[BTS] To the Edge of the Sky: Prólogo Phase2

Oi oi, pessoal! Crys-chan chegou com a segunda parte do prólogo demo de To The Edge of The Sky. Espero que gostem! :)
{Aviso: Postagem muito grande mesmo!}


{Eu usarei o nome oferecido pelo jogo, “Evren”.}
Eu alcanço Zero numa estação de trem. Meus passos ecoam pela grande área quase vazia. Eu posso ver Zero de pé no meio, esperando por mim. Eu quase me sinto obrigada a correr até ele, mas vê-lo apenas parado lá me faz sentir um pouco rebelde. Eu desacelero meu passo um pouquinho.
(Ele me fez correr atrás dele pela cidade, então pode esperar um pouco.)
Uma vez que finalmente chego perto o suficiente, Zero se vira de me observar para encarar o homem atrás do balcão. Ele mostra ao homem algo que parece um cartão de autorização oficial.
Zero: Ela está comigo. Nova agente.
O homem olha de relance ao cartão de autorização enquanto seus olhos brevemente acendem com um padrão colorido. Desaparece tão rapidamente quanto apareceu, rápido demais para eu pegar qualquer coisa além de um brilho de laranja em seus olhos. O homem me dá uma rápida olhada antes de assentir e nos acenar. Enquanto eu sigo Zero, quem não está correndo em alta velocidade desta vez, eu tomo o tempo para observar nossos arredores. O lugar parece velho, porém bem mantido. Quem quer que esteja mantendo o design interior assim deve realmente gostar da aparência vintage.
(Embora eu ainda não entenda por que nós estamos numa obsoleta estação de trem. Eu tinha esperado que estaríamos voando para lá num carro, já que eu nunca estive num voador antes. Mas, oh bem... Talvez alguma outra hora?)
Zero começa a se mover na direção de um dos trens que acabaram de chegar, e eu o sigo para dentro. Zero senta num lado, e eu sento no outro, na frente dele. Ele meramente me encara, lentamente me fazendo sentir mais e mais desconfortável. Eu não aguento mais, então eu me viro para olhar ao redor do trem ao estilo vintage.
(Está tão vazio... Nós realmente somos os únicos no trem?)
Quando eu viro de volta, Zero ainda está apenas me encarando com nenhuma expressão discernível. Eu decido que esse pode ser um bom momento para fazer uma pergunta.
-Por que nós estamos tomando um trem assim?
Evren: Por que nós estamos tomando um trem assim?
Zero: Esse é um trem que apenas leva agentes da PHASe. É no subterrâneo, então ele te leva direto para o quartel general da PHASe.
Evren: Quartel general da PHASe... Isso significa que também há um quartel general normal?
Zero: É. Há um prédio governamental para o público, e um especial para os agentes.
Evren: Ah, eu vejo.
-Isso vai direto para PHASe?
Evren: Isso vai direto para PHASe?
Zero: É.
Eu encaro Zero e ele desvia o olhar.
(Apenas é? Acho que ele não é muito falante.)
Evren: Então tipo, apenas... direto para lá? A estação é dentro da PHASe?
Zero: É.
Ele assente.
(Eu desisto... Acho que apenas verei por mim mesma.)
-Por que você está encarando?
Evren: Por que você está encarando?
Zero desvia o olhar.
Zero: ...Desculpe.
Evren: Não não, está tudo bem. Estava apenas me perguntando.
Zero dá de ombros e fica quieto. Eu suspiro.
(Primeira conversa desconfortável... Primeira conquista completa, eu acho.)
Exceto por alguns olhares curiosos e discretos aqui e ali, nós passamos o resto da carona de trem completamente silenciosos. Em aproximadamente quinze minutos, nós chegamos na próxima estação... ...e entramos no próprio quartel general da PHASe. No momento que eu dou uma olhada por dentro, eu paro em meus caminhos. O lindo átrio tem uma sensação leve, com tanto espaço aberto e janelas deixando entrar a luz natural. Está cheio de pessoas, agentes e pesquisadores, todos em branco andando ao redor. Alguns estão em grupos, alguns sozinhos. Embora esteja ocupado, a própria área é grande demais para ficar lotado. Eu me distraio, absorvendo todos os detalhes deste maravilhosamente espaçoso lugar. Eu dou um passo para trás e olho para o teto e ao céu acima.
Evren: Uau...
???: Boa tarde.
Eu olho de volta para baixo para ver uma mulher parada lá.
Dra. Park: Eu sou a Doutora Keiria Park. É um prazer finalmente conhecê-la. Embora, você esteja bem atrasada.
Evren: Oh... sim. Eu sinto terrivelmente muito por isso.
Doutora Park dá um breve assentir de reconhecimento como se já tivesse se esquecido disso. Então, ela se vira para Zero.
Dra. Park: Obrigada por ir recuperar a Agente Sete, Zero.
(Agente Sete... que estranho... oh, espere. Sou eu. Eles estão se referindo a mim.)
Zero sorri de volta à doutora.
Dra. Park: Você está livre para ir agora, Zero.
Zero coloca sua mão direita sobre seu coração e curva sua cabeça levemente, antes de sair correndo mais adiante no prédio. Eu o observo ir, mas ele se afasta tão rápido que desaparece de minha vista antes que eu saiba.
Dra. Park: Por favor, venha comigo. Eu lhe levarei ao seu quarto.
Ela gesticula para eu segui-la. Enquanto nós andamos pelo grande espaço lado a lado, Dra. Park levanta um tablet. Ela começa a examinar minhas estatísticas uma por uma.
Dra. Park: Estes são bem impressionantes. Especialmente considerando que você acabou de se juntar a nós sem passar por nenhuma de nossas iniciativas de treinamento e avanço.
Eu olho ao redor do átrio e a todas as pessoas ao nosso redor.
Evren: ...Está bem falar sobre tudo isso aqui?
Dra. Park: Todos aqui são agentes dentro da secreta filial da PHASe. Portanto, as estatísticas básicas de um agente são informação “pública”.
Eu franzo as sobrancelhas.
(Parece um pouco estranho ser reduzida a estatísticas como um jogo... ou talvez apenas uma estatística literal.)
Dra. Park: Ah, parece que eu me esqueci de me apresentar devidamente. Eu sou a Pesquisadora Líder aqui na PHASe. Eu tenho muitas responsabilidades, então algumas vezes, você pode não me ver frequentemente. Uma das coisas que estou encarregada é de garantir que todos os nossos agentes estejam sempre saudáveis e em seu melhor. Eu peço desculpas por me esquecer. Eu estou sempre encantada quando alguém tão talentoso se junta a nós, especialmente ao nível Phantom Alpha.
Evren: Obrigada. Esse é um elogio muito grande, especialmente de alguém de sua posição... Mas eu...
Eu sinto um inchaço em minha garganta.
Evren: Eu realmente sou boa o suficiente? Eu não sei se realmente sou o que você acha que eu sou. Eu não tenho certeza que toda essa coisa não é um erro.
Ela para na minha frente, fazendo-me parar com ela. Ela praticamente empurra seu tablet em meu rosto. Com sua caneta, ela aponta para meu ranking de nível de habilidade. Diz que eu tenho uma classificação de “classe S”.
Dra. Park: Este software analisa a habilidade potencial de um candidato baseado em dados fornecidos— e raramente está errado.
Ela então relaxa e sorri para mim.
Dra. Park: Eu mesma fiz o software, afinal. Mas poderia ser atualizado com novos dados mais tarde. Eu tenho certeza que qualquer novo dado apenas irá provar que o ranking do software está correto, ou quem sabe... Talvez ainda melhor.
Os olhos da doutora parecem brilhar ao pensamento antes de começarmos a andar novamente.
Evren: De onde PHASe conseguiu os dados, de qualquer forma?
Dra. Park: Os dados foram coletados por nossos agentes que entraram em contato com você.
Ah, então daquela vez... é claro.
Evren: Mas ainda assim. Eu não estava com eles por muito tempo.
Dra. Park: PHASe é parte do governo em Olympia. E naturalmente, nós temos uma extensiva rede de dados pela defesa da cidade— Os viajantes eram próximos da cidade, afinal.
Evren: ...Você sabe que eu sou uma viajante? Espere, não. Eu acho que faz sentido que você saberia, considerando todo o resto.
Dra. Park: O que você quer dizer?
Evren: Eu estou acostumada a pessoas das cidades me tratando como merda se descobrirem isso.
Dra. Park: Eu vejo. Há muitos agentes de todos os lugares—Europa, Ásia, Índia, África—cada continente habitado. Eu mesma sou da América—e além disso, eu julgo por mérito. Eu não me importo de onde alguém é.
Eu me encontro sorrindo às palavras da boa doutora. Embora ela pareça um pouco rígida, sabendo disso me faz sentir melhor sobre ela.
(É assim que as coisas deveriam ser, então é legal ouvir alguém aqui compartilhar essa opinião.)
Nós entramos num corredor, e Dra. Park para na frente de uma das portas.
Dra. Park: Aqui é onde você estará ficando a partir de agora. Se você tiver quaisquer perguntas, você deveria usar a interface de parede da PHASe no quarto. Está equipado com informação oficial de alta segurança sobre a PHASe. Se você não conseguir encontrar algo lá, eu lhe encorajo a contatar seus novos companheiros de equipe— Eu acho que maiores taxas de sucesso de missão tem uma correlação direta com altas taxas de sincronização. Agora, por favor, dê-me licença, Sete. Foi legal conhecê-la, mas eu tenho muito trabalho para fazer. Eu estarei lhe contatando amanhã. Em nome de todos aqui, bem-vinda a P.H.A.N.T.A.S.M.
Com isso, Dra. Park finalmente vai embora. Eu vertiginosamente encaro a porta de meu novo quarto.
(É finalmente hora de ver onde eu estarei dormindo a partir de agora.)
Eu respiro fundo para me preparar, e entro. O quarto—MEU quarto—parece tão diferente de qualquer lugar que já fiquei antes.
(Embora, considerando a maioria dos lugares que fiquei eram sujos, abandonados ou um literal buraco no chão... Isso é definitivamente além de comparação.)
É quando exaustão me atinge do nada como uma tonelada de tijolos. Eu me arrasto na direção da cama e me jogo em cima dela, cansada demais para fazer outra coisa.
(Eu não posso acreditar que estou finalmente aqui... A viagem foi longa e exaustiva. E maldito Zero por me fazer correr atrás dele... Tão cansada. Ainda assim, eu me pergunto... Essa realmente é a escolha certa?)
Eu me sinto ansiosa, mas empolgada também.
(Não tenho certeza de qual está vencendo ainda, então apenas vou esperar e ver nesta. Eu me pergunto como meus companheiros de equipe serão...)
Meus pensamentos parecem mais e mais pesados, e eu não mais consigo lutar para manter meus olhos abertos. Em meus últimos momentos de consciência, eu me pergunto como minha vida será na PHASe.
[É hora de explorar PHASe. As cenas seguintes tomam lugar sobre o curso da primeira semana de Sete ne PHASe. Que área você gostaria de visitar?]
-A cafeteria.
Evren: Parece que eu ainda tenho tempo antes do jantar... Mas eu estou exausta de todo o teste da Dra. Park mais cedo hoje. Eu acho que vou tirar um cochilo primeiro...
Eu mudo para minhas roupas de dormir e me jogo na cama, deitando em meu estômago. Tudo o que precisa é minha cabeça atingindo o suave travesseiro antes de eu apagar... Eu groguemente abro meus olhos, não sabendo que dia ou mês é, muito menos onde estou. Eu lentamente me levanto e esfrego meus olhos, tentando me lembrar.
(Certo, aqui é... PHASe... e eu... tirei um cochilo... Um cochilo?!)
Eu me viro e olho pela janela, e vejo o céu noturno me cumprimentar de volta. Eu agarro meu celular e olho a hora. 9:37 p.m. Arghhhhh! Meeeeerda!
(Eu perdi o jantar por apenas um pouco, de certeza. Se um pouco foram três horas. Para não mencionar que arruinei minha rotina de sono depois de apenas alguns dias aqui.)
Evren: Bom trabalho, eu! Bem, estou completamente acordada agora...
Eu olho para a lua cheia brilhando no céu enquanto tento decidir o que fazer. Eu dou de ombros.
Evren: Acho que vou comer, de qualquer jeito.
Vestindo-me, eu agarro meus óculos ARO e saio de meu quarto. Ligando a superfície em meu ARO, eu seleciono meu destino e desço o corredor. Na cafeteria agora, eu peço meu jantar por uma tela de toque, então sento à uma mesa para esperar. Há alguns outros aqui, e eu arrisco um palpite que as pessoas comem aqui o tempo inteiro, de qualquer forma. Eu escaneio as outras pessoas aqui curiosamente, mas a maioria veste os uniformes brancos de pesquisadores da PHASe. Aqui e ali, algumas pessoas bem distintas se destacam com uma forte aura, e eu aposto que eles possam ser outros agentes.
(Outros agentes... Isso parece tão estranho de pensar.)
Os agentes parecem tão intensos e capazes que eu me pergunto pela milionésima vez se eu tenho um direito de estar aqui. É quando eu percebo alguém que parece distinto, mas tem uma sensação diferente dos outros. Alguém em branco.
(Zero...)
Algo sobre ele parece naturalmente mais inocente do que os outros. Pensando novamente, ele pareceu diferente de todos da equipe Phantom Alpha que eu encontrei até agora. Eu me encontro curiosa sobre por que isso é e inclino minha cabeça.
(Talvez eu deva ir e falar com ele? Isso seria estranho?)
Eu estou contemplando isso quando ele se levanta. Ele leva sua bandeja para a lixeira, esvazia-a e sai da cafeteria.
(Droga, deveria ter movido mais rápido.)
Funcionário: Pedido #106!
Eu suspiro, e levanto para pegar minha comida.
(Talvez da próxima vez? Ou... Dra. Park disse que eu deveria conhecer todos os meus companheiros de equipe. Talvez eu possa encontrá-lo depois do jantar.)
Com esse pensamento, eu ando para recuperar minha comida e finalmente comer. Depois do jantar, eu estou de volta a perambular pelos corredores novamente. Dessa vez, meu destino está fixo na localização de Zero que apenas está marcada como uma “Área de Relaxamento”.
(Parece que ele está do lado de fora... Pergunto-me por que ele estaria do lado de fora à noite? Talvez ele não consiga dormir?)
Enquanto eu pondero essas coisas, eu movo pelos aparentemente sem fim corredores e elevadores. Embora eu tenha estado tentando ignorar isso por algum tempo, meu coração anseia ver algo além dessas paredes brancas.
(Não... Você é uma agente da PHASe agora. Tem que pensar como um habitante da cidade... Foi você quem escolheu parar de viajar, afinal.)
Meu coração não parece se importar, no entanto, e continua a discutir com minha mente até eu chegar em meu destino. Eu estou surpresa quando abro as portas de vidro para o que parece ser uma área de telhado com jardins. Ou vários, de fato. A luz de dentro brilha pelo vidro, dando um gentil brilho na escuridão da noite. Eu facilmente encontro a jaqueta branca de Zero contra a escura cortina de fundo à distância. Ele está sentando em um dos bancos com suas mãos em seus bolsos, sua postura relaxada. Eu me sinto inquieta quando repentinamente me pergunto se está bem apenas ir falar com ele assim.
(Eu quero dizer, talvez ele queria estar sozinho.)
Lembrar-me das palavras da Dra. Park, no entanto, me dá força. Eu balanço minha cabeça e começo a caminhar na direção dele. Ele olha de relance para mim imediatamente, seus grandes olhos escuros brilhando na fraca luz.
Evren: Oi. Importa-se se eu me sentar aqui?
Zero balança sua cabeça e se afasta no banco, e eu me sento. Eu espero para ele começar a falar, para questionar por que eu estou aqui, mas ele não o faz. Os segundos se esticam em minutos antes que eu perceba que... Meu plano de conversar com ele se transformou num silêncio desconfortável. Frenética por minha falha social, eu tento pensar em algo bom para dizer que não é, “Conte-me toda a sua história de vida!”
Evren: Então... É uma noite bem legal para uma tarde.
(Oh Deus... Eu realmente acabei de dizer isso...?)
Eu sinto calor correr para meu rosto por minhas terríveis habilidades sociais. Mas Zero apenas olha para mim e, na verdade, dá uma pequena risada.
Zero: É.
Vendo seu brilhante sorriso, eu relaxo.
(Bom, então ele tem um senso de humor, pelo menos. Se tivesse sido Quatro, isso poderia ter ido realmente ruim...)
Evren: Dra. Park me disse que eu deveria tentar conhecer vocês. A equipe, eu quero dizer. Eu vi você na cafeteria mais cedo, então eu pensei que viria dizer oi.
Zero assente junto, então coça sua cabeça.
Zero: Você está se acostumando com as coisas? Você tem alguma pergunta?
-Eu acho que sim.
Evren: Hm. Eu acho que sim. Pouco a pouco.
Zero: Bom. Eu sei que pode ser difícil se acostumar com as coisas aqui...
Evren: Eu posso estar um pouco com saudades de casa, no entanto.
Zero: Eu sei o que você quer dizer.
-Quando você chegou aqui?
(Uma pergunta brota em minha mente.)
Evren: Quando você chegou aqui, Zero?
Zero: Eu era uma criancinha. Sete anos.
Evren: Uau... Isso deve ter sido difícil.
Zero: É...
Embora eu apenas tenho sido parte da Phantom Alpha por três semanas.
Evren: Oh, então você é novo como eu?
Zero assente e eu sorrio, sentindo-me um pouco melhor.
Evren: Eu acho que podemos ser os novatos na equipe, então. Eu sei que você esteve na PHASe por mais tempo, mas vamos ajudar um ao outro?
Eu estendi uma mão para Zero, e ele parece surpreso antes de tomá-la. Nós apertamos as mãos brevemente e Zero sorri.
Zero: Eu estava me sentindo meio solitário, então estou feliz que você veio.
Evren: Oh, você quer dizer para conversar?
Zero lentamente balança sua cabeça.
Zero: Sim, e não... Eu estava sentando aqui para reunir meus pensamentos. Mas eu me referi à equipe. Eu sou o membro mais jovem e mais recente, e todos são tão experientes. Então esteve sendo difícil, às vezes.
Evren: Ah, eu te entendo aí. Eu estive me perguntando o tempo inteiro se eles pegaram a pessoa certa para o trabalho.
Zero: Eu vi suas habilidades. Você é boa, não se preocupe.
Eu sorrio e me inclino para trás, olhando ao céu. Eu não posso evitar sentir alívio da validação. De ouvir isso de alguém que realmente me viu em ação.
Evren: Obrigada.
Depois disso, nós ficamos quietos pelo resto de nosso tempo juntos. Eu acho que nós dois nos sentimos melhor, apenas tendo alguém que entende.
-O salão à noite.
Depois de algumas curtas apresentações com os funcionários, e um ótimo jantar na cafeteria, eu fui apontada na direção do salão por alguém. O que quer que eu estava esperando quando ouvi a palavra “salão”, certamente não foi isso.
(Tudo na PHASe é tão luxuoso... Vai levar algum tempo para se acostumar. Eu não consigo me lembrar de um único momento em minha vida antes quando eu estava em algum lugar assim tão legal.)
Eu ando na direção do bar e cuidadosamente absorvo meus arredores. Do piso, para a decoração interior e mesmo a vista pelas janelas... Tudo sobre este lugar parece supremamente alta classe.
(Não, perambular pelas terras desoladas definitivamente não ofereceu nenhuma oportunidade para esse tipo de luxo.)
Eu paro ao lado do bar e olho para a tela de menu. Quando eu começo a rolar por ela, uma coisa se torna muito clara.
(Todos esses drinques soam tão desconhecidos... e não há preços também... Ugh. Isso significa que é de graça, ou é que ninguém ao redor daqui se importa sobre o preço ou algo assim...?)
Eu suspiro e me jogo numa banqueta de bar. Depois de cutucar o menu, eu peço um drinque, algo que vagamente tenho certeza que conheço. Com nada mais para fazer além de esperar, eu giro ao redor na banqueta e observo as pessoas no salão. Está longe de vazio aqui, mas há um canto em particular que parece ser deixado em paz completamente.
(Aquele parece um lugar tão bom, no entanto.)
???: Aqui está sua ordem, agente.
Evren: (?!)
Uma voz repentinamente fala, tão de repente, de fato, que eu quase pulo para fora da banqueta de bar. Eu giro ao redor para encarar a bartender com um sorriso acanhado.
(Por favor, finja que você não viu isso...)
A bartender apenas sorri de volta para mim enquanto coloca meu pedido na minha frente. Ela me dá um pequeno assentir e sai andando, deixando-me sozinha. Eu olho para baixo ao meu drinque.
(Huh, então eu acho que é de graça? É isso ou eles vão tirar de meu salário...)
Eu poderia tentar chamar a bartender de volta e perguntar, mas eu sinto que isso é algo que posso descobrir depois. Embora não é imediatamente aparente, eu posso sentir as pessoas me jogando curiosos olhares de relance enquanto conversam. Eu não consigo ouvir o que estão dizendo, mas posso adivinhar. Eu imagino que não é todo dia que alguém novo se junta à PHASe como um agente, ao invés de um estagiário. Mesmo se a curiosidade deles é compreensível, isso não significa que eu tenho qualquer desejo de ser encarada assim. Pelo menos eles não estão todos apontando e rindo de mim, gritando, “Saia daqui, sua viajante suja”.
(Tudo o que eu quero é um momento quieto com meu drinque em algum canto escuro sem todos os olhos em mim.)
Eu agarro meu drinque e vou para o canto quieto que todos os outros parecem evitar. Os fofoqueiros todos se calam e me encaram antes de rapidamente se virarem para longe permanentemente.
(...? Oh, AGORA eles param... Tanto faz.)
Eu coloco meu drinque na mesa e me sento, apenas para sentar em algo não muito certo. Algo quente e duro.
(...!)
Eu pulo aos meus pés num instante. Eu me viro ao redor para olhar ao que quer que eu tinha sentado.
Evren: Q-Quatro?!
O nome desliza para fora de meus lábios antes que eu possa pensar em me parar. Eu sinto muitos olhos em mim novamente. Há uma repentina tensão no ar; algo que claramente não é perdido pelos observadores. O sonolento Quatro lentamente abre seus olhos e pisca várias vezes, antes de finalmente direcionar seu olhar para mim.
Quatro: Aish, por que você está gritando meu nome?
Eu engulo em seco. O jeito que ele se cuidou com aquelas pessoas em nosso primeiro encontro não é algo que eu possa esquecer.
(Ele... Ele não me sentiu sentar nele...?)
Evren: Eu sinto muito, eu apenas estava surpresa de ver você aqui. Eu...
Eu perco minha trilha de pensamento enquanto o encaro apenas deitado lá.
Evren: ...Por que você está dormindo aqui?
Quatro respira fundo lentamente e se empurra para uma posição sentada. Ele despenteia seu cabelo um pouco e olha para mim com olhos sonolentos.
Quatro: Eu estava cansado. Aqui era mais perto.
(Eu acho que isso explica o porquê de todos estarem evitando este canto.)
Ele me encara sem dizer uma palavra.
(Uh, eu deveria apenas pegar meu drinque e ir para outro lugar?)
Ele pisca lentamente, como se afastando a confusão pós-cochilo.
Quatro: Você...
Eu inspiro precipitadamente.
(Oh não, ele vai dizer alguma coisa sobre eu sentando nele... Eu deveria me desculpar.)
Evren: Eu...
Ele repentinamente dá um sorrisinho e estende sua mão para mim.
Evren: (...? Ele quer que eu o ajude...? Oh, espere...)
Suas palavras de volta na igreja abandonada voltam para mim.
“Eu apertarei sua mão se ver você novamente.”
Eu luto contra um sorrisinho e pego sua mão.
(Então eu finalmente consigo aquele aperto de mão. Quatro é um homem de sua palavra, então.)
O aperto de mão é breve, mas firme. Rapidamente o bastante, ele puxa sua mão de volta.
Quatro: Não pense que eu não percebi que você sentou em mim mais cedo, no entanto.
Evren: Ahaha, é claro... Eu sinto muito, apenas não vi você aí.
Quatro: Examine seus arredores devidamente da próxima vez. Se você é assim tão desatenta, você pode perder algo crucial numa missão, e matar a si ou outra pessoa.
Evren: ...
(Eu não sei o que dizer a isso.)
Suas palavras me lembram do que ele disse a Zero de volta na igreja abandonada. Quatro lentamente se levanta e começa a sair andando, apenas para parar bem ao meu lado. Ele olha para baixo a mim com uma expressão estranha em seus olhos, algo que eu não posso muito identificar.
Quatro: Bem-vinda a Phantom Alpha, Sete.
Ele assente para si mesmo e sai andando sem outra palavra, deixando-me a encarar suas costas indo embora.
(Eu não tenho completa certeza do que fazer dele. Mas... ele estava tentando cuidar de mim?)
Eu me jogo no lugar abandonado de Quatro e pego meu drinque. O que quer que eu pensei antes, parece que eu aceitando a oferta da PHASe definitivamente provará ser interessante. Eu estou nervosa sobre encontrar o resto da equipe, mas por agora eu me sento e relaxo... Aproveitando meu drinque com o nome que eu não consigo me lembrar.
-O salão à tarde.
Outro dia... Outra carga de papelada e aulas educacionais sobre a PHASe para atravessar.
(Pelo menos, eu estou terminada agora... eu acho.)
Eu marcho pelos infinitos corredores pelo o que parece a milionésima vez esta semana. É sexta-feira, mas tempo na PHASe não parece nem mesmo existir. Ainda assim, no entanto, eu estou determinada a relaxar e tomar um tempo livre.
(Eles disseram que eu começarei o treinamento de missão na segunda-feira... Então talvez eu possa sair e explorar Olympia neste fim de semana!)
O mero pensamento me endireita e eu fico um pouco mais ereta, e puxo meus largados ombros para trás.
(É, eu deveria me animar! Eu posso começar relaxando pegando um drinque do salão!)
Com isso em mente, eu fixo meu destino e saio. Quando eu entro no salão, sou cumprimentada por uma linda vista do céu da tarde do lado de fora. Ele imediatamente melhora meu humor.
(Ah, vir aqui foi definitivamente a decisão certa depois de uma semana difícil.)
Eu começo a ir ao bar, mas então percebo um rosto familiar, sentando à uma mesa. Mas ele não é o único lá. Um homem todo de branco senta na frente dele, e eu reconheço seu uniforme como um dos raramente vistos funcionários da administração daqui. Os olhos de Nove encontram os meus brevemente... E eu imediatamente desvio o olhar, na direção do bar. Eu ando para ele e me sento.
(Não quero ser pega encarando como uma esquisitona.)
Eu tenho que lutar contra a vontade de olhar para trás quando o bartender vem pegar meu pedido.
(Eu acho que eles estão tendo uma reunião...? Ou talvez eles estejam apenas bebendo, não consigo dizer.)
Eu peço meu drinque e fico quieta, perguntando-me exatamente qual é o papel de Nove dentro da organização.
(Bem, eu li em seu perfil que ele é o líder, então acho que ele lida com os superiores aqui, também.)
Eu não estaria na Phantom Alpha se não fosse por Nove atestando por mim, mas eu não o vi desde aquele dia. Eu decido que tenho que agradecê-lo pelo o que ele fez por mim. Pela chance que ele me deu, apesar de eu ser uma viajante.
(Talvez eu irei falar com ele antes de ir embora—)
???: Ei. Como você está?
Eu quase pulo para fora de minha pele pela voz gentil ao meu lado. Eu viro para ver Nove deslizando na banqueta de bar ao meu lado. Eu consigo gaguejar uma resposta.
Evren: E-E-Eu estou bem. Boa, sério. Caramba, você me assustou.
Nove: Desculpe. Eu não sou muito bom em furtividade, mas algumas vezes ainda consigo surpreender as pessoas.
Evren: Bem, está tudo bem... Eu estava apenas pensando em ir falar com você.
Nove: Sério?
Eu assinto.
Evren: É claro. Nós vimos um ao outro quando eu entrei, e você é meu... líder, agora. Eu deveria cumprimentar você, certo? Eu quero dizer, isso está bem?
Nove dá uma risadinha.
Nove: É. Isso está bem. Eu apenas pensei que você pode estar... intimidada, ou algo assim.
-Por que eu estaria?
Evren: Por que eu estaria intimidada? Você esteve sendo nada além de gentil comigo.
Nove: Isso é um alívio de ouvir.
Evren: ...As pessoas têm medo de você, geralmente?
Nove inclina sua cabeça, parecendo pensar sobre sua resposta.
Nove: Talvez não seja que eles tenham medo, mas sim que eles me incompreendem.
Evren: Eu vejo...
Nove: Essa não é a razão por trás das maiorias dos conflitos humanos, no entanto?
Evren: Equívocos?
Nove: Sim.
-Talvez um pouco.
Evren: Bemmmmm... Talvez apenas um pouco.
O jeito que Nove assente, como se ele soubesse o tempo todo, me faz arrepender de ser honesta apenas um pouco.
Nove: Ah, é, eu vejo.
Nós ficamos quietos por um momento, e então:
Nove: Eu posso lhe fazer uma pergunta?
Evren: Sim?
Nove: Por que é... que você está intimidada?
Evren: Hmm... Eu acho que apenas há alguma coisa sobre autoridade. Ela atrai as pessoas, mas as repele também. Líderes são geralmente pessoas intensas que chegaram onde estão por sua habilidade. E você nunca está certo se pode entrar em problema com eles...
Nove: Ah, eu vejo. Então é medo. Ou talvez possa ser dito, que é medo de ser incompreendido.
Evren: Eu... É, eu acho que você está certo.
Eu penso sobre alguns dos argumentos e lutas que vi em minha vida.
Evren: Quando você corta toda a trivialidade... É. É, eu acho que você está certo. Isso é o que resta. Equívocos.
(Eu acho que ser um líder deve ser difícil, especialmente se ele está sempre em contato com ambos oficiais da PHASe e seus companheiros de equipe. Eles podem nem sempre entender por que ele faz o que faz.)
Eu olho para Nove e sorrio.
Evren: Então... Vamos sempre fazer o esforço para tentar e entender um ao outro.
Nove parece momentaneamente surpreso antes de sorrir de volta.
Nove: Eu gostaria disso.
O bartender me entrega meu drinque então. Nove pede um para si mesmo e então se vira de volta para mim.
Nove: Então como você está indo na PHASe? Você está se acostumando com a vida aqui?
Eu dou de ombros.
Evren: Eu acho que sim. Não é fácil, mas...
Nove assente para si mesmo.
Nove: São os corredores, certo?
Evren: Os... corredores?
Nove: Eu quero dizer, tem que ser as aulas, também, e todo o resto. Mas desde que você era uma viajante, você provavelmente sente falta de toda aquela liberdade.
Eu penso sobre os frios e infinitos corredores brancos por toda a PHASe.
Evren: Eu... é. Eu acho que é. Eu quero dizer que você está certo. É tudo que o torna difícil. É tudo tão diferente do que eu estou acostumada. Mas eu acho que quando estou viajando pelo prédio é o que parece mais estranho. Todos eles parecem o mesmo, então quase não parece que você está indo para algum lugar. E não há janelas, então nem mesmo parece que o tempo está passando.
Nove: Você viu as árvores de cerejeira quando veio para a cidade?
Evren: Huh?
Eu estou confusa pela repentina mudança de tópico, perguntando-me se ouvi algo errado, mas decidi continuar.
Evren: Cerejeiras? Sim, eu as vi. Elas eram lindas.
Nove: É, é assim que você sabe que realmente está aqui, tipo realmente aqui em Olympia.
Evren: Sim! Isso é o que eu pensei, também. Eu nunca tinha as visto antes, mas sempre ouvi sobre elas.
Nove: É, elas são lindas. Mas você sabia que elas florescem o ano inteiro?
Eu estreito meus olhos.
Evren: O que você quer dizer? Isso é impossível. Elas são cerejeiras...
Nove: Eu sei, mas essas são especiais. Elas foram geneticamente projetadas para serem capazes de florescer a qualquer momento. Especialmente já que elas estão na área protegida de Olympia.
Evren: Oh... Isso é bem legal, então.
Nove assente.
Nove: Eu acho isso, também. Mas enquanto estive ficando aqui, eu comecei a pensar diferente.
Evren: O que você quer dizer?
Nove parece tão sério quando eu pergunto isso, que eu quase me inclino para trás pela intensidade em seus olhos.
Nove: As cerejeiras não são amadas por causa de sua natureza transitória? Nós apenas a temos uma vez por ano normalmente, então é especial.
Evren: Bem, é... Oh, eu vejo o que você está dizendo.
Nove: Certo? Então quando você tira isso, você tira muito de sua beleza. Do modo que elas florescem tão brilhantemente antes de desvanecerem... E você também tira essa natural passagem do tempo. Você está tirando algo que humanos experimentaram por milhares de anos.
Evren: A mudança de estações... Certo.
Eu repentinamente me lembro do que estávamos discutindo, antes da tangente da cerejeira.
Evren: Então você está falando sobre os corredores da PHASe?
Nove: Exatamente. Não sentir a passagem do tempo não é normal. Isso te choca, faz tudo parecer artificial. Eu tenho uma profunda sensação de saudades de casa apenas disso. É natural ansiar pela natureza e coisas como a mudança de estações, quando é com isso que você está acostumado.
Evren: Hmm... É, você está certo. É impressionante o que o homem conseguiu fazer, mas isso não necessariamente significa que parece certo.
Nove: Exatamente—
Naquele momento, o bartender coloca o drinque de Nove na frente dele. Ele pausa para tomar um gole.
Nove: Desculpe. Eu não pretendi tagarelar assim.
Evren: Não, não. Está tudo bem. Isso me fez pensar. Obrigada. Por compartilhar seus pensamentos, eu quero dizer.
Nove assente e sorri novamente antes de tomar outro gole de seu drinque. Mudando o tópico, nós conversamos um pouco mais sobre minha educação da PHASe e sobre a equipe antes que Nove tenha que ir embora. Mas quando ele faz, eu sou deixada com uma sensação que não tive desde que entrei na PHASe: Uma estranha sensação de paz.
-Lugar nenhum. Eu quero ficar em meu quarto para sempre.
Eu me arrasto pelo vazio corredor. Cama. Cama. Cama. Cama. A palavra toca em círculos em minha cabeça enquanto eu marcho na direção de meu quarto. O dia inteiro foi gasto preenchendo formulários, falando com superiores, fazendo testes, preenchendo mais formulários... Sendo informada em tudo relacionado à equipe Phantom Alpha. Então, sendo mostrada ao redor das instalações da PHASe, pelo menos onde meu nível de autorização permitiria. É claro, isso significa que eu tive que ir e preencher os formulários necessários para conseguir dita autorização em primeiro lugar.
(Se eu tiver que olhar outro formulário novamente...)
Eu paro e descanso minha cabeça contra a porta de meu quarto por um momento. Parece tão fria e calmante contra minha pele quente. Meus olhos parecem tão pesados. Eu me sinto deslizando para um sonho. Eu arfo e me empurro para longe da porta.
(Ugh, eu devo estar mais cansada do que percebi se estou adormecendo bem na porta...)
Eu corro minha mão sobre a fechadura e ela apita gentilmente algumas vezes. A porta abre com um suave clique e eu a abro e faço meu caminho para dentro. No momento que eu entro no quarto, eu encontro alguma coisa que faz todo o cansaço dissipar. Eu fico congelada em confusão enquanto encaro ao homem casualmente relaxando em minha cama.
(Esse... esse é o meu quarto, certo?)
Eu sei que não estou muito acostumada ao layout do lugar ainda, mas... O homem de cabelo prateado olha para cima e nossos olhos se encontram. Eu vejo um breve brilho de surpresa em seus olhos escuros antes de ele esconder tudo.
(Não, olhando a ele, esse definitivamente é meu quarto.)
???: Eh, quem é você?
Evren: Eu sou...
(Eu não deveria mais estar dizendo meu nome verdadeiro, certo?)
Evren: Eu sou Sete.
(Tudo o que eu sou suposta a ser agora é Sete, membro da equipe Phantom Alpha...)
Evren: Quem é você, e o que você está fazendo em meu quarto? Como você até entrou...?
(Eu fui dita que a fechadura apenas responderia ao meu toque...)
O homem de cabelo prateado sorri e graciosamente se empurra para uma posição sentada.
???: Não há nenhum lugar que eu não consiga entrar.
(Eu estou cansada demais para isso...)
Eu encaro o estranho intruso.
Evren: Isso não responde nenhuma de minhas perguntas.
Ele ri em resposta.
???: Eu respondi uma delas, não foi?
O sorrisinho atrevido em seu rosto parece apenas aumentar com isso. Mas antes que eu possa dizer mais alguma coisa, ele rapidamente pula aos seus pés, e vem ficar na minha frente. Ele olha para baixo a mim, aquele sorriso ainda colado em seu rosto.
Seis: Eu sou Seis.
(Seis? Então ele é outro companheiro de equipe meu, então. Eu me lembro de ler que meus companheiros de equipe são Nove, Zero, Quatro, Seis, Cinco, Oito e Três.)
Seis: Bem-vinda à equipe, Sete.
Ele dá um sorriso muito mais gentil desta vez.
Evren: Oh, obrigada, eu... Espere! Isso ainda não explica o que você está fazendo no meu quarto.
Seis ri e aponta seus dedos indicadores para mim como se fossem armas.
Seis: Você me pegou aí.
(Ele acabou de...? ... Sim...)
Seis: Eu acabei de voltar de uma missão e precisava de algum lugar quieto para descansar um pouco.
Evren: Eu vejo... Você frequentemente invade os quartos de outras pessoas para “descansar”?
Seis: Entrar em lugares é apenas parte de meu trabalho~
Evren: ...Você não vai me responder, vai?
Seis: Não~
Evren: Você ainda não me disse como entrou.
Seis toca seu nariz com um sorriso.
Seis: Esse é um segredo professional, querida Sete.
Eu sinto um profundo impulso para suspirar.
Evren: Você não tem um quarto próprio?
Seis: Eu tenho, é claro~
Evren: Então por q—
Seis: É mais fácil descansar quando não pode ser encontrado.
Evren: Oh, certo. Eu... Eu acho que isso faz sentido.
(Realmente faz ou eu estou cansada demais que isso faz? Eu não posso dizer mesmo.)
Evren: Bem, isso é tudo bom, mas você pode encontrar algum outro lugar para descansar a partir de agora? Algum lugar que não é meu quarto?
Seis assente e faz seu caminho para a porta. Ele abre a porta, mas para no meio do caminho e olha de volta a mim com um sorriso gentil.
Seis: Realmente é legal conhecê-la, Sete. Eu estou ansioso para ver o que você pode fazer.
Ele se vira para sair, mas então para e se vira mais uma vez.
Seis: Oh, e desculpe sobre isso. Até semana passada, esse quarto não pertencia a ninguém.
E com isso, Seis finalmente sai de meu quarto. A porta automaticamente tranca atrás dele com um suave clique e apito. Eu caio de cara em minha cama.
(Os lençóis... por que eles cheiram diferente...? É um aroma bom, mas...)
A imagem de um sorridente Seis brilha em minha mente.
(Oh... elas cheiram como ele...)
Talvez eu devesse ter uma reação maior a alguém estando em meu quarto assim, mas é um companheiro de equipe e... Honestamente, eu estou cansada demais para reagir.
(Até agora eu encontrei quatro de sete de meus companheiros de equipe. E nenhum dos ditos encontros foi nada que alguém possa chamar de “normal”. Eu me pergunto quando conseguirei encontrar todos os outros? ...Qualquer um deles será normal?)
Eu rolo para minhas costas e encaro o teto.
(Mas novamente, o que exatamente é normal? Especialmente nesse tipo de vida.)
Eu suspiro.
(Nada será nenhum tipo de normal novamente.)
Meus olhos viajam para a vista além das janelas.
(Mas... talvez eu possa vê-lo novamente. Talvez eu possa encontrá-lo na cidade em algum lugar. Apesar de como tudo terminou entre nós... Eu sinto sua falta.)
Eu fecho meus olhos cansados, e me permito finalmente viajar para um profundo sono. Luz do sol atinge meus olhos e eu me acordo com um susto.
(Merda, eu tenho que...!)
Eu esfrego meus olhos e absorvo meus arredores.
(Oh, é mesmo... Eu estou em Olympia. Eu estou na PHASe... Eu não tenho que me esconder do sol por medo de fritar.)
Eu dou um suspiro de alívio e caio de volta na cama. Eu sinto ao redor da mesa de cabeceira um pouco e agarro o celular providenciado pela PHASe. Quando a tela ganha vida, eu vejo uma notificação de email da Pesquisadora Líder.
“Agente Sete, você e outro agente são exigidos a se apresentarem para o Teste de Compatibilidade de Equipe. O TCE é projetado para garantir que você é eficientemente incorporada à equipe Phantom Alpha. Quem você escolhe não é importante, já você terá que testar com todos os membros eventualmente. Eu lhe mandarei um plano do mapa da PHASe para seu ARO. Vocês se encontrarão na Área de Treinamento. A reunião começa às 10 a.m. Lembranças, Dra. Keiria Park.”
Eu olho ao tempo. 9:27 se torna 9:28 a.m.
(Eu não conheço a PHASe bem o bastante ainda para não me perder. O mapa definitivamente irá ajudar, mas eu ainda preciso me familiarizar com o lugar. Eu deveria ir logo se não quiser me atrasar.)
A doutora disse para escolher alguém da equipe para se juntar a mim nesse teste.
(Ugh, ligar para alguém é... Como eu mesmo deveria ligar para eles?)
Eu não tenho nenhum de seus números pessoais ainda. Eu nem mesmo encontrei todos eles, então pode ser um pouco estranho pedir alguém que eu ainda devo encontrar para fazer isso comigo tão de repente. Eu decido apenas chamar alguém que encontrei, então. Eu corro para o display de parede e aperto “Diretório” na tela.
-Nove.
Eu aperto “Nove” no diretório e o display entra em modo de chamada. Ele toca...
(Talvez essa foi uma ideia ruim.)
E toca...
(Ele é o líder, afinal. Eu tenho certeza que ele está ocupado.)
...e toca.
Nove: Ei.
Evren: Oh! Oi.
Nove: Oi.
Evren: Eu sou... uh, Sete.
Uma risadinha, e então “Eu sei”.
Evren: Eee... Eu te liguei porque Dra. Park acabou de me mandar um email. Ela me pediu para levar um parceiro ao laboratório para o Teste de Compatibilidade de Equipe.
Nove: Oh, você me escolheu. Obrigado.
Evren: É... Então, eu sei que você deve estar ocupado, mas eu imagino que nós temos que fazer isso a algum ponto, de qualquer forma...
Nove: Claro, é. Eu tenho tempo. Quando?
Evren: Oh, às 10 a.m.
Nove: 10? Isso é cedo... Eu tentarei chegar lá o mais cedo possível.
Evren: Ótimo, muito obrigado!
Eu termino a ligação, sentindo-me de algum modo socialmente mortificada, mas bem realizada!
(Parceiro adquirido. Agente Sete em movimento.)
Eu bufo aos meus próprios pensamentos.
(Ok, é. Eu nunca vou dizer isso em voz alta.)
Eu saio para o corredor e ligo meu mapa de sobreposição, carregando os dados que recebi da Dra. Park.
(Eu me pergunto, como esse teste será?)
Vendo a Phantom Alpha em ação em primeira mão, eu pensei que eles eram tão legais naquela época. Mas agora isso me deixa mais nervosa que qualquer outra coisa.
(Minhas habilidades não são ruins em comparação, mas...)
Eu diminuo meu passo e olho ao redor.

Evren: Onde eu estou...?
Meus olhos correm pelo mapa, tentando fazer sentido de onde eu possa estar.
(Ótimo, eu estou perdida. Eu tenho bastante certeza que virei errado em algum lugar... mas onde?)
Não importa onde eu olhe no mapa, eu não consigo ver meu próprio indicador.
(O mapa está falhando? Está faltando algumas áreas, talvez...? Eu acho que ouvi falar de alguns mapas tendo áreas escondidas, mas isso é apenas ridículo.)
Eu suspiro.
(Eu NÃO tenho tempo para estar perdida agora mesmo. Acho que preciso tentar e refazer meus passos para recomeçar... Eu vou estar tão atrasada. NOVAMENTE. Dra. Park vai pensar que eu sou a agente mais irresponsável de todos...)
Nove: Perdida?
Eu giro ao redor para encarar a voz tranquilizadora e inquisitiva atrás de mim.
Evren: Oh, Nove... Talvez um pouco.
Nove dá uma pequena risada.
Nove: Acostumava acontecer comigo o tempo inteiro. Ainda acontece, algumas vezes.
Evren: Bom saber que não é apenas eu. Mas, como você sabia onde me encontrar?
Nove: Eu vi onde você estava no mapa.
Evren: Huh? Como você me localizou?
(O aplicativo de mapa parece tão quebrado...)
Nove: Cada equipe na PHASe pode localizar os membros de seu próprio grupo. Apenas em caso de nós precisarmos encontrar um ao outro rapidamente.
-Eu não sei como me sentir sobre isso...
(Parece meio arrepiante, mas... também parece que pode ser realmente prático. Especialmente se alguém está numa situação onde não podem se comunicar. Então eu não sei como me sentir sobre isso exatamente. Indecisa, por enquanto. Eu acho?)
Sem nada para dizer, eu apenas assinto.
-(Isso é meio arrepiante...)
Evren: Então, qualquer um pode saber onde eu estou a qualquer dado momento?
Nove: Sim.
Evren: Eu vejo, bom saber...
(Ok, é. Isso é meio arrepiante... Mas, pelo menos é apenas um indicador num mapa e nada mais.)
-Parece que é realmente útil.
(Eu tenho tantas perguntas... Onde está o localizador? Qual é o alcance nisso? Se PHASe fosse hackeada, poderia ser usado por outra pessoa para localizar agentes?)
Eu me restrinjo de perguntar tudo, por enquanto. Eu sei que estamos pressionados por tempo, então apenas assinto.
Evren: Parece que é realmente útil.
Nove: Sim, embora eu espere que não teremos que usá-lo frequentemente.
Eu assinto, pensando que estar numa situação onde você tem que localizar seu companheiro de equipe deve ser uma assustadora.
Nove: Nós vamos nos atrasar. Venha, vamos.
Ele começa a sair andando, na direção do que eu assumo ser a direção do laboratório. Não querendo ser deixada para trás novamente, eu me apresso atrás dele. Nós quietamente andamos lado a lado por um tempo, subimos alguns andares, e por um labirinto de corredores.
Nove: Então, você já está acostumada com esses corredores?
Evren: Hmm?
Então, eu me lembro de nossa conversa.
Evren: Um pouco, eu acho. Eu ainda sinto falta de estar do lado de fora...
Nove: Isso é apenas natural.
Os olhos de Nove se desviam de mim na direção de algo adiante no corredor e eu olho, também.
Nove: Dra. Park.
Nove e eu a encontramos no meio do corredor. Ela olha para Nove primeiro.
Dra. Park: Bom dia, Agente Nove.
Nove inclina sua cabeça ao comentário educado dela, e os olhos dela caem em mim.
Dra. Park: Um pouco atrasada, não está?
Meu estômago afunda.
Evren: Oh, eu sinto muito... Eu não sabia. Eu não pretendi—
Nove: Ela apenas se perdeu um pouco. É por isso que eu vou encontrá-la.
Evren: Sim, isso mesmo. Desculpe.
Dra. Park: ...Essa é uma coisa boa, então. Devemos ir ao laboratório?
Dra. Park gira em seus calcanhares e começa a sair andando. Nove anda atrás dela e eu me apresso para alcançar. É quando um brilho de preto corre ao virar da esquina. Eu paro em meu caminho. Um estranho homem para em nossa frente.
(Esse é outro PHA—)
Ele puxa o que parece uma arma de choque e mira direto para Dra. Park.
(Mas... que diabos?!)
-[Proteja a Doutora.]
Eu movo adiante e agarro Dra. Park pelo braço, puxando-a para trás enquanto movo para ficar na frente dela.
(O que diabos está acontecendo aqui?!)
Um alarme retumba pelo corredor, e uma voz entre altos gritos anuncia calmamente demais:
AS ASAS AZUIS INFILTRARAM. KAIROS ESTÁ NO PRÉDIO.
(KAIROS... falaram sobre eles em meus vídeos de treinamento. Como eles entraram?!)
O intruso mira sua arma de choque sobre meu ombro para Dra. Park. Num único passo largo, Nove está em nossa frente, levantando suas mãos entre nós.
Nove: Você está sozinho?
O intruso dá um sorrisinho.
Intruso: Minhas únicas ordens foram para pegar a Agente Sete viva. Para você por outro lado, eu não recebi nenhuma ordem específica. Mas eu sei que Mago ficaria satisfeito se eu capturasse alguém de uma classe tão rara quanto a sua.
Naquele momento, o mundo parece desacelerar. Os olhos de Nove correm para o lado, na direção do tablet que Dra. Park está segurando. O asas azuis carrega sua arma.
(O que... O que ele está pensando?)
E numa fração de segundo, Nove agarra o tablet enquanto o homem puxa o gatilho—
-[Deixe Nove proteger a Doutora.]
Nove anda a passos largos adiante confiantemente, como se o homem não estivesse mesmo armado. Ele fica entre o homem e Dra. Park, enquanto dá à doutora um leve empurro de volta em minha direção.
(O que diabos está acontecendo aqui?!)
Um alarme retumba pelo corredor, e uma voz entre altos gritos anuncia calmamente demais:
AS ASAS AZUIS INFILTRARAM. KAIROS ESTÁ NO PRÉDIO.
(KAIROS... falaram sobre eles em meus vídeos de treinamento. Como eles entraram?!)
O intruso mira sua arma de choque sobre o ombro de Nove a Dra. Park.
Nove: Você está sozinho?
O intruso dá um sorrisinho.
Intruso: Minhas únicas ordens foram para pegar a Agente Sete viva. Para você por outro lado, eu não recebi nenhuma ordem específica.
(O quê?! Levar-me...? Como alguém mesmo sabe de mim...?)
Intruso: Mas eu sei que Mago ficaria satisfeito se eu capturasse alguém de uma classe tão rara quanto a sua.
Naquele momento, o mundo parece desacelerar. Quando o intruso carrega sua arma, eu me intrometo e fico bem entre Nove e o intruso.
(Desculpe, cara, você vai cair.)
E numa fração de segundo, bem quando eu movo adiante, o homem puxa o gatilho—
-Quatro.
Meu dedo flutua sobre “Quatro” no diretório. Eu me sinto um pouco nervosa sobre ligar para ele, mas eu afasto esse sentimento e aperto o botão de chamada. Embora apenas toque algumas vezes, o tempo parece desacelerar com cada toque.
Quatro: Sim?
O rosto de Quatro finalmente aparece em minha tela. Se ele está surpreso por uma ligação de mim, não parece.
Evren: Bom dia. Dra. Park me mandou um email sobre um Teste de Compatibilidade de Equipe que eu sou suposta a fazer.
Silêncio.
Evren: Ela disse para escolher alguém para se juntar a mim.
Mais silêncio.
Evren: Nós somos supostos a encontrá-la no laboratório às 10 a.m.
Quatro: ...Eu encontrarei você no laboratório.
Quatro termina a ligação sem me dar tempo para dizer qualquer outra coisa.
(Suspiro. Bem, poderia ser sido pior!)
(Parceiro adquirido. Agente Sete em movimento.)
Eu bufo aos meus próprios pensamentos.
(Ok, é. Eu nunca vou dizer isso em voz alta.)
Eu saio para o corredor e ligo meu mapa de sobreposição, carregando os dados que recebi da Dra. Park.
(Eu me pergunto, como esse teste será?)
Vendo a Phantom Alpha em ação em primeira mão, eu pensei que eles eram tão legais naquela época. Mas agora isso me deixa mais nervosa que qualquer outra coisa.
(Minhas habilidades não são ruins em comparação, mas...)
Eu diminuo meu passo e olho ao redor.
Evren: Onde eu estou...?
Meus olhos correm pelo mapa, tentando fazer sentido de onde eu possa estar.
(Ótimo, eu estou perdida. Eu tenho bastante certeza que virei errado em algum lugar... mas onde?)
Não importa onde eu olhe no mapa, eu não consigo ver meu próprio indicador.
(O mapa está falhando? Está faltando algumas áreas, talvez...? Eu acho que ouvi falar de alguns mapas tendo áreas escondidas, mas isso é apenas ridículo.)
Eu suspiro.
(Eu NÃO tenho tempo para estar perdida agora mesmo. Acho que preciso tentar e refazer meus passos para recomeçar... Eu vou estar tão atrasada. NOVAMENTE. Dra. Park vai pensar que eu sou a agente mais irresponsável de todos...)
Quatro: Então, foi para cá que você passeou.
É necessária toda a minha força de vontade para me impedir de gritar então. Eu reconheço o dono da voz imediatamente, mas isso não significa que ouvi-la de repente me assustou menos. Eu viro em meus calcanhares para encarar Quatro.
Evren: Oh, mas qu... Quatro, você me assustou.
(O que você parece fazer cada vez que vemos um ao outro. Eu sinceramente espero que isso não continue, porque meu coração não consegue aguentar ser constantemente surpreendido assim.)
Quatro: O que você está fazendo passeando por aí?
Evren: Bem, eu... honestamente, eu apenas me perdi. Mas, como você sabia onde me encontrar?
Quatro: Eu vi seu indicador num mapa e vim lhe buscar.
Evren: Huh? Como você me localizou?
(O aplicativo de mapa parece tão quebrado...)
Quatro: Todos os membros de equipe têm etiquetas que nos ajudam a localizar um ao outro, no caso de nós precisarmos encontrar um ao outro rapidamente.
-Eu não sei como me sentir sobre isso...
(Parece meio arrepiante, mas... também parece que pode ser realmente prático. Especialmente se alguém está numa situação onde não podem se comunicar. Então eu não sei como me sentir sobre isso exatamente. Indecisa, por enquanto. Eu acho?)
Sem nada para dizer, eu apenas assinto.
-(Isso é meio arrepiante...)
Evren: Então, qualquer um pode saber onde eu estou a qualquer dado momento?
Quatro: Sim.
Evren: Eu vejo, bom saber...
(Ok, é. Isso é meio arrepiante... Mas, pelo menos, é apenas um indicador num mapa e nada mais.)
-Parece que é realmente útil.
(Eu tenho tantas perguntas... Onde está o localizador? Qual é o alcance nisso? Se PHASe fosse hackeada, poderia ser usado por outra pessoa para localizar agentes?)
Eu me restrinjo de perguntar tudo, por enquanto. Eu sei que estamos pressionados por tempo, então apenas assinto.
Evren: Parece que é realmente útil.
Quatro quietamente me encara por um momento. Quando eu começo a ficar nervosa sobre sua falta de resposta, ele assente.
Quatro: É bom em situações durante missões onde nós não podemos nos comunicar por qualquer razão.
Eu não posso evitar sorrir.
(Eu não quero assumir, mas realmente parece que eu consegui alguma aprovação.)
Quatro olha de relance a algum lugar no teto com uma expressão estranha em seu rosto.
Quatro: Nós precisamos ir.
Ele começa a sair andando, na direção do que eu assumo ser a direção do laboratório. Não querendo ser deixada para trás novamente, eu me apresso atrás dele. Nós quietamente andamos lado a lado por um tempo, subimos alguns andares, e por um labirinto de corredores.
Quatro: Como você está se aclimatando?
Ele fala tão de repente que eu quase tropeço em surpresa.
Evren: Tudo bem, eu acho.
Eu digo isso, mas então reclamações começam a derramar para fora de mim.
Evren: Todos os corredores parecem os mesmos... Parece frio aqui e eu já sinto falta do lado de fora.
Quatro: Você deveria ir para o... ...
Ele fica quieto. Eu olho de relance para ele quando nós viramos uma esquina, mas pensamentos de seu repentino silêncio somem pela visão da Dra. Park vindo em nossa direção. Nós andamos para encontrá-la no meio do caminho. Quando nós paramos, eu percebo que ela não parece nada satisfeita de nos ver.
Dra. Park: Você está atrasada.
Seu tom é curto e afiado. Seus olhos praticamente fizeram buracos em Quatro, quem fica de pé muito mais rígido que antes. Sua mandíbula está travada enquanto ele recusa encontrar os olhos da doutora. Ao invés, ele silenciosamente encara a parede. Eu engulo em seco quando os olhos dela finalmente encontram os meus. Embora eles suavizem um pouco, eu não consigo sacudir a sensação inquietante pressionando meu peito.
Evren: Eu sinto muito, Dra. Park. Eu me perdi no caminho...
-[Mencione a ajuda de Quatro.]
Evren: E Quatro na verdade veio para me localizar, então a culpa é minha.
Dra. Park: Eu vejo.
-[Não diga nada.]
Evren: ...
Dra. Park vira em seus calcanhares e começa a sair andando. Quatro e eu sem palavras olhamos de relance um ao outro e seguimos atrás dela na direção do laboratório. É quando um brilho de preto corre ao virar da esquina. Eu paro em meu caminho. Um estranho homem para em nossa frente.
(Esse é outro PHA—)
Ele puxa o que parece uma arma de choque e mira direto para Dra. Park.
(Mas... que diabos?!)
-[Proteja a Doutora.]
Eu movo adiante e agarro Dra. Park pelo braço, puxando-a para trás enquanto eu movo para ficar na frente dela.
(O que diabos está acontecendo aqui?!)
Um alarme retumba pelo corredor, e uma voz entre altos gritos anuncia calmamente demais:
AS ASAS AZUIS INFILTRARAM. KAIROS ESTÁ NO PRÉDIO.
(KAIROS... falaram sobre eles em meus vídeos de treinamento. Como eles entraram?!)
O intruso mira sua arma de choque sobre meu ombro para Dra. Park. Quatro se move para ficar em nossa frente. Embora eu não consiga ver seu rosto, eu sou lembrada do modo que ele se moveu para eficientemente despachou aquelas pessoas na igreja abandonada.
Quatro: Foi um erro vir aqui.
O intruso dá um sorrisinho.
Intruso: Minhas únicas ordens foram para pegar a Agente Sete viva. Para você por outro lado, eu não recebi nenhuma ordem específica. Mas eles podem ficar satisfeitos se eu me livrar do famoso assassino.
Naquele momento, o mundo parece desacelerar. Quatro muda sua instância e o asas azuis carrega sua arma. Pelo som dela, rapidamente carrega além da configuração “não-letal”. E numa fração de segundo, bem quando Quatro se move adiante, o homem puxa o gatilho—
-[Deixe Quatro proteger a Doutora.]
Eu pude jurar que ouço Quatro clicar sua língua bem antes de ele rapidamente se mover para proteger a doutora. Ele a agarra pelo braço e bruscamente puxa-a para trás. Enquanto ela vacila, ele se move para ficar na frente dela.
(O que diabos está acontecendo aqui?!)
Um alarme retumba pelo corredor, e uma voz entre altos gritos anuncia calmamente demais:
AS ASAS AZUIS INFILTRARAM. KAIROS ESTÁ NO PRÉDIO.
(KAIROS... falaram sobre eles em meus vídeos de treinamento. Como eles entraram?!)
O intruso mira sua arma de choque sobre meu ombro para Dra. Park.
Quatro: Foi um erro vir aqui.
O intruso dá um sorrisinho.
Intruso: Minhas únicas ordens foram para pegar a Agente Sete viva. Para você por outro lado, eu não recebi nenhuma ordem específica.
(O quê?! Levar-me...? Como alguém mesmo sabe de mim...?)
Intruso: Mas eles podem ficar satisfeitos se eu me livrar do famoso assassino.
Naquele momento, o mundo parece desacelerar. Quando o intruso carrega sua arma, eu me intrometo e fico bem entre Quatro e o intruso.
(Desculpe, cara, você vai cair.)
E numa fração, bem quando eu movo adiante, o homem puxa o gatilho—
-Seis.
Eu encaro o nome “Seis” no diretório.
(Nós apenas conversamos uma vez até agora, e aquilo foi... Eu nem mesmo sei, estava cansada demais naquela época. Então seria legal encontrá-lo de novo, devidamente. Em algumas circunstâncias menos estranhas.)
Com esse pensamento em mente, eu aperto o botão de chamada. Ele apenas toca duas vezes antes do rosto de Seis aparecer na tela.
Seis: Olá? Oh, Sete.
Ele sorri.
Seis: Bom dia!
Evren: Bom dia, Seis. Eu sinto muito jogar isso em você tão de repente, mas Dra. Park me contatou e disse que há um Teste de Compatibilidade de Equipe que temos que fazer. Ela me disse para escolher um parceiro e chegar ao laboratório às 10 a.m. Então, se você não está ocupado agora mesmo, gostaria de se juntar a mim?
Seis está quieto por um momento, antes de responder entusiasticamente.
Seis: Claro! Verei você no laboratório às 10.
Evren: Obrigada!
Eu termino a ligação, sentindo que isso foi bem.
(Parceiro adquirido. Agente Sete em movimento.)
Eu bufo aos meus próprios pensamentos.
(Ok, é. Eu nunca vou dizer isso em voz alta.)
Eu saio para o corredor e ligo meu mapa de sobreposição, carregando os dados que recebi da Dra. Park.
(Eu me pergunto, como esse teste será?)
Vendo a Phantom Alpha em ação em primeira mão, eu pensei que eles eram tão legais naquela época. Mas agora isso me deixa mais nervosa que qualquer outra coisa.
(Minhas habilidades não são ruins em comparação, mas...)
Eu diminuo meu passo e olho ao redor.
Evren: Onde eu estou...?
Meus olhos correm pelo mapa, tentando fazer sentido de onde eu possa estar.
(Ótimo, eu estou perdida. Eu tenho bastante certeza que virei errado em algum lugar... mas onde?)
Não importa onde eu olhe no mapa, eu não consigo ver meu próprio indicador.
(O mapa está falhando? Está faltando algumas áreas, talvez...? Eu acho que ouvi falar de alguns mapas tendo áreas escondidas, mas isso é apenas ridículo.)
Eu suspiro.
(Eu NÃO tenho tempo para estar perdida agora mesmo. Acho que preciso tentar e refazer meus passos para recomeçar... Eu vou estar tão atrasada. NOVAMENTE. Dra. Park vai pensar que eu sou a agente mais irresponsável de todos...)
Eu quase pulo para fora de minha pele quando sinto um leve toque em meu ombro. Quando eu me viro, eu vejo um Seis de aparência divertida parado lá.
Seis: Desculpe, eu te assustei?
Eu considero mentir por um segundo, fingindo que consegui permanecer completamente imperturbável. Mas meu coração ainda exausto protesta o pensamento. Então eu escolho fazer uma pergunta ao invés.
Evren: Todos os agentes da PHASe são ensinados a se esgueirar nas pessoas? Porque se todos os outros caras vão estar fazendo isso, eu posso apenas ter um ataque cardíaco.
Seis pisca em surpresa, então explode em risadas.
Seis: Não, nem todos são treinados para isso. Você deveria estar bem, provavelmente. Então, eu estou adivinhando que você se perdeu.
Eu sinto minhas bochechas lentamente esquentarem.
Evren: ...Sim, eu me perdi. Como você sabia onde me encontrar?
Seis: Eu vi seu indicador num mapa e vim lhe buscar.
Evren: Huh? Como você me localizou?
(O aplicativo de mapa parece tão quebrado...)
Seis: Todos na Phantom Alpha tem etiquetas que nos ajudam a localizar um ao outro. Embora, seja geralmente usado apenas em caso de uma emergência.
(Então, todos nós temos algum tipo de etiquetas de localização em nós...)
-Eu não sei como me sentir sobre isso...
(Parece meio arrepiante, mas... também parece que pode ser realmente prático. Especialmente se alguém está numa situação onde não podem se comunicar. Então eu não sei como me sentir sobre isso exatamente. Indecisa, por enquanto. Eu acho?)
Sem nada para dizer, eu apenas assinto.
-(Isso é meio arrepiante...)
Evren: Então, qualquer um pode saber onde eu estou a qualquer dado momento?
Seis: Sim~ Eu sei que parece meio arrepiante, mas não é suposto a ser usado a menos que há uma verdadeira necessidade de trabalho para isso.
(Ok, é. Ele leu minha mente, definitivamente parece que pode ser meio arrepiante.)
-Parece que é realmente útil.
(Eu tenho tantas perguntas... Onde está o localizador? Qual é o alcance nisso? Se PHASe fosse hackeada, poderia ser usado por outra pessoa para localizar agentes?)
Eu me restrinjo de perguntar tudo, por enquanto. Eu sei que estamos pressionados por tempo, então apenas assinto.
Evren: Parece que é realmente útil.
Seis assente em resposta. Ele olha para seu relógio, e então para mim.
Seis: Vamos indo, ou estaremos realmente atrasados.
Nós quietamente andamos lado a lado por um tempo, subimos alguns andares, e por um labirinto de corredores.
Seis: Não faz muito tempo, mas como você está se acostumando com tudo?
Ele fala tão de repente que eu quase tropeço em surpresa.
Evren: Tudo bem, eu acho.
Eu digo isso, mas então reclamações começam a derramar para fora de mim.
Evren: Todos os corredores parecem os mesmos... Parece frio aqui e eu já sinto falta do lado de fora.
Seis assente junto enquanto eu listo minhas reclamações sobre o lugar.
Seis: É sempre difícil no começo. Mas se você continuar, encontrará seu próprio lugar aqui em breve.
Nós dois ficamos quietos quando vemos Dra. Park vindo em nossa direção. Nós andamos para encontrá-la na metade do caminho. Quando paramos, ela dá a Seis um breve assentir antes de virar seu foco em mim.
Dra. Park: Você está atrasada.
(Ugh, ela não perde nenhum tempo.)
Evren: Eu sinto muito, Dra. Park. Eu me perdi no caminho.
Ela assente, embora pelo menos não pareça com raiva por isso.
Dra. Park: Vamos.
Dra. Park gesticula para nós a seguirmos, vira em seus calcanhares, e sai andando. Seis e eu, sem palavras, olhamos de relance um ao outro antes de seguir atrás dela na direção do laboratório. É quando um brilho de preto corre ao virar da esquina. Eu paro em meu caminho. Um estranho homem para em nossa frente.
(Esse é outro PHA—)
Ele puxa o que parece uma arma de choque e mira direto para Dra. Park.
-[Proteja a Doutora.]
Eu movo adiante e agarro Dra. Park pelo braço, puxando-a para trás enquanto eu movo para ficar na frente dela.
(O que diabos está acontecendo aqui?!)
Um alarme retumba pelo corredor, e uma voz entre altos gritos anuncia calmamente demais:
AS ASAS AZUIS INFILTRARAM. KAIROS ESTÁ NO PRÉDIO.
(KAIROS... falaram sobre eles em meus vídeos de treinamento. Como eles entraram?!)
O intruso mira sua arma de choque sobre meu ombro para Dra. Park. Seis move para ficar na nossa frente. Sua instância parece relaxada, enganosamente relaxada.
Seis: Pronto, pronto, essa realmente é a melhor opção? Você está no meio de território inimigo, aqui. Se correr agora, pode simplesmente fugir.
O intruso dá um sorrisinho.
Intruso: Minhas únicas ordens foram para pegar a Agente Sete viva. Para você por outro lado, eu não recebi nenhuma ordem específica.
(O quê?! Levar-me...? Como alguém mesmo sabe de mim...?)
Intruso: Mas Temperança pode ficar satisfeito se eu trazer você, também.
Naquele momento, o mundo parece desacelerar. Seis muda sua instância e o asas azuis carrega sua arma. E numa fração de segundo, bem quando Seis move adiante, o homem puxa o gatilho—
-[Deixe Seis proteger a Doutora.]
Um segundo ele está ao meu lado, no próximo ele está parado bem ao lado da doutora. Ele gentilmente a empurra para trás dele enquanto mantém seus olhos no intruso.
(O que diabos está acontecendo aqui?!)
Um alarme retumba pelo corredor, e uma voz entre altos guinchos anuncia calmamente demais:
AS ASAS AZUIS INFILTRARAM. KAIROS ESTÁ NO PRÉDIO.
(KAIROS... falaram sobre eles em meus vídeos de treinamento. Como eles entraram?!)
O intruso mira sua arma de choque sobre o ombro de Seis para Dra. Park.
Seis: Pronto, pronto, essa realmente é a melhor opção?
Seis: Pronto, pronto, essa realmente é a melhor opção? Você está no meio de território inimigo, aqui. Se correr agora, pode simplesmente fugir.
O intruso dá um sorrisinho.
Intruso: Minhas únicas ordens foram para pegar a Agente Sete viva. Para você por outro lado, eu não recebi nenhuma ordem específica.
(O quê?! Levar-me...? Como alguém mesmo sabe de mim...?)
Intruso: Mas Temperança pode ficar satisfeito se eu trazer você, também.
Naquele momento, o mundo parece desacelerar. Quando o intruso carrega sua arma, eu me intrometo e fico bem entre o intruso e Seis.
(Desculpe, cara, você vai cair.)
E numa fração de segundo, bem quando eu movo adiante, o homem puxa o gatilho—
-Zero.
O nome “Zero” imediatamente atrai meus olhos. Eu aperto em seu rosto e o display entra em modo de chamada. O telefone toca sem fim pelos próximos 60 segundos.
(Eles têm mensagens de voz aqui? Eles devem...)
Eu tinha acabado de desistir quando ouço uma voz.
Zero: Olá?
Evren: Bom dia, Zero.
Zero: ...Bom dia.
Evren: Um, eu estou ligando para ver se você estaria disposto a descer para fazer um teste de Compatibilidade de Equipe. É às 10 nesta manhã.
Zero: 10? Okay.
(Okay? Só isso?)
Evren: ...Obrigada. Até mais, então.
Zero: Tchau.
Eu termino a ligação e suspiro.
(Bem, isso foi... direto. Mas, passo um completo. Parceiro adquirido. Agente Sete em movimento.)
Eu bufo aos meus próprios pensamentos.
(Ok, é. Eu nunca vou dizer isso em voz alta.)
Eu saio para o corredor e ligo meu mapa de sobreposição, carregando os dados que recebi da Dra. Park.
(Eu me pergunto, como esse teste será?)
Vendo a Phantom Alpha em ação em primeira mão, eu pensei que eles eram tão legais naquela época. Mas agora isso me deixa mais nervosa que qualquer outra coisa.
(Minhas habilidades não são ruins em comparação, mas...)
Eu diminuo meu passo e olho ao redor.
Evren: Onde eu estou...?
Meus olhos correm pelo mapa, tentando fazer sentido de onde eu possa estar.
(Ótimo, eu estou perdida. Eu tenho bastante certeza que virei errado em algum lugar... mas onde?)
Não importa onde eu olhe no mapa, eu não consigo ver meu próprio indicador.
(O mapa está falhando? Está faltando algumas áreas, talvez...? Eu acho que ouvi falar de alguns mapas tendo áreas escondidas, mas isso é apenas ridículo.)
Eu suspiro.
(Eu NÃO tenho tempo para estar perdida agora mesmo. Acho que preciso tentar e refazer meus passos para recomeçar... Eu vou estar tão atrasada. NOVAMENTE. Dra. Park vai pensar que eu sou a agente mais irresponsável de todos...)
Eu me viro para tentar e voltar ao caminho de onde vim... Mas me encontro cara a cara com o alto Zero.
Evren: Aah—! Zero, mas que diabos?
Zero: Eu te assustei?
Evren: Obviamente! Por que você está aqui?
Zero: Porque você estava obviamente perdida.
Evren: ...Certo, justo o bastante. Mas, como você sabia? E como sabia onde me encontrar?
Zero: Porque eu estava olhando para onde você estava no mapa.
Evren: ...Como?
(O aplicativo de mapa parece tão quebrado...)
Zero: Qualquer um na PHASe pode localizar sua própria equipe. Você nunca sabe quando vão se separar.
-Eu não sei como me sentir sobre isso...
(Parece meio arrepiante, mas... também parece que pode ser realmente prático. Especialmente se alguém está numa situação onde não podem se comunicar. Então eu não sei como me sentir sobre isso exatamente. Indecisa, por enquanto. Eu acho?)
Sem nada para dizer, eu apenas assinto.
-(Isso é meio arrepiante...)
Evren: Então, qualquer um pode saber onde eu estou a qualquer dado momento?
Zero: É, mas é o mesmo para todos nós.
Evren: Eu vejo, bom saber...
(Ok, é. Isso é meio arrepiante... Mas, pelo menos é apenas um indicador num mapa e nada mais.)
-Parece que é realmente útil.
(Eu tenho tantas perguntas... Onde está o localizador? Qual é o alcance nisso? Se PHASe fosse hackeada, poderia ser usado por outra pessoa para localizar agentes?)
Eu me restrinjo de perguntar tudo, por enquanto. Eu sei que estamos pressionados por tempo, então apenas assinto.
Evren: Parece que é realmente útil.
Zero: É, ele me ajudou a te encontrar, não foi?
Eu assinto, incapaz de discutir com essa lógica.
Zero: Nós temos que ir, no entanto. Nós vamos nos atrasar.
Ele começa a sair andando, na direção do que eu assumo ser a direção do laboratório. Não querendo ser deixada para trás novamente, eu me apresso atrás dele. Nós quietamente andamos lado a lado por um tempo, subimos alguns andares, e por um labirinto de corredores. Depois de um pouco, o silêncio dos corredores combinado com o silêncio do homem com quem estou andando começa a me atingir. Eu olho de relance a Zero.
Evren: Então... Como você esteve?
Zero: Huh? Oh... Bem.
Vendo que ele não está planejando continuar, eu continuo falando.
Evren: Eu estive trabalhando duro para me acostumar aqui. Eu ainda sinto falta da natureza...
Zero: Eu também.
Os olhos de Zero correm de mim na direção de algo adiante no corredor. Eu me viro para ver o que ele está encarando.
Zero: Oi, Dra. Park.
Dra. Park: Bom dia, Zero.
Zero e eu a encontramos no meio do corredor.
Dra. Park: É bom ver você. Você estava indo buscar nossa desaparecida nova agente?
Zero: Sim. Ela se perdeu.
Evren: Eu sinto tanto.
Dra. Park: Nós dificilmente estamos atrasados, de qualquer forma. Obrigada por sua ajuda, Zero. Bom trabalho.
Zero faz um leve movimento de saudação, então Dra. Park se vira.
Dra. Park: Sigam-me.
É quando um brilho de preto corre ao virar da esquina. Eu paro em meu caminho. Um estranho homem para em nossa frente.
(Esse é outro PHA—)
Ele puxa o que parece uma arma de choque e mira direto para Dra. Park.
(Mas... que diabos?!)
-[Proteja a Doutora.]
Eu movo adiante e agarro Dra. Park pelo braço, puxando-a para trás enquanto eu movo para ficar na frente dela. Mas mesmo quando eu faço, Zero fica entre nós e o atacante.
(O que diabos está acontecendo aqui?!)
Um alarme retumba pelo corredor, e uma voz entre altos gritos anuncia calmamente demais:
AS ASAS AZUIS INFILTRARAM. KAIROS ESTÁ NO PRÉDIO.
(KAIROS... falaram sobre eles em meus vídeos de treinamento. Como eles entraram?!)
O intruso mira sua arma de choque sobre meu ombro para Dra. Park.
Zero: Como você entrou aqui?
O intruso dá um sorrisinho.
Intruso: Minhas únicas ordens foram para pegar Agente Sete viva. Para você por outro lado, eu não recebi nenhuma ordem específica. Mas eu sei que a Alta Sacerdotisa ficaria feliz de analisar o único membro de uma nova classe.
Zero: Você teria que ser capaz de me capturar primeiro.
Naquele momento, o mundo parece desacelerar. O asas azuis carrega sua arma. E numa fração de segundo, Zero começa a se mover enquanto o homem puxa o gatilho—
-[Deixe Zero proteger a Doutora.]
Antes que eu possa me mover, Zero está na nossa frente e do atirador numa instância defensiva. Eu alcanço adiante e agarro o braço da Dra. Park para puxá-la mais perto de mim.
(O que diabos está acontecendo aqui?!)
Um alarme retumba pelo corredor, e uma voz entre altos guinchos anuncia calmamente demais:
AS ASAS AZUIS INFILTRARAM. KAIROS ESTÁ NO PRÉDIO.
(KAIROS... falaram sobre eles em meus vídeos de treinamento. Como eles entraram?!)
O intruso mira sua arma de choque sobre o ombro de Zero para Dra. Park.
Zero: Como você entrou aqui?
O intruso dá um sorrisinho.
Intruso: Minhas únicas ordens foram para pegar a Agente Sete viva. Para você por outro lado, eu não recebi nenhuma ordem específica.
(O quê?! Levar-me...? Como alguém mesmo sabe de mim...?)
Intruso: Mas eu sei que a Alta Sacerdotisa ficaria feliz de analisar o único membro de uma nova classe.
Naquele momento, o mundo parece desacelerar. Quando o intruso carrega sua arma, eu me intrometo e fico bem entre o intruso e Zero.
(Desculpe, cara, você irá cair.)
E numa fração de segundo, bem quando eu movo adiante, o homem puxa o gatilho—
Continua...
Nove: Ei.
Zero: Está triste que terminou?
Nove: Você gostou da demo? Nós queríamos falar com você em nome das desenvolvedoras.
Quatro: Vocês ouvem melhor assim de qualquer forma, certo?
Nove: Desculpe sobre Quatro. Mas nós pensamos que você pode gostar da chance de fazer perguntas desta forma.
Quatro: Espere, no entanto, há algumas coisas que queremos tirar do caminho.
Nove: Ah, sim. Algumas coisas—
Zero: Há um Kickstarter acontecendo para financiar este jogo!
Nove: Sim. Esta é apenas uma demo. Se você quer ajudar a fazer o jogo acontecer, por favor. Contribua ou espalhe a notícia sobre o Kickstarter.
Zero: Há também recompensas legais e oportunidades de mercadoria do patrocinador da Aeon Dream nele.
Quatro: Qualquer coisa e tudo nos ajuda em algo assim.
Zero: Nós realmente estamos esperando que você irá pelo menos chegar a página do Kickstarter. Por favor?
Quatro: Você pode alcançá-la do menu principal.
Nove: Além disso, nós queríamos lhe dizer um pouco sobre as criadoras. Aeon Dream Studios consiste de três mulheres que são o núcleo criativo. Elas usam contratantes para ajudá-los em desenvolver o jogo.
Quatro: Eles são de todo o mundo.
Nove: Isso mesmo. Elas são uma pequena equipe indie de desenvolvimento de novela visual tentando mostrar a vocês o melhor jogo que podem. Isso significa que elas têm limites, mas estão sempre procurando por maneiras e fazer mais, também. Então elas pedem por sua paciência, entendendo e apoiando enquanto o jogo se desenvolve.
Quatro: Nós esperamos que você faça isso para que elas possam focar em fazer um ótimo jogo.
Nove: Agora, você tem perguntas?
-O jogo mudará desta demo?
Quatro: É isso que uma demo significa.
Nove: Quatro...
Zero: Ele está certo, no entanto. A demo é apenas um rascunho para ver o que você pensa.
Nove: É verdade que as desenvolvedoras vão querer melhorar tudo antes do lançamento de um jogo completo.
Quatro: Desculpe, mas algumas coisas vão definitivamente mudar a partir de agora até a versão final.
Nove: E enquanto elas procuram e avaliam o feedback de todos vocês também.
-BigHit aprovou?
Nove: Infelizmente, não, Aeon Dream não viu nenhuma comunicação de um jeito ou de outro.
Quatro: Elas o contataram para deixá-los saber de seus planos, no entanto.
Nove: Foi por causa da paixão dos fãs que elas pensaram em avançar como um projeto não-oficial.
Zero: Elas irão tão longe quanto puderem, por BTS e ARMY para tornar o projeto uma realidade.
Nove: Esse é o presente delas para fãs e o tributo delas para BTS. Mas por favor, considere isto meramente como um projeto de fã ARMY. Aeon Dream Studios não está de modo algum afiliado com BigHit Entretenimento ou BTS.
-O jogo completo custará dinheiro?
Quatro: Não.
Zero: Além de custos de financiamento para desenvolvimento, o próprio jogo não custará dinheiro.
Nove: Houve interesse em assinatura premium por conteúdo adicional, mas você pode checar isso no Kickstarter.
Zero: Elas querem tantas pessoas para serem capazes de jogar quanto possível.
-Onde estão os outros membros?
Quatro: Você os verá o mais cedo possível.
Nove: Aeon Dream esteve trabalhando duro dia e noite com raramente nenhum dia de folga para lançar PHASe 2 para você. Elas estão felizes de fazer isso, mas criar um jogo leva tempo.
Zero: Por favor, espere um pouco mais e você poderá ver mais na próxima atualização.
Nove: Também havia muito mais que elas queriam colocar neste lançamento, mas a fim de lançar para você, tiveram que cortar.
Quatro: Você pode segui-las nos links de redes sociais no menu para ter a informação mais recente.
Nove: Há algumas coletâneas adicionais postadas em seu Twitter também.
Zero: Por favor, espere outra atualização chamada PHASe 2.5 com mais cenas em algum momento em Novembro de 2017. Por favor, espere por nós.
-Quando a próxima parte sairá?
Nove: O mais cedo possível. Depende em quão bem o desenvolvimento for, mas há uma atualização planejada para cenas adicionais antes da PHASe 3.
Zero: PHASe 2.5.
Quatro: Então depois disso, PHASe 3 irá completar a demo e o prólogo do jogo.
Nove: Espere por PHASe 2.5 em Novembro.
Zero: Oh e este aplicativo será atualizado, então você não precisará baixar uma nova versão.
-Como eu consigo o jogo completo?
Quatro: Ele tem que ser financiado pelo Kickstarter acontecendo agora mesmo.
Nove: É... Essa é a realidade. Desenvolvedores de jogos e os contratantes com quem trabalham precisam pagar contas e comer também. E por “jogo completo”, nós queremos dizer conteúdo desenvolvido fora do prólogo de demo que você esteve jogando.
Zero: Se for financiado, Aeon Dream continuaria a desenvolver o jogo fazendo lançamentos de capítulos aproximadamente uma vez por mês.
Quatro: Se por qualquer razão não for financiado, elas precisarão avançar para diferentes projetos por enquanto. Você entende, certo?
-Esse é um jogo de romance?
Zero: Mais ou menos.
Nove: Num sentido. Amor é um tópico importante agora mesmo, mas há muitos modos de mostrá-lo.
Quatro: Se você está pensando que isso é um jogo otome, pode esquecer.
Nove: O que Quatro quer dizer é que o foco não será no romance, mas se esse tipo de união desenvolverá depende do jogador.
Zero: Apenas espere e veja, mas nós achamos que você gostará de como acontecerá.
-Quando a versão iOS sairá?
Quatro: Quando elas poderem terminar.
Nove: É, elas estão trabalhando nisso como sua primeira prioridade.
Zero: Elas darão uma data de lançamento assim que puderem.
-E sobre traduções para outras línguas?
Nove: Por causa da extensiva quantidade de trabalho envolvida em gerenciar e conseguir as línguas para o jogo que tira do tempo de desenvolvimento...
Quatro: Aeon Dream pode não continuar todas as traduções de línguas para o jogo completo.
Zero: Mas elas analisarão atualizar a demo com as atuais línguas existentes depois que PHASe 3 estiver completo.
Nove: Entretanto, elas pretendem atualizar Português e Coreano como uma prioridade, devido às grandes fanbases dentro dessas línguas.
-Isso será lançado na Steam?
Nove: Não. Embora Aeon Dream Studios tenha lançado seus antigos jogos naquela plataforma no passado, é a decisão delas lançar apenas nas plataformas atuais.
Quatro: Você pode checar mais informações em qualquer lugar na rede social ou no website delas.
-Como eu posso ajudar?
Nove: Por conseguir financiar o jogo. Cada pedacinho conta.
Quatro: Também apenas seguindo Aeon Dream na rede social e falando sobre o jogo.
Zero: Usando hashtags como #TTEOTS e #TTEOTSphase2 para falar sobre este lançamento seria útil também.
Nove: Mesmo apenas espalhando a notícia é importante para que nós possamos tornar o jogo uma realidade. Muito obrigado por jogar e por entender e ajudar.
Zero: Nós mal podemos esperar para ver você de volta em breve.
Quatro: Espere ansiosamente por PHASe 2.5.
Esse é o fim da Phase2. Até a próxima! :)

Comentários

  1. quando será traduzido no jogo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De acordo com as desenvolvedoras, depois que o jogo completo ser lançado. :)

      Excluir

Postar um comentário

♥Por favor, seja educado(a) e gentil ao comentar.
♥Diga sua opinião com sinceridade.
♥Não tenha medo de perguntar sobre alguma tradução.
♥Eu leio todos os comentários!

Mais Lidas ♥