Seduce Me 2: Erik (parte 9)

Oi oi, pessoal! Crys-chan voltou com mais Seduce Me 2. Espero que gostem! :)
{Nota: Lembre-se que este jogo possui conteúdo adulto. Você foi avisado!}

Eu comecei a voltar ao meu quarto, pronta para o que iria acontecer amanhã. Tudo seria decidido, então.
Diana: SEU BASTARDO CRUEL E EGOÍSTA!!
Um grito, entretanto, interrompeu minha jornada para meu quarto. Eu congelei no lugar antes de virar minha cabeça na direção de uma porta que mal estava aberta uma fenda. Era a porta levando ao grande salão, a sala de treinamento de Saero. Por que Diana estava lá, no entanto? E com quem ela estava gritando? Eu espiei do lado de dentro para ver Diana encarando na escuridão com seus braços cruzados com força sobre seu peito. Enquanto eu olhava, tentando ver o que ela estava encarando, eu silenciosamente arfei.
Mika: Saero...!
Saero estava se ajoelhando no escuro perante sua senhora, sua cabeça curvada em vergonha. Quando ele retornou? Mais que isso, por que ele estava mantendo sua cabeça abaixada? Ele não teve sucesso em sua missão?
Diana: Onde nos Sete Planos do Inferno você esteve, Saero?!
Saero: Minha dama, eu—
Diana: Você deixou o castelo sem notificação ou aviso, e ativou sua maldita magia sagrada para me negar o direito de lhe invocar para meu lado. Como você OUSA?!
Saero: Se você me deixasse—
Diana: E agora você repentinamente volta ao castelo com um sorriso em seu rosto como se tivesse saído e matado o próprio Lorde Demônio! EXPLIQUE-SE!!
Encarando Diana, eu pude ver seu rosto queimando tão vermelho com fúria. Suas bochechas, entretanto, estavam brilhando enquanto lágrimas rebeldes desciam por elas. Saero manteve sua cabeça abaixada, mas continuou a implorar com Diana.
Saero: Minha dama, eu estava numa busca pessoal. Eu tinha que recuperar algo que acreditava ser importante, e foi incrivelmente egoísta de mim fazer isso. Sinto muito, mas eu precisava completar essa tarefa antes de irmos para a batalha.
Diana: Você colocou essa busca acima de seu dever para comigo?!
Saero: Apenas desta vez, minha dama. Isso precisava ser feito imediatamente e eu peço muitas desculpas por fazê-lo, mas eu prometo que minha jornada trouxe resultados—
Diana: Você não percebe quão preocupada você me deixou?! Eu mal descansei estas últimas três noites por sua causa!!
Eu encarei Diana de olhos arregalados em choque. Ela estava preocupada com ele? Saero pareceu estar surpreso também, olhos arregalados e encarando o chão. Entretanto, ele não levantou sua cabeça, provavelmente ainda seguindo uma ordem previamente dada a ele para manter sua cabeça abaixada.
Saero: Minha dama, eu estou profundamente arrependido—
Diana: Arrependimento não melhora isso! E se você tivesse sido morto?! E se eu tivesse sido morta?! Você deveria estar ao meu lado o tempo inteiro! Você quebrou o juramento que fez não apenas para mim, mas para minha família, que ficaria comigo e me protegeria!
Saero: Minha dama, por favor—!!
Diana: BASTA!! Eu ouvi o bastante!!
Diana se virou para longe de Saero, olhando ao chão e fechando seus olhos com força. Mais lágrimas rebeldes desciam por seu rosto enquanto ela rangia seus dentes. Saero finalmente levantou seu rosto, chocado de ver as costas dela ao invés de seu rosto.
Diana: Você está dispensado. Você não mais está permitido estar no mesmo cômodo que eu até aviso prévio.
Saero: Minha dama—
Diana: Eu disse: Você. Está. Dispensado. Saero.
Saero: ...Ezaeur—
Diana: Você NÃO tem permissão para usar meu—
De repente, Saero disparou para frente e envolveu seus braços ao redor dos braços e peito de Diana, abraçando o corpo dela para o dele com força e ela soltou uma arfada chorosa de surpresa. Saero afundou seu rosto no ombro dela enquanto Diana encarava de olhos arregalados para a parede na frente dela. Diana congelou em seus braços enquanto Saero apertava seu corpo ao dele, trancando-o contra seu peito.
Saero: Não me mande para longe de você. Eu quebrei meu juramento, sim... mas eu o fiz por uma razão. Eu não consigo suportar o pensamento de estar separado de você... não depois do que eu descobri.
Diana: ...
Eu encarei, sentindo meu coração se apertar. Era como assistir a um drama romântico, onde os dois protagonistas iriam terminar ou confessar seu amor um pelo outro. O ar estava tenso e cheio de antecipação e medo. Diana permaneceu congelada nos braços de Saero enquanto ele levantava sua cabeça e gentilmente relaxava seu abraço ao redor dela.
Saero: Ezaeur... Eu lhe trouxe algo.
Diana: Você... o quê...?
Diana finalmente começou a se mover, lentamente se virando nos braços de Saero para olhar a ele em confusão. Saero franziu a testa, vendo o rosto choroso e vermelho dela, e gentilmente levantou uma mão para a bochecha dela. Ele cuidadosamente limpou as lágrimas dos olhos de Diana com a parte de trás de seus dedos antes de pôr a mão em concha no rosto dela. Diana não se inclinou nela, mas não reclamou.
Saero: Eu lhe trouxe algo muito importante. Pode não parecer importante para esta guerra, mas é importante para mim.
Meu coração se prendeu em minha garganta. Ele...? Saero soltou a bochecha de Diana antes de balançar sua mão entre seus rostos, névoa preta e roxa se formando no ar, mudando para algo pequeno. Quando finalmente materializou, Diana arfou e eu silenciosamente ecoei sua reação.
No ar flutuou uma linda rosa dourada num caule verde escuro e sem espinhos. Tinha florescido em grande parte, mostrando suas lindas pétalas e brilhando suavemente entre Saero e Diana. Ela lentamente virou no ar, mostrando a Diana toda sua magnificência.
Saero: A Rosa Dourada: um símbolo e prova de meu amor por você, Ezaeur. Eu queria recuperá-la para você pelo maior tempo e, agora, eu finalmente consegui...
Diana: S... Saero...
Saero: Eu te amo tanto. Você deu à minha vida tanto significado e eu jurei minha vida para proteger você. Ezaeur, você é a mais preciosa e a mais linda mulher para agraciar os cinco mundos e estar com você todo dia me enche com tanta alegria. Se isso é o que for preciso para provar meu amor por você, então eu irei felizmente dar a você milhares de rosas douradas enquanto tiver fôlego. Mas, por favor, saiba que meus sentimentos por você são puros e verdadeiros...
Eu senti vontade de chorar enquanto observava a cena se desenvolver. Diana estava chocada, correntes de lágrimas rebeldes mais uma vez caindo por suas bochechas enquanto ela encarava Saero. A rosa lentamente se abaixou para flutuar entre seus peitos, como se estivesse pacientemente esperando por algo acontecer.
Saero: Você é meu tudo: minha lua, minhas estrelas, meu mundo. Por favor, Ezaeur... não me mande para longe de você...
Diana: Saero... seu idiota...
Saero soltou uma suave risadinha enquanto Diana limpava seus olhos com um sorriso muito, muito pequeno.
Saero: Insulte-me quanto quiser, eu mereço por deixar seu lado. Entretanto, agora que eu provei meu amor para você, eu devo saber a verdade... Você me ama?
Diana olhou para Saero enquanto seu sorriso crescia bem levemente. Algo sobre Diana mudou enquanto ela olhava para ele. Seus olhos pareceram estar mais leves e cheios de alegria. Meu coração derreteu pela maneira que eles olhavam um ao outro; Saero observava Diana com curiosidade, e Diana olhando Saero em calorosa elação. Diana levantou sua mão para a rosa e gentilmente a aninhou debaixo de suas pétalas, fazendo Saero olhar para baixo e arfar. Nas mãos de Diana, a rosa completamente floresceu, revelando suas pétalas internas douradas, quase brancas. Saero olhou de volta para Diana, vendo-a chorar lágrimas alegres e lutando contra suas próprias lágrimas.
Diana: Eu amo, Saero... Mais que você poderia saber... Eu estava apenas—
Saero gentilmente a calou, aninhando sua bochecha gentilmente e limpando suas lágrimas com seu polegar. Pela primeira vez, pelo menos do que eu tinha visto, Diana aninhou na mão dele, fechando seus olhos. Ela pareceu tão inocente e pura com Saero agora... Essa era a verdadeira Diana?
Saero: Seja qual for o medo que você tinha, deixe-o ir... Eu juro nunca lhe machucar e lhe amar até o tempo ficar imóvel...
Eu encarei, lacrimejando, quando Saero gentilmente pegou a rosa de entre eles e a colocou no cabelo de Diana atrás de sua orelha. Diana esperou até ele terminar antes de alcançar e envolver seus braços ao redor do pescoço dele.
Diana: Eu te amo também, Saero...
Por fim, Saero envolveu seus braços ao redor da cintura de Diana e a puxou para perto quando eles finalmente se inclinaram e finalmente beijaram. Era uma visão mágica para contemplar; seu amor ecoava no beijo, fazendo cada um quase brilhar dentro do cômodo. Eu senti minhas bochechas esquentarem num rubor incontrolável enquanto observava.
-Deixá-los em paz.
Eles precisavam de sua privacidade. Quem sabia para onde aquele beijo estava indo, de qualquer forma? Eu sorri, alegre pelo que tinha acontecido entre eles, antes de me virar e comecei a andar na direção de meu quarto.
-Continuar observando.
Era lindo para observar se desenvolver. Diana e Saero finalmente encontraram amor dentro um do outro. Eu estava boba e empolgada por eles dois. Quando eles lentamente se afastaram, Diana levemente estapeou o peito dele, fazendo Saero rir um pouco.
Diana: Você realmente me preocupou.
Saero: Eu sei, e sinto muito.
Diana: Eu perdoarei você se me dizer uma coisa.
Saero: Qualquer coisa.
Diana: Nossa... Nossa convidada convenceu você a fazer isso?
Meu coração ficou preso em minha garganta, mas por medo, não empolgação. Saero iria me dedurar? Fui eu quem o convenceu a ir, mas iria Diana me punir por dar a ideia a ele? Saero aumentou seu aperto ao redor da cintura de Diana, fazendo-a arfar levemente, antes de aninhar nariz a nariz com ela.
Saero: Eu meramente recebi aviso e conselho. Eu escolhi sair por conta própria.
Eu soltei um suspiro silencioso enquanto Diana riu e correu sua mão pela bochecha de Saero.
Diana: Saero, eu sei quando você está mentindo para mim... mas deixarei passar desta vez. Pelo menos, você está seguro aqui comigo agora...
Saero: E eu nunca deixarei seu lado novamente...
O par sorriu um ao outro antes de Saero capturar os lábios de Diana novamente em outro amoroso beijo. Enquanto ela beijava de volta, um pentagrama roxo-escuro apareceu debaixo do par e lentamente os atraiu para dentro do chão. Eles... provavelmente queriam algum real tempo sozinhos. Eu balancei minha cabeça, rindo de mim mesma, antes de me virar e voltar ao meu quarto. Eu finalmente alcancei meu quarto e deixei meu corpo cair na cama. Eu soltei um suspiro de completo prazer quando senti a cama como nuvens embalar meu corpo em sua superfície. Eu estava além de feliz. Pensar que essa insanidade tinha começado com um espírito assombrando meu corpo era surpreendente. Como aquilo era mesmo possível? Ninguém iria acreditar nisso, mas aconteceu comigo de todas as pessoas. Então eu fui sequestrada e tomada para o mundo demônio pelo Lorde Demônio, presa aqui a menos que ele ou eu morresse. Outro louco e improvável evento que conseguiu acontecer. Essa semana inteira tinha se tornado um louco passeio de montanha-russa de empolgação que eu nunca teria esperado. Ainda assim, havia alegria a ser encontrada em aventura e minha curiosidade agradeceu ao destino por me deixar experimentá-la. Agora tudo que eu queria fazer era ir para casa e me casar com o homem que eu amava. Quando Erik finalmente entrou no quarto por fim, eu sorri e me sentei cansadamente. Erik riu antes de sentar ao meu lado e envolver seus braços ao meu redor.
Erik: Você está bem, princesa?
Mika: Sim, apenas cansada...
Nós abraçamos um ao outro, trancados em silêncio e incapazes de dizer algo mais. Nós deixamos a situação que tínhamos acabado de passar se acomodar, aliviados que seríamos felizes a partir de agora juntos. Tudo o que podíamos fazer no momento era abraçar um ao outro e ouvirmos nossos sincronizados batimentos cardíacos. Quanto o pensamento de amanhã dançou em minha cabeça, eu comecei a ficar com medo. Eu estava pronta para ir à batalha? Erik estava? Algum de nós estava, sobre isso? Nós estávamos prestes a entrar na colisão final de uma guerra mundial... Nós iríamos sobreviver? Eu viveria para permanecer com Erik e sentir seu abraço novamente? Amanhã trouxe questões demais para pensar e eu fiquei frustrada e assustada.
-Dormir.
-Fazer amor com Erik.
Eu precisava abraçá-lo e tratar a noite como se fosse nossa última. O amanhã era imprevisível, mas esta noite era garantida.
Eu corri minhas mãos sobre seu colete e olhei nos olhos de Erik, vendo os deles encontrarem os meus num olhar amoroso. Ele pareceu entender silenciosamente exatamente o que eu queria quando gentilmente se inclinou e me beijou. Meus olhos naturalmente se fecharam, sentindo o calor de seu abraço completamente me engolir e me levar a um estado de paz e conforto. O mundo ao nosso redor desapareceu quando eu fiquei perdida em seus braços. Meus dedos dançaram sobre cada botão de sua camisa e os soltou enquanto nosso beijo lentamente se aprofundou, revelando seu peito nu e me deixando sentir o calor de sua pele debaixo de minhas pontas dos dedos. Seus toques eram gentis, doces sobre minhas próprias roupas. A necessidade mútua entre nós era tão fofa quanto um conto de fadas e, sem nada mais para me segurar, nós iríamos derivar para uma feliz euforia nos braços um do outro antes da batalha por minha liberdade começar. Eram momentos assim onde eu sentia a firme devoção de Erik para me fazer sentir mimada, satisfeita, e completamente abençoada com seus toques, seu beijo, sua respiração contra minha pele. Ainda assim, seu aperto intricado em mim apenas ascendeu enquanto as roupas entre nós foram jogadas para longe de nós, deixando-nos nus e deixando-me num lascivo estado de espírito em suas mãos. Eu era uma perfeita massa para ele fundir e cada carícia sobre minha pele era o paraíso. Meu corpo afogou em êxtase enquanto seus dedos massageavam sobre minha pele, seus beijos sobre meu ombro atirando pequenos sobressaltos de prazer por minha espinha enquanto nossas vozes derivavam para suaves suspiros e gemidos. Eu era sua princesa e ele iria me servir cada pedaço de seu amor, abraçando-me para ele de trás e me violando como se soubesse exatamente o que eu queria sentir. Ele era apenas assim tão intuitivo aos meus sentimentos. Aquela parte dele era uma de muitas razões do porquê eu o amava. Mesmo quando seus toques ficaram mais quentes e seu aperto em mim aumentou, eu pude apenas soltar gemidos e gritos felizes dentro de seu amor. Meus dedos ficaram laçados em uma de suas mãos enquanto sua outra explorava cada ponto certo em meu corpo. O passeio se tornou uma neblina enevoada de prazer, meus dedos em minha mão livre afundando em seu cabelo cor de cobre enquanto seu aperto em minha cintura guiava nosso sexo. O aperto que tínhamos em nossas mãos entrelaçadas apertava com cada pulso de prazer que nos atravessava. Nossos nomes se tornaram uma canção repetível, ecoando pelo quarto enquanto o ar se tornou cheio com calor e o agridoce cheiro de suor. Qualquer outro som entre nós se tornou carnal e sem palavras. Nós sabíamos exatamente o que fazer e como levar um ao outro para nosso ápice em comum de prazer. Quando passamos por ele, os altos gritos que soltamos se tornaram a coisa mais doce que eu já tinha ouvido, enterrando-se em minha memória. O resplendor foi igualmente perfeito, os braços de Erik ao redor de minha cintura e seus amorosos beijos sobre minha bochecha e pescoço.
Mika: Eu te amo... Eu sempre te amarei...
Erik sorriu e me aninhou antes de me puxar contra seu corpo, dando-me seu peito como um travesseiro onde descansar. Eu alegremente o tomei, aninhando-o e ouvindo o som de seu lindo batimento cardíaco batendo forte em seu peito. Seu batimento cardíaco batia forte por mim. Eu podia ouvir o amor bater em cada pulso e isso fez um sorriso dançar sobre minha pele. Eu fiquei confiante e cheia de determinação, pronta para o dia a seguir. Amanhã decidiria tudo. O dia do cerco tinha finalmente chegado. Nós tínhamos chegado no castelo do Lorde Demônio, e estávamos tão prontos quanto podíamos. Muitos exércitos carregando diferentes bandeiras e cores lavaram os terrenos perante o castelo, prontos para invadir e devastar o Lorde Demônio e o restante de suas forças. Todos nós compartilhávamos um inimigo em comum e, em sua morte, iríamos todos finalmente conhecermos alguma forma de paz. Mesmo durante a chamada dos principais generais, o ar ficou cheio de determinação e orgulho.
Sargento: Mirth. Avarice. Najia. Feorna. Auratum.
Cada nome chamado se tornou uma marca na história. Esta era a guerra para trazer liberdade ou destruição ao mundo demônio. Se a rebelião não ganhasse esta luta, então esta guerra nunca terminaria. Se a rebelião vencesse, então o mundo se tornaria unido num esperançosamente pacífico governo. A hora antes da batalha foi colocada para tomar lugar. Meus pensamentos instantaneamente voltaram para nossa reunião final no Castelo Lilith. Diana tinha reunido os líderes e nós, instruindo-nos em como exatamente proceder.
Diana: Saero, você estará se juntando a Sombra e Sargento na frente, tomando conta do exército principal cara a cara. Eu espero que você saia disto vivo.
Saero: Sim, minha dama.
Diana: Coelho, Fae, vocês estão encarregadas de ataques à distância e defesa. Nós não podemos permitir que nenhum destes malditos duendes nos pegue por trás.
Fae: Sim, senhora!
Quando Diana olhou para mim, eu fiquei levemente temerosa. Eu tinha que entrar no castelo do Lorde Demônio, mas como exatamente Diana planejou me fazer chegar lá?
Diana: Você e seu noivo tomarão a rota lateral direto para o castelo.
Mika: Espere, huh?
Coelho: Nós organizamos nosso exército para ter nossos mais fortes nas linhas frontais e contra a linha de árvores, dando-nos uma rota lateral para vocês fazerem seu caminho direto para o castelo.
Diana: Se qualquer coisa pingar na rota lateral, vocês serão capazes de se cuidarem. Entretanto, há algo que eu devo pedir de vocês.
Mika: O que é?
Diana: Se vocês forem de fato atacados, você precisa defender seu noivo o caminho inteiro até lá. Não o deixe usar a energia dele.
Erik: Você está louca??
Diana: Quando vocês chegarem ao castelo, eu estarei lutando um contra um com o Lorde Demônio. Se alguma coisa acontecer comigo, então eu precisarei de você para tomar o controle. Ela não está pronta para enfrentá-lo e você precisa estar em plena força para acabar com ele.
Saero: Ela foi bem ensinada. Deixe-a se provar quando o momento chegar.
Eu encarei, ouvindo e reafirmando a ordem. Eu não podia mentir, estava nervosa. Entretanto, eu estava determinada o bastante para levar a cabo. Eu olhei para meu noivo com um sorriso confiante.
Mika: Eu consigo. Não se preocupe.
Apesar da expressão preocupada em seus olhos, ele assentiu e segurou minha mão, confiando em mim e em minha decisão para concordar com o comando de Diana. Diana rolou seus ombros e olhou para o mapa estendido sobre a mesa de guerra entre todos nós. Seu olhar perfurou o pergaminho enquanto a aura ao redor de seu corpo pulsou em raiva.
Diana: Eu voarei adiante e encontrarei o Lorde Demônio diretamente. Não importa o que aconteça, eu não permitirei que aquele monstro viva.
A pura determinação e raiva em sua voz praticamente mandou um arrepio por minha espinha. Ela estava decidida em levar isso a cabo até o fim e eu tinha certeza que ela estava disposta a até mesmo morrer se isso significasse levar o Lorde Demônio com ela. Os restantes íncubos e as esposas foram pedidas para ficarem atrás do exército e guardar a base principal, onde Coelho e Fae estavam estacionadas. Elas precisavam de tantos olhos possíveis na traseira da batalha, então os quatro casais eram perfeitos para manter as coisas sob controle. Quando eles concordaram, a reunião terminou e a preparação de mental tinha começado. A ideia da batalha iminente me assustava, mandando ondas de medo e preocupação para cima e para baixo em meu corpo em resposta ao pensamento.
Erik: Então, minha princesa guerreira, você está pronta?
Mika: Eu quero dizer que sim, mas... Estou assustada.
Erik me deu um sorriso reconfortante e gentilmente se inclinou e beijou minha bochecha, envolvendo seus braços ao meu redor suavemente.
Erik: Eu prometo: eu protegerei você de qualquer coisa que aparecer em nosso caminho.
Eu o ouvi falar antes de assentir e respirar fundo. Tudo ficaria bem. Nós ficaríamos bem. Eu tinha que acreditar em mim mesma e nos levar ao castelo quando o momento estivesse certo. Como um farol, nossas forças se tornaram a bandeira de esperança e força para a rebelião. Pela visão de Diana, muitos soldados se curvaram ou encararam em admiração e inspiração. Talvez fosse a presença dela ou talvez fosse pelo o que ela significa, mas quando Diana parou na falésia da montanha, o ar se tornou cheio de energia e poder. Meu noivo, Coelho, Fae, e eu ficamos atrás dela enquanto Diana ficou na borda da falésia, referindo-se à rebelião para sua batalha final. Sua voz ecoou pelo campo, explodindo e reverberando pelo ar como trovão.
Diana: MILITES! Et huc libertati uestrae terram cum tuis omnibus converseris!! Sto vobiscum reducetque vos ad spem. Nocte, lavabimur arcem hostium sanguine!!
Mika: O que ela está dizendo?
Erik: Ela disse que os ajudará a ganhar sua liberdade e ficará com eles enquanto lutam esta guerra.
Mika: Isso é tudo?
Erik: Bem, ela também disse que o castelo será banhado em sangue, mas não acredito que ela esteja falando literalmente.
Eu assenti enquanto encarava a parte de trás da cabeça de Diana. Uma parte de mim se sentiu um pouco intimidada e com inveja do poder que ela tinha. Ela realmente poderia fazer exércitos se curvarem a ela e obedecerem cada desejo seu. Ao mesmo tempo, eu sabia que ela estava fazendo a coisa certa por este mundo.
Diana: Ille diu dominati sunt nostri! Nos destrueret eum mittere in profundissimum inferni detractos!
Coelho e Fae deram um passo adiante e estenderam suas mãos na direção do castelo, focando suas energias e forçando as paredes de pedra ao redor dele desmoronarem e se dissolverem para a terra. Diana invocou seu sabre, deixando-o reluzir brilhantemente enquanto a mancha roxa sobre sua pele começou a se torcer e virar. Perante meus olhos, a mancha em suas costas tomou forma, levantando da pele de Diana, e morfou num par de asas demoníacas. Eu podia apenas encarar, de queixo caído, quando o corpo de Diana se levantou do chão e começou a voar sobre as legiões, lentamente planando na direção do castelo.
Diana: PARA A GUERRA!!! PARA A BATALHA!!!
Ao seu comando final, as asas de Diana pulsaram no ar, batendo graciosamente quando ela arrebatou para baixo e adiante. Ela estava avançando e voando para as paredes de castelo, sabre desembainhado e pronto para derramar sangue. Quando os exércitos abaixo começaram a berrar e marchar adiante, Coelho segurou meu ombro e me virou para longe do castelo para encará-la.
Coelho: Venham. Nós devemos nos apressar!
Entendendo a necessidade de urgência, eu assenti e corri adiante com o resto dos íncubos na direção do declive para descer o lado da montanha.
Fae: Tudo está em ordem! Sargento e o guarda de Diana estão nas linhas da frente enquanto Sombra está com a legião dele para o oeste.
Erik: Nossa rota está limpa?
Fae: Nós fizemos o que pudemos para manter seu caminho limpo. Nós tentaremos ter certeza que a batalha não quebrará o caminho.
Eu assenti, sentindo a necessidade de correr beliscar meus calcanhares, empurrando-me adiante. Meu noivo pareceu concordar, agarrando minha mão e andando ao meu ritmo junto comigo. Entretanto, quando nós finalmente chegamos na linha da floresta, Fae e Coelho pararam, olhando de volta para nós.
Coelho: Direto por aqui. O som da guerra sempre estará em sua direita, então não se percam.
Fae: Vocês ficarão bem, no entanto! Apenas sigam a linha de árvores!
Em sincronia, meu noivo e eu assentimos em conhecimento antes de virarmos para vermos os outros irmãos e suas esposas.
Mika: Então... é isso.
James: Lembrem-se de seus arredores e protejam um ao outro.
Iridessa: Tomem cuidado, certo? Certifiquem-se de ficarem seguros.
Sam: Chute o cadáver dele umas duas vezes para mim, certo? Bem na cabeça.
Carrie: Nós estaremos bem aqui torcendo por vocês e observando suas costas, ok?
Matthew: Nós terminaremos isso e nos apressaremos assim que pudermos, certo?
Noryn: Tenham certeza de arrebentar, mostrar àquela cabra velha o que ele ganha ao mexer com vocês!
Damien: Nós venceremos isto. Nós sabemos que podemos.
Twila: Vocês conseguem. Nós veremos vocês em breve, ok?
Eu sorri, apesar dos nervos correndo por meu corpo. Eu segurei a mão de meu noivo e a dei um forte aperto antes de receber um igual.
Mika: Nós terminaremos isso, então iremos para casa.
O grupo assentiu antes de eu lentamente me virar e olha para a linha de árvores, respirar fundo, e corri adiante. Combinando minha velocidade, meu amor seguiu, tecendo pelas árvores atrás de mim para não me perder de vista.
Esse é o fim da parte 9. Até a próxima! :)

Comentários

Mais Lidas ♥