestos de Guy. Mas eu sabia. Não era Guy que estava em meu coração.
Liz: Guy, eu... Eu sinto muito. Eu... Eu gosto de Cerim. Eu gosto muito de você, Guy. Mas nós não podemos ser mais que amigos.
Guy: Eu vejo...
Liz: Eu... Eu realmente sinto muito!
Guy: Ei, não precisa se desculpar. Quero dizer, eu sabia desde o começo... Eu estava pronto para ser rejeitado. Mas se eu não te dissesse, eu iria me arrepender por minha vida inteira. É um fardo tirado de meus ombros. Obrigado.
Liz: Guy...
Guy: Para que é essa cara?
Guy riu e gentilmente beliscou minhas bochechas.
Guy: Eu estou bem, sério. E você sorri como sempre faz.
Liz: Sim...
Guy: Vamos, sorria.
Guy puxou minhas bochechas.
Liz: A-Ai!
Guy: Haha!
Liz: G-Guy... *risadinha*.
Eu não pude evitar e ri.
Guy: Esse é o sorriso que eu quero ver.
Guy sorriu e afastou suas mãos de minhas bochechas.
Liz: Ei... ei, Guy!
Guy: Hmm...?
Liz: Eu quero que nós sejamos amigos próximos, mas... isso não vai funcionar, vai?
Guy: Não, não vai.
Liz: E-Eu imaginei...
Guy: Pfft... haha! Eu estou brincando. É claro que nós ainda podemos ser amigos.
Liz: H-Huh...?
Guy: Nós ficaremos como amigos próximos.
Liz: Sério?
Guy: Sim. Além disso, eu estou preocupado com você estando sozinha. Você precisa de alguém para te ouvir imediatamente, não é?
Liz: Haha... Eu preciso!
Guy: Há uma coisa com que estou preocupado, no entanto.
Liz: O quê...?
Guy: Eu realmente não entendo, mas... aquele cristal... Você não está envolvida em algo perigoso, está?
Liz: ... Eu ficarei bem. Eu tenho Cerim comigo...
Guy: Entendi. Eu não vou me preocupar, então.
Liz: Sim... obrigada, Guy.
Guy: Bem, está na hora de você ir para a sala de aula.
Liz: Sim, mas... o que você fará, Guy?
Guy: Eu vou cabular o primeiro período. Eu acabei de ser rejeitado, não foi? Apenas vá logo.
Liz: C-Certo...
Embora ainda preocupada com Guy, eu me virei e fui embora.
Guy: *Suspiro* Eu acabei de ser rejeitado...
Quando eu cheguei na sala de aula, ela estava inundada de confusão.
Liz: Hmm...? O que está acontecendo?
Elias: Senhorita Hart.
Liz: Elias, o que está acontecendo? Está maluco aqui...
Elias: Olhe pela janela.
Liz: Lá fora?
Eu andei para a janela e espiei para o lado de fora. O céu, que estava claro e azul até um momento atrás, estava cheio de nuvens.
Liz: Está... nublado?
Elias: De fato... Essa é a primeira vez que isso aconteceu desde que essa escola foi aberta.
Liz: Espera, sério? É assim tão estranho estar nublado?
Elias: Você não sabia...? O clima da escola é magicamente gerenciado o ano inteiro. Sob o olhar vigilante de nossa magia de tempo, o céu nunca estaria nublado.
Liz: E-Espera, sério?!
Elias: Apenas o que está acontecendo...?
As nuvens ficaram mais e mais densas, e o céu ficou escuro como a noite.
Liz: Ei... onde está Cerim? Você o viu?
Elias: Não, eu não o vi.
Liz: Onde ele está...?
Como o céu lá fora, minha mente começou a nublar com ansiedade.
(O que é essa estranha sensação de presságio que eu tenho...?)
Foi quando o sino inicial tocou e Prefeito Klaus entrou na sala de aula.
Klaus: Para seus assentos. Nós estamos começando a aula. Eu fui pedido de última hora para me encarregar a lição de hoje.
Elias: Klaus, está nublado lá fora! Nós realmente vamos ter uma lição numa hora dessas?! O que está acontecendo?
Elias se levantou e perguntou a Klaus. Quando ele o fez, outros estudantes começaram a falar sua preocupação.
Klaus: Silêncio!
O rugido impiedoso de Klaus silenciou a todos.
Klaus: Ouçam bem. O diretor e o inteiro corpo docente estão fazendo tudo que podem para analisar esta irregularidade. Então vocês não precisam se preocupar, cuidem de suas lições. Entendido?
Os estudantes que gritaram cederam à declaração imponente de Klaus e se aquietaram.
Klaus: Agora... A lição de hoje é sobre sonhos.
Prefeito Klaus começou a lição como se nada tivesse acontecido.
Klaus: Sonhos são um tipo de profecia. Como é uma magia de muito alto nível, aqueles que têm o potencial para usá-la são muito limitados. Se você tem poder mágico, você pode predizer o que acontece no futuro próximo. Digamos, uma ou duas horas. Entretanto, ir além desse limite de tempo é muito difícil. Isso não tem nada a ver com quanto poder mágico você tem, é apenas se você tem o talento ou não. Agora, para explicar o que sonhos proféticos são...
De repente, minha visão ficou borrada.
Liz: ...
(O que está acontecendo...? Eu me sinto realmente...)
Então, de repente, eu fui atacada por um feitiço de sonolência.
(Eu estou com sono, mas... Eu não posso dormir... não durante a lição de Klaus... Não... Eu... não posso... dormir...)
???: O cristal... é meu...
Saella: Pare...! Alguém... alguém ajude!
Liz: ...!
Eu levantei meu rosto rapidamente. Bem na minha frente estava o rosto contrariado de Prefeito Klaus.
Liz: Ahhhhh!
Eu grito em surpresa.
Klaus: Gritar uma vez que vê o rosto de alguém? Isso é bastante corajoso de você.
Liz: Er, não, eu... uh...
Klaus: Dormindo na aula, huh?
Liz: Er, bem... Eu, um...
(O que eu deveria fazer...? Aquele sonho um momento atrás... algo estava realmente errado sobre ele.)
Liz: Eu não me sinto bem! Eu acho que estou com febre! Por favor, deixe-me ir para a enfermaria!
Eu me levantei e, sem mesmo esperar pela resposta de Prefeito Klaus, eu corri para fora da sala de aula.
Klaus: Ei! Liz!
Liz: *Arfa*
Eu corri pelo corredor o mais rápido que pude.
(Eu não sei por que, mas... Eu tenho uma sensação muito ruim... Eu sinto que algo grande e terrível está prestes a acontecer...)
Liz: Eu tenho que ir! Eu tenho que me apressar!
Está ainda mais escuro do lado de fora, e relâmpagos estavam rugindo em todo lugar.
Liz: Ahhh!
Trovão rugiu e minhas pernas ficaram fracas.
(O que eu devo fazer...? Eu estou tão assustada... Eu realmente deveria continuar...?)
Eu ouvi outra batida de trovão e o céu brilhou com luz.
Liz: Ahh...!
Eu caí bem ali.
(Se algo ruim está esperado a acontecer... ... então o que eu posso fazer?)
Liz: Não... Eu ainda tenho que ir!
Eu levantei e fechei meu punho com força.
Liz: Vamos.
Eu olhei direto para frente e comecei a correr novamente.
Liz: Cerim...! Cerim, você está aí?!
Eu chamei o nome de Cerim assim que entrei na caverna. Entretanto, não houve resposta.
Liz: Para onde ele foi...?
O cristal parecia como sempre tinha parecido, sem nenhuma mudança que eu podia ver.
Liz: Graças a deus...
Entretanto, a sensação de alívio apenas durou por alguns momentos. Um vento aquecido repentinamente se derramou na caverna.
Liz: Hm?
Eu senti um arrepio assustador em minhas costas e me encontrei abraçando meus braços. O vento eventualmente parou completamente. Foi quando inúmeros tentáculos de névoa negra se arrastaram para a caverna.
Liz: O-O que está acontecendo aqui...?!
Os tentáculos continuaram se arrastando, me evitando. Os tentáculos se envolveram ao redor do cristal.
Liz: O quê...?! Ei, parem!
Eu corri para eles e tentei bater neles para longe com minhas mãos. Embora eles parecessem serem feitos de névoa, eles eram duros ao toque.
Liz: Huh?! Eles são... sólidos...?!
Eu recuei minha mão em surpresa, mas imediatamente voltei e agarrei um dos tentáculos.
Liz: Parem! Fiquem longe! Fiquem longe do cristal!
Eu desesperadamente o puxei, mas ele era forte demais e não cedeu.
Liz: Parem... por favor...!
Pequenas rachaduras começaram a aparecer no cristal.
Liz: ...!
(Não, eu não posso nem mesmo...!)
Liz: Paaaaarem!
Conjurando toda a minha força, eu puxei o tentáculo para longe. Tendo finalmente puxado um dos tentáculos, eu caí para trás no chão do recuo.
Liz: *Arfa*
Outros tentáculos se esticaram e se contorceram ao redor do cristal.
Liz: Fiquem longe do cristal!
Eu puxei e preparei minha varinha.
Liz: Acalme-se... apenas se acalme, Liz... Apenas se lembre do que você aprendeu até agora...! Você consegue...
Quando eu pensei de onde os tentáculos vieram, um arrepio correu por minha espinha. Para mim, pareceu ser apenas a única resposta possível.
Liz: Magia negra...
Eu engoli em seco.
(Quem faria uma coisa tão temível...?)
Eu balancei minha cabeça para expelir o medo.
Liz: Essa não é hora de estar pensando nisso...! Agora, qual era mesmo o feitiço que contra-atacava magia negra...?
Eu vasculhei minha memória.
Liz: É mesmo... luz... luz derrota a escuridão! Eu preciso de magia de luz! Sagitta Lumen!
Eu encantei o feitiço e balancei minha varinha, quase em um transe. Quando eu fiz, uma flecha de luz apareceu da ponta de minha varinha e se lançou na direção dos tentáculos. Ela os atingiu e fez dois se despedaçarem em pedaços.
Liz: Eu consegui...!
Então, todos os tentáculos que tinham estado se reunindo ao redor do cristal se esticaram em minha direção.
Liz: P-Podem vir, todos vocês...!
Eu estendi minha varinha e comecei a recuar. Todos os tentáculos começaram a me atacar.
Liz: Sagitta Lume—
Antes que eu pudesse terminar meu feitiço, um dos tentáculos agarrou meu braço e minha varinha caiu.
Liz: Guh...!
Todos os tentáculos se reuniram ao meu redor e começaram a se envolver ao redor de meu pescoço.
Liz: Gggghhh...
Minha garganta se apertou e fechou.
(Não consigo... respirar...)
Eu pude sentir a escuridão começar a dominar minha visão.
Liz: Pa... rem...
De repente, meu corpo se sentiu muito pesado como se eu tivesse engolido chumbo.
Liz: O que está... acontecendo...?
Eu pude sentir a escuridão se derramar em minha mente mais e mais. Enquanto isso acontecia, minhas emoções apenas escaparam.
(Por que isso acontece comigo...? Eu não deveria ter me envolvido... Isso é o que acontece quando você se envolve com as pessoas... Eu não deveria apenas me cuidar...?)
Emoções negativas me transbordaram. Meu corpo se enfraqueceu. Eu sucumbi, não me importando com nada mais.
(Eu... só vou morrer...)
Eu sabia que minha morte era iminente.
???: Liz... você não vai morrer. Você não deve deixar a escuridão dominar seu coração. ...Lembre-se de quão forte é seu coração...
(Meu coração é... forte? Mas eu não sou forte, nem mesmo um pouco...)
???: Você veio aqui completamente sozinha, apenas para me ajudar... Você é forte. Muito forte...
Liz: Você poderia ser... Saella...?
???: Liz!
Eu ouvi a voz de alguém, e luz encheu minha visão. Quando minha visão ficou clara novamente, os tentáculos começaram a quebrar e esmigalhar. Quando eles caíram no chão, eu pude finalmente respirar de novo.
Liz: *Tosse, tosse*
Eu segurei meu pescoço e respirei fundo várias vezes.
Cerim: Liz! Você está bem?!
Eu olhei para cima para ver Cerim de pé na minha frente com uma espada de luz.
Liz: Ce... rim...
Cerim: Graças a deus...
Liz: Cerim, você... me salvou?
Cerim: Sim, eu estou feliz que consegui a tempo. Eu fui atacado por uma névoa negra no caminho para a escola, o que me deixou preocupado e vim aqui.
Liz: É por isso que você não estava na aula nessa manhã...
Embora Cerim tinha cortado os tentáculos de névoa negra, eles se dividiram e apenas cresceram em número.
Cerim: Tch...! Essas coisas...! Liz, você pode se levantar?
Cerim ofereceu sua mão.
Liz: Sim...!
Eu peguei sua mão e consegui me levantar.
Liz: Cerim, esses tentáculos... eles são magia negra, não são...?
Cerim: Sim... parece que sim.
Liz: Apenas quem poderia...?
Cerim: Eu não sei... mas alguém tem que estar controlando-os!
Os tentáculos deram o bote.
Cerim: Scutum Lumen!
Cerim colocou um braço protetor ao meu redor e levantou uma barreira de luz. Os tentáculos refletiram na barreira e se despedaçaram. Mais e mais tentáculos se esmagaram contra a barreira.
Cerim: Guh...!
Liz: Cerim...! Você está bem?!
Cerim: Eu estou bem. Eu posso aguentar isso...!
Contrário às suas palavras, seu rosto parecia que ele estava em dor. Gradualmente, os tentáculos destruíram mais e mais da barreira.
Cerim: Ugh...!
Liz: Cerim...!
Cerim: Não se preocupe... Liz, eu te protegerei... não importa o quê!
Liz: O qu...!
No momento seguinte, a barreira cresceu em tamanho e explodiu os tentáculos para longe.
Cerim: *Arfa, arfa*
Cerim caiu ao chão.
Liz: Cerim!
Eu desesperadamente o segurei.
Cerim: Eu estou bem... Eu apenas usei poder demais...
Liz: Mas...
Cerim: Liz, fique atrás de mim.
Liz: Cerim...
Os tentáculos, entretanto, cresceram ainda mais em número.
Liz: Eles continuam se multiplicando...!
Cerim: Tch...!
Liz: Se isso continuar...!
Bem então, uma grande rachadura apareceu no cristal.
Liz: O quê...?!
Cerim: O cristal...!
Então, outra rachadura, que era ainda maior que a anterior, foi identificada.
Liz: Espere... o selo vai se quebrar?!
Cerim: Droga...!
As rachaduras se formaram em todo lugar. E então... ...o cristal se quebrou em pedaços. Levemente caindo do cristal saiu Saella.
Liz: Saella!
No momento que eu gritei o nome dela... ...a caverna se encheu de luz brilhante.
Liz: Onde... eu estou?
A luz diminuiu e minha visão ficou clara.
Liz: A entrada... da caverna...? Cerim?! Onde está Cerim?!
Eu olhei ao redor, mas não pude encontrar Cerim em lugar nenhum.
Liz: Cerim... onde você está?!
Não importa quanto eu gritava, ele não iria gritar de volta.
Liz: O que aconteceu...?
Um ar frio então encheu a caverna.
Liz: O quê...?!
Desse ar veio uma onda de névoa negra.
Liz: Ahhh!
Antes que eu soubesse, a névoa negra encheu a área. Árvores, grama, flores... Tudo secou no momento que a névoa vinha a tocar.
Liz: Isso é... terrível...
A névoa se arrastou em minha direção... ...e me engoliu.
Liz: O que aconteceu...?
Eu estava num vazio completamente negro, o único som sendo minha voz.
Liz: Alguém está aí...?!
Minha voz soou pelo vazio, oca e lamentável. Não havia ninguém aqui. A destruição do mundo. Foi o que minha intuição me disse. Ninguém estava para ser visto. Ninguém existia em lugar nenhum. E eu, então? Eu mesmo existo? Os sentimentos de tristeza, medo e raiva encheram meu coração.
Liz: Isso é terrível!
???: Isso... é um possível futuro.
Liz: Quem está lá...?
???: Mas ainda há tempo. Você tem a habilidade para mudar o futuro. Acredite. Acredite em si mesma. Por favor, encontre-me...
Liz: Saella...? É você, Saella?!
Bem quando eu a fiz uma pergunta... ...Eu vi uma pequena luz dentro da escuridão. Era um cristal emitindo uma luz de arco-íris, pequeno o suficiente para caber na palma de minha mão.
Liz: Isso é...?
Eu alcancei o cristal e o segurei em minha mão.
“Sonhos”: Um tipo de magia profética. Você pode ver o futuro em seus sonhos. Como Prefeito Klaus, a maioria das pessoas pode apenas ver algumas poucas horas no futuro. Não tem nada a ver com quanto poder você tem, no entanto— é tudo sobre se você tem o talento ou não, então nem todo mundo consegue fazer isso.
Esse é o fim do capítulo 11. Até a próxima! :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário